ASSINE

Vitória fecha três bares na Praia do Canto por aglomeração excessiva

De acordo com a Prefeitura de Vitória, os bares realizavam eventos com apresentação musical, o que ainda está suspenso, e  aponta que havia aglomeração e a não utilização de máscaras no local

Publicado em 13/09/2020 às 12h19
Atualizado em 13/09/2020 às 18h14
Três bares foram fechados na Capital por receberem mais clientes do que era permitido
Três bares foram fechados na Capital por receberem mais clientes do que era permitido. Crédito: Divulgação/PMV

A noite do último sábado (12) foi mais movimentada do que poderia no Triângulo das Bermudas, na Praia do Canto, em Vitória. Somente na região, a fiscalização da prefeitura notificou e paralisou as atividades de três bares do bairro que realizavam festas com características de evento – quando há a presença de DJs ou bandas – atividade ainda suspensa para evitar o risco de contágio do novo coronavírus.

Segundo a Prefeitura de Vitória, os bares fechados foram o Embrazado, o Bar do Gordinho e o Vix Experience. Além de apresentação musical, foram constatadas aglomerações e a não utilização de máscaras nos locais.

Outros três bares no bairro também foram notificados, por descumprirem os protocolos de segurança. Nestes casos, contudo, eles não foram fechados, mas foram intimados a se adequar às normativas vigentes.

Segundo a prefeitura, os estabelecimentos vão poder reabrir desde que se adequem às normas do decreto estadual.

A fiscalização atuou na noite de sábado das 18h às 2h. Além da Praia do Canto, outros dez estabelecimentos foram vistoriados em Jardim da Penha, na Rua da Lama, mas não foram constatadas irregularidades.

De acordo com o secretário de Desenvolvimento da Cidade, Márcio Passos, o objetivo é garantir que estes locais estejam atendendo a população de acordo com as normas de segurança estabelecidas pelo decreto estadual.

Márcio Passos

Secretário de Desenvolvimento da Cidade

"A gente entende o momento, a ansiedade dos estabelecimentos, mas precisamos ter uma corresponsabilidade para que não volte a ter nenhum retrocesso em relação a pandemia na cidade"

O QUE DIZEM OS BARES

Procurada pela reportagem, a assessoria de imprensa do Embrazado informou que foi notificado porque havia pessoas no local que não faziam uso de máscara e estavam descumprindo as normas de distanciamento social. O estabelecimento afirmou que entende a obrigação do uso de equipamentos de proteção de segurança, mas que em um bar com pessoas consumindo bebidas e alimentos não é possível exigir que elas usem máscaras o tempo todo. A empresa alega ainda que ressaltou em suas redes sociais que o local seria reaberto agora como bar, com formato de mesas e cadeiras.

Já o proprietário do Bar do Gordinho, Sílvio Júnior, o bar tem uma área de 400 metros quadrados e foi respeitada a ocupação máxima de 180 pessoas. Ele afirma que o bar tem cumprido todas as exigências de higienização, orientado os frequentadores a usar máscaras, mas que há uma dificuldade em controlar o público.

"Nós estamos cumprindo as recomendações, mantendo as mesas espaçadas e disponibilizando álcool em gel. Mas é difícil controlar o público. Do lado de fora, há aglomeração por conta daqueles que ficaram barrados, porque estamos cumprindo com o número máximo de pessoas dentro do bar. Nós não temos como mandar essas pessoas que estão do lado de fora embora para casa", afirma.

A reportagem também tentou contato com o Vix Experience, mas não obteve retorno até a publicação deste texto.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.