ES amplia oferta de óleo para navios e quer atrair mais cargas para portos

BR Distribuidora passou a fornecer óleo marítimo para o Porto de Vitória com balsas-tanque. Expansão soma-se a outras medidas que podem beneficiar o Estado, como a redução do ICMS para combustível de navio, que tramita na Assembleia

Vitória
Publicado em 22/01/2021 às 02h01
Atualizado em 22/01/2021 às 09h20
Porto de Vitória recebe navio com maior comprimento de sua história
Porto de Vitória: BR Distribuidora passa a fornecer combustível marítimo por meio de balsas-tanque. Crédito: Vitor Jubini

Enquanto os novos portos não saem do papel, o Espírito Santo tem trabalhado em uma série de projetos para aumentar a competitividade das atividades portuárias. Nesta semana, por exemplo, a BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras, anunciou a ampliação do fornecimento de diesel marítimo para a região do Porto de Vitória. A atividade agora conta com o apoio de balsas-tanque, que, segundo a empresa, conseguem navegar para qualquer terminal do canal de Vitória no qual a embarcação esteja atracada.

Até então, o fornecimento do combustível para embarcações portuárias era feito somente via caminhões-tanque. A empresa esclareceu que o novo modal permite abastecimentos emergenciais de grandes volumes em um curto espaço de tempo, com flexibilidade de ajustes de datas e horários.

“Com a ampliação da capacidade de suprimento, poderão ser atendidas embarcações de apoio marítimo do segmento offshore, de pesquisas sísmicas, de dragagens, de apoio portuário, de cabotagem, de longo curso e demais embarcações que demandem o diesel para suas operações”, esclareceu a BR, por meio de nota.

A empresa esclareceu ainda que trata-se de uma alternativa de fornecimento de diesel marítimo que está oferendo ao mercado, e que não substitui nenhuma outra operação dos portos do Estado.

A essa medida, soma-se um projeto de lei encaminhado pelo governo estadual à Assembleia Legislativa do Espírito Santo no final do ano passado, que propõe a redução do imposto sobre combustível de navio para tentar aumentar a atividade portuária no Espírito Santo.

O texto, que ainda está sendo analisado pelas comissões da Casa, prevê que a alíquota de ICMS caia de 17% para 12%. Se aprovado, o produto vendido no Estado deve se tornar um dos mais baratos do país.

Essa redução de custos deve aumentar a atracação de navios nos portos do Estado, o que beneficia empresas de diversas cadeias produtivas, que vão poder vender seus produtos a preços mais competitivos e, consequentemente, em maior quantidade.

Todas as medidas do programa do governo federal têm como fim a desburocratização dessa atividade. Para isso, o governo trabalha com alguns pilares, como a liberdade de afretamento de embarcações, a flexibilização do afretamento de embarcações estrangeiras e a redução do imposto do ICMS sobre o bunker, que é o combustível do navio.

Na visão do secretário de Estado de Desenvolvimento, Marcos Kneip Navarro, o conjunto de medidas contribui para que o Estado se torne cada vez mais competitivo.

"Essa expansão do fornecimento da BR ainda não contempla o bunker, por exemplo, que é um óleo mais pesado. Mas é um combustível que atende as embarcações de apoio e, com certeza, isso é importante para a competitividade do Estado e vemos isso com bons olhos. Também temos o projeto de redução do ICMS do combustível para navegação tramitando, e esperamos que seja votado ainda neste trimestre. Isso tudo é muito positivo", disse.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.