ASSINE

Inflação volta a subir na Grande Vitória

Após deflação de 0,3% em agosto, IPCA disparou 0,83% em setembro – acima da média nacional, que ficou em 0,64%. Gastos com alimentação e bebida alcançaram maior patamar desde 2014

Publicado em 09/10/2020 às 11h25
Atualizado em 09/10/2020 às 19h17
Pandemia de coronavírus: supermercados amanhecem lotados em Vitória
Pandemia de coronavírus: supermercados amanhecem lotados em Vitória. Crédito: Ricardo Medeiros

A inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), voltou a crescer na Grande Vitória. Em setembro, o indicador – que havia apresentado deflação de 0,3% em agosto – cresceu 0,83%, alcançando o maior patamar para um mês desde dezembro de 2019 (0,85%), e o pior resultado para setembro desde 2018 (0,88%). No ano, o acumulado é de 1,76%.

Não apenas são os resultados mais elevados do Sudeste brasileiro, como estão acima da média nacional. O país registrou, no mês, aumento de 0,64% na inflação – maior alta para o mês desde 2003. No acumulado do ano, o acréscimo foi de 1,34%,  segundo dados divulgados nesta sexta-feira (9) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Os dados do IPCA referem-se às famílias com rendimento de um a 40 salários mínimos. O desempenho foi puxado pela alta no preço dos alimentos, que de acordo com a pesquisa, e conforme já mostrado por diversas reportagens de A Gazeta, tem alcançado patamares elevados nas últimas semanas, levando alguns estabelecimentos a, inclusive, limitar o volume de produtos vendidos por consumidores.

Os gastos com alimentação e bebida cresceram 3,7% em setembro – maior patamar da série histórica, iniciada em 2014, e quase 4,5% acima da inflação geral do mês. O vilão da cesta básica foi o óleo de soja, com  alta de 25,20%.

Quem foi ao supermercado recentemente certamente sentiu o peso do indicador no bolso. Uma embalagem com 900 ml do produto, que, não muito tempo atrás, custava menos que R$ 5, já beira R$ 7.

Artigos para residência também ficaram mais caros, com avanço de 1,97% no mês. O terceiro maior destaque vai para o segmento de transportes. Os serviços dessa categoria tiveram incremento de 0,94% na inflação.

Não foi, entretanto, a gasolina que mais teve aumento, e sim passagens aéreas, com alta de 17,98% (será sinal da retomada do turismo?), e transporte por aplicativos, cujos preços subiram 14,85% no mês.

Também houve aumento nos gastos com vestuário, cujos preços cresceram, em média, 0,84%, e habitação (0,52%). Também houve aumento da inflação para despesas pessoais (0,31%) e educação (0,13%).

Já os gastos com saúde e cuidados pessoais (-0,76%) e comunicação (0,12%) tiveram redução.

ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS AO CONSUMIDOR (INPC)

O peso da inflação é maior para as famílias de menor renda. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que se refere às famílias com rendimento de um a cinco salários mínimos, apresentou alta de 1,07% em setembro na Grande Vitória.

O acumulado no ano é de 2,86% – também maior que a média nacional, de 2,04%. Em setembro, o INPC no País cresceu 0,87%, sendo o maior resultado para o mês desde 1995, quando o índice foi de 1,17%.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Grande Vitória Ibge Alimentação Inflação

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.