ASSINE

Vi meu filho morrer por vídeo, diz pai de engenheiro após acidente em tirolesa no ES

João Paulo Sampaio dos Reis, 47 anos, morreu neste sábado (1) em uma tirolesa no Morro do Moreno, em Vila Velha. Em entrevista, o pai do engenheiro afirmou que o filho "foi vítima de um erro grosseiro"

João Reis é pai do engenheiro João Paulo Sampaio dos Reis, que morreu em um acidente na tirolesa do Morro do Moreno, em Vila Velha, nesse sábado (1)
João Reis é pai do engenheiro João Paulo Sampaio dos Reis, que morreu em um acidente na tirolesa do Morro do Moreno. Crédito: TV Gazeta

"Vi meu filho nascer e, agora, o vi morrer por um vídeo", desabafou o aposentado João Reis – pai do engenheiro João Paulo Sampaio dos Reis, que morreu em um acidente na tirolesa que sai do Morro do Moreno, em Vila Velha, durante a tarde deste sábado (1). Ele tinha 47 anos de idade.

A declaração foi dada para a TV Gazeta, na porta do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), em Vitória, na manhã deste domingo (2), após os procedimentos de reconhecimento e liberação do corpo. "Em posse desse vídeo, já pude ver a falta de segurança no local", afirmou.

João Reis

Aposentado e pai da vítima

"Ele foi vítima de um erro grosseiro"

De acordo com o pai, o engenheiro tinha levado a filha e uma amiga da menina para verem a paisagem no Morro do Moreno. "Ele gostava de praticar esportes, mas nunca andaria em um equipamento que não tivesse segurança. Alguém deve ter dito que era seguro, por isso ele foi", declarou João Reis.

"Ele era um cara espetacular, um excelente pai, um filho digno, estudioso e cumpridor de seus deveres", descreveu. Segundo o pai, até esta manhã, os responsáveis pela tirolesa não tinham entrado em contato com a família. Além da filha, o engenheiro João Paulo tinha uma esposa e um filho.

João Paulo Reis morreu após acidente na tirolesa do Morro do Moreno, em Vila Velha
João Paulo Reis morreu após acidente na tirolesa do Morro do Moreno, em Vila Velha. Crédito: Reprodução

O QUE SE SABE ATÉ AGORA

O vídeo citado pelo familiar da vítima não foi divulgado. Apesar disso, uma testemunha do acidente, que preferiu não ser identificada, disse que o freio da tirolesa parece não ter funcionado. "Quando ele foi descer, em vez de dar a paradinha de rotina, acabou indo direto para frente e caiu", contou.

O resgate foi feito pelos Bombeiros, em uma operação que durou cerca de 4 horas. "Essa vítima estava de barriga para cima, arroxeada, com as pupilas dilatadas e com um trauma no lado esquerdo da face. Após os trabalhos periciais, o corpo foi levado até o topo do Morro do Moreno", detalhou a tenente Andressa.

Neste domingo (2), o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Espírito Santo (Crea-ES) realizou uma vistoria na tirolesa, para tentar identificar as causas do acidente e verificar registros de projeto e de responsabilidade técnica. A previsão é que os trabalhos continuem ao longo desta semana.

O QUE DIZ A EMPRESA

Por meio das redes sociais, a empresa responsável pela tirolesa no Morro do Moreno fez uma publicação na qual lamentou o ocorrido e afirmou não ter conseguido contatos dos familiares da vítima. Os responsáveis disseram que aguardam a perícia para saber qual a causa do acidente.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.