ASSINE

Entenda como o Open Banking facilita Pix e até a abertura de conta

Novo sistema que está sendo implementado pelo Banco Central aumenta competitividade entre instituições financeiras e torna a disponibilização de produtos e serviços mais atrativos para os consumidores

Tempo de leitura: 4min
Vitória
Publicado em 27/09/2021 às 05h01
Banco Central implementa segunda fase do open banking nesta sexta (13)
Banco Central dará início a nova etapa do Open Banking no próximo dia 27. Crédito: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

O sistema financeiro aberto, ou o Open Banking, começa a revolucionar o modo em que o consumidor se relaciona com o sistema financeiro, mudando a forma de se abrir uma conta, contratar serviços, como empréstimos, e mesmo realizar operações financeiras, como o Pix.

O programa, teve sua implementação iniciada em fevereiro de 2021, e passa a disponibilizar nesta segunda-feira, dia 27 de setembro, novas possibilidades para os correntistas.

A nova função liberada a partir de agora é um mecanismo que permite bancos, fintechs e outras instituições financeiras, autorizadas pelo Banco Central, compartilharem informações sobre o cliente. A proposta libera intercâmbio de dados sobre transações de cartão de crédito e operações como financiamentos e empréstimos. Nesta etapa, os bancos estão autorizados a permitir o compartilhamento de até 1% da base de clientes.

No mercado, operações de empréstimos e financiamentos costumam oferecer vantagens para clientes mais antigos, em que o banco já conhece o perfil do correntista, a estabilidade de sua renda e o cumprimento das dívidas pagas até o vencimento. Ou seja, bons pagadores, pagam taxas menores e podem ter créditos maiores na praça.

Antes, se o cliente de um banco fosse procurar uma outra instituição para fazer um financiamento, por exemplo, essa nova instituição financeira não tinha como ter acesso ao seu perfil no banco anterior, de modo que essas vantagens que ele poderia ter na primeira instituição, não podiam ser replicadas em um banco que ele ainda não tinha um histórico de relacionamento.

Na prática, com o Open Banking, esses dados do histórico de transações dos clientes serão compartilhados e o correntista poderá comparar em um mesmo ambiente – como um aplicativo de banco, por exemplo – os serviços disponibilizados por cada instituição financeira.

Os consumidores poderão ver em quais instituições, com base em seu histórico de transações, oferecem o maior crédito, o maior cheque especial e as menores taxas.

O Open Banking começou a ser instituído em fevereiro de 2021, com a troca de informações entre as instituições, sobre seus produtos e serviços. Na segunda fase, iniciada em agosto, os clientes passaram a poder solicitar o compartilhamento, a partir dos aplicativos dos próprios bancos participantes, e, assim, ter acesso aos serviços de outras instituições a partir de seu histórico de transações. 

Como as instituições financeiras têm um prazo para adaptar os sistemas, entre agosto e até o dia 26 de setembro os pedidos de compartilhamento de informações estavam limitados a 0,5% dos clientes, e limitados apenas a dados cadastrais e de contas correntes, poupança e pré-pagas.

NOVOS BENEFÍCIOS

A implementação do programa tem três temporadas e cada uma dessas tem uma série de etapas a serem cumpridas. O passo de agora, que faz parte da segunda fase e que vai até o dia 10 de outubro,  libera as empresas a compartilharem os dados anteriores e as transações de cartões e de operações de crédito.

Dentro da segunda fase tem ainda, de 11 a 24 de outubro, a permissão do compartilhamento de todos os dados cadastrais de 10% da base de clientes.

Já a terceira fase, uma das mais esperadas e prevista para o dia 29 de outubro, o Open Banking vai promover a integração entre bancos e instituições financeiras. Dessa forma, será possível fazer pagamentos por Pix utilizando aplicativos que não necessariamente precisam ser do banco onde está o saldo a ser utilizado.

Será liberado, inclusive, o pagamento  por meio de apps que não sejam do banco, como os de varejistas e de redes sociais. A proposta é que essa concorrência reduza os juros cobrados dos consumidores. A ideia é que esse modelo seja uma alternativa ao cartão de crédito, principalmente quando o Pix puder ser parcelado, modalidade que será liberada em 2022.

A fase quatro, que abrange dados sobre câmbio e serviços de investimento é o início da migração do sistema para o modelo de Open Finance. Esse mecanismo mais evoluído dá a liberdade de o consumidor compartilhar dados de aplicações financeiras, por exemplo, como renda fixa, operações na Bolsa de Valores e mesmo pagamentos de seguros e previdência.

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais
Banco Central Internet Direito do Consumidor

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.