ASSINE

Covid e gripe provocam explosão de atestados médicos em empresas do ES

Sintomas respiratórios já representam 51% dos atestados apresentados pelos trabalhadores em janeiro, cenário que é igual em todo o Brasil

Tempo de leitura: 2min
Vitória
Publicado em 21/01/2022 às 08h33
Cresce o número de profissionais afastados por conta da gripe
Cresce o número de profissionais afastados por conta da gripe. Crédito: Freepik

O aumento nos casos da Covid-19 provocado pela variante Ômicron e a epidemia do vírus Influenza H3N2 têm feito com que mais da metade dos profissionais se afastem de suas atividades laborais em todo o Brasil. Os sintomas respiratórios já representam 51% dos atestados médicos apresentados pelos trabalhadores em janeiro no país.

Os dados preliminares foram divulgados pela Closecare, uma startup que faz a gestão de atestados médicos para médias e grandes empresas em todo o país. A alta, até o momento, já é a maior apresentada desde o início da pandemia. 

O cenário é igual em todo o Brasil, incluindo no Espírito Santo, onde algumas empresas inclusive têm tido dificuldades para manter as operações diante de tantos afastamentos de trabalhadores por Covid ou gripe.

Este vídeo pode te interessar

Até agora, a maior alta de atestados por síndromes gripais havia sido registrada em dezembro, com 39,1%. Segundo o CEO da Closecare, André Camargo, em março de 2020, 18,6% dos atestados recebidos tinham a ver com Covid. No pico da doença, em março de 2021, esse número saltou para 36,6%.

A prévia dos dados do primeiro mês de 2022 já registra um crescimento de 32% em relação a dezembro de 2021.

André Camargo, da Closecare. Crédito: Divulgação
André Camargo, da Closecare. Crédito: Divulgação

Segundo Camargo, historicamente um a quatro funcionários (25%) entrega ao menos um atestado por mês. Entretanto, este número vem crescendo e a previsão é de que este número cresça consideravelmente atingindo máximas de até 50%, ou seja, um em cada dois trabalhadores entregando atestado no mês.

Os dados iniciais apontam que os empresários brasileiros vão receber 18 milhões de documentos este mês, ou seja, o dobro do que foi recebido em dezembro. 

Já o gasto com este absenteísmo (quando o funcionário deixa de trabalhar) deve ficar perto de R$ 12 bilhões. Em março de 2020, o custo foi em torno de R$ 5,9 milhões. Um ano depois, em março de 2021, o gasto já somava R$ 6,8 bilhões.

André Camargo

CEO da Closecare

"Com o boom dos casos em janeiro, a expectativa é de que a porcentagem de funcionários que entregará atestado suba consideravelmente"

No entanto, ele pondera: "Apesar do número de atestados ter crescido, o tempo médio de afastamento reduziu. Nos primeiros meses de pandemia eram 14 dias, em média, e hoje fica em torno de cinco dias, a depender da gravidade de cada caso”.

Camargo lembra que antes da pandemia, a média de duração dos atestados médicos era de 2,7 dias.

“O pico da Covid e de problemas respiratórios está alto neste período, mas a previsão é de que a situação vá se normalizando a partir de fevereiro. Acredito que a redução da gravidade da doença é resultado da forte vacinação que estamos tendo no país”, ressalta.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.