ASSINE

Vitória anuncia pacote de obras com novas escolas e postos de saúde

Plano lançado pela prefeitura prevê R$ 1 bilhão em investimentos em várias áreas até 2024, como educação, saúde, mobilidade, infraestrutura e habitação

Publicado em 14/09/2021 às 16h10
Fachada da Prefeitura de Vitória: contrato da folha de pagamento com banco será de 5 anos
Fachada da Prefeitura de Vitória: pacote de obras. Crédito: André Sobral/Divulgação

Prefeitura de Vitória anunciou, na tarde desta terça-feira (14), um pacote de obras que prevê R$ 1 bilhão em investimentos em várias áreas até 2024. A ação contempla projetos para as áreas de educação, saúde, mobilidade, infraestrutura e habitação.

O "Plano Vitória", como foi batizado, prevê, entre as principais ações, a construção de novas escolas e centros de educação infantil em Redenção, Tabuazeiro, Centro, São Benedito, Ilha de Monte Belo, Resistência, São Pedro e Romão.

Estão previstas ainda a construção de novas unidades básicas de saúde em Grande Vitória e Santo Antônio, ampliação da unidade de Jardim Camburi e reforma do PA de São Pedro.

Há ainda a previsão de concretização de antigos projetos, como a ciclovia da avenida Rio Branco, na Praia do Canto, a urbanização da Orla Noroeste, e a revitalização do Mercado da Capixaba. Outra promessa é a recriação do restaurante popular de Vitória.

Segundo a prefeitura, as ações e obras previstas no Plano Vitória devem gerar 1.340 empregos diretos e quase 2 mil indiretos por ano nos próximos três anos.

De acordo com o secretário de Gestão e Planejamento de Vitória, Régis Mattos, a meta de R$ 1 bilhão em investimentos até 2024 projeta um total de R$ 700 milhões de obras realizadas com recursos próprios da prefeitura, e outros R$ 300 milhões via financiamento junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), que já está contratado.

"Nós fizemos um esforço administrativo e financeiro para reduzir despesas e aumentar as receitas, aumentando a capacidade de investimento. Junto disso tem o aumento da arrecadação em função da melhora no valor agregado das indústrias na Capital no ICMS, o que volta para a prefeitura", explicou Régis, que citou ainda a reforma da Previdência municipal, a redução no número de comissionados e a venda da folha de pagamento dos servidores como ações que ajudaram a abrir espaço no orçamento.

"Nossa equipe conseguiu dar uma 'reviravolta' no orçamento para, enfim, realizar ações e projetos que pudessem levar qualidade de vida e bem-estar para os moradores, além de segurança. Essas e outras ações transformaram e vão transformar a história da capital. Muito ainda faremos, mas a promessa é de que conquistas e muito trabalho virão pela frente", disse o prefeito Lorenzo Pazolini.

Para construção, ampliação e reforma de escolas estão previstos R$ 200 milhões, a maior fatia do total que é previsto para ser empregado. A mobilidade e infraestrutura viária da Capital devem receber R$ 150 milhões, assim como as obras de drenagem e contenção. Veja detalhes abaixo:

  • Construção, Reforma e Ampliação de Escolas - R$ 200 milhões
  • Equipamentos da área social - R$ 100 milhões
  • Mobilidade e infraestrutura viária - R$ 150 milhões
  • Urbanização - R$ 150 milhões
  • Habitação e edificações públicas - R$ 100 milhões
  • Drenagem e contenção - R$ 150 milhões
  • Parques e praças - R$ 50 milhões
  • Equipamentos e mobiliários - R$ 100 milhões

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.