ASSINE

O curioso caso do morador que transformou Fusca em limusine no ES

Sem ter como comprar uma, o lanterneiro José Lúcio Fazollo, de 61 anos, realizou o sonho de infância ao transformar o próprio Fusquinha ano 74 em uma limusine. O sucesso foi tanto que o carro virou atração em Castelo, além de ser alugado para eventos

Vitória
Publicado em 24/12/2020 às 10h33
Atualizado em 24/12/2020 às 18h15
Castelo
O lanterieiro José Lúcio Zanollo transformou o fusquinha amarelo em limusine. Crédito: Arquivo pessoal

Comprar uma limusine nunca foi uma opção na vida do lanterneiro José Lúcio Fazollo, de 61 anos, mas as décadas trabalhando com veículos, especialmente "desamassando" latarias dos carros proporcionou a este humilde morador da cidade de Castelo, na região Sul do Espírito Santo, a oportunidade de fazer o próprio carrão, ou melhor, Fuscão.

As limusines são carros de grande porte e luxuosos, feitos a partir de um alongamento do chassi de modelos consagrados. Sem ter essa possibilidade de comprar uma original de fábrica, seu Lúcio fez do Fusquinha 74 uma atração na pacata cidade capixaba.

"Desde bem menino, com uns oito anos, eu já fui aprendendo a mexer com carro e cresci dentro de oficinas. A gente via nos filmes aqueles carrões bonitos, luxuosos e tinha a vontade de ter um. Só que são caros demais, o jeito era eu mesmo fazer. Aí lá para 2015 eu comprei um Fusca e resolvi transformar ele em uma limusine", contou ele.

Este vídeo pode te interessar

Fusca é transformado em limusine e vira atração em Castelo

Castelo
Dirigir a própria limusine era um sonho de infância que José Lúcio conseguiu realizar. Arquivo pessoal
Castelo
A limusine levou cerca de três anos para ser feita manualmente em Castelo. Arquivo pessoal
Castelo
A capacidade do carro passou de quatro para sete passageiros na versão limusine, todos devidamente com sinto de segurança . Arquivo pessoal
Castelo
Com a ampliação, o "Limufusca" passou de duas para quatro portas . Arquivo pessoal
Castelo
Os estofamento dos assentos dianteiros foram personalizados pelo lanterneiro. Arquivo pessoal
Castelo
O Fusca passou dos tradicionais 2,4 metros na versão tradicional para 3,60 metros na versão limusine. Arquivo pessoal
Castelo
O lanterieiro José Lúcio Zanollo transformou o fusquinha amarelo em limusine. Arquivo pessoal
castelo
Com a pandemia, Seu Lúcio deixou de fazer eventos com a limusine, mas segue passeando com o carro por Castelo. Arquivo pessoal
Castelo
O Fusca foi alongado em 1,25 m para comportar mais uma fileira de bancos. Arquivo pessoal
O Fusca foi alongado em 1,25 m para comportar mais uma fileira de bancos
O Fusca foi alongado em 1,25 m para comportar mais uma fileira de bancos
O Fusca foi alongado em 1,25 m para comportar mais uma fileira de bancos
O Fusca foi alongado em 1,25 m para comportar mais uma fileira de bancos
O Fusca foi alongado em 1,25 m para comportar mais uma fileira de bancos
O Fusca foi alongado em 1,25 m para comportar mais uma fileira de bancos
O Fusca foi alongado em 1,25 m para comportar mais uma fileira de bancos
O Fusca foi alongado em 1,25 m para comportar mais uma fileira de bancos
O Fusca foi alongado em 1,25 m para comportar mais uma fileira de bancos

Para adquirir o simpático Fusquinha amarelo, o lanterneiro gastou cerca de R$ 2,8 mil . Por quase três anos, entre um serviço e outro, seu Lúcio ia literalmente transformando o carro em carrão.

"Tive de serrar o Fusca ao meio e aumentei o chassi em 1,25 m para poder colocar mais uma fileira de bancos na parte de trás. Eu não tinha muita pressa em fazer porque era algo prazeroso, então fui me atentando aos detalhes, acabamento, mantive a originalidade do Fusquinha, mas transformando ele em uma versão limusine. Para dizer que não foi feito 100% por mim, um amigo me ajudou com a parte mecânica, mas é até hoje o motor original dele", detalha o castelense.

CONFORTO

Quem já teve a oportunidade de andar em um Fusca sabe que os modelos antigos comportavam até quatro pessoas (motorista, carona e dois passageiros traseiros). Na versão luxuosa e única de Castelo, a capacidade agora é para sete pessoas, todas devidamente equipadas com cinto de segurança. Além disso, a "limofusca" ganhou mais duas portas e novos assentos.

"Agora são sete pessoas confortáveis dentro do Fusca. Aumentei ele para colocar mais um banco na parte de trás como tem nas limusines mesmo. Não é mais um Fusquinha, é um Fuscão", brincou seu Lúcio, que trata o carro como um xodó.

Castelo
Os estofamento dos assentos dianteiros foram personalizados pelo lanterneiro. Crédito: Arquivo pessoal

O lanterneiro nunca chegou a calcular quanto investiu para montar e equipar o automóvel, porém garante ter recusado propostas de até R$ 50 mil reais pelo veículo.

"A gente participa de eventos de Fuscas, tem as comunidades e alguns interessados já apareceram. Uma vez me ofereceram um bom dinheiro, mas eu só venderia se fosse para comprar um carro melhor e fazer outra limusine ainda mais equipada. Como não era minha intenção, e as condições oferecidas não me agradaram, disse não à oferta", contou o senhor de 61 anos.

FESTAS E EVENTOS

Dirigir pelas ruas de Castelo e cidades próximas é um dos prazeres de seu Lúcio, mas ele "empresta" a preciosidade em ocasiões específicas. Depois que a limusine ficou pronta, há pouco mais de dois anos, o veículo é alugado para casamentos e aniversários. Pelo valor de R$ 250 o próprio lanterneiro leva os noivos para a cerimônia na Igreja.

Castelo
O Fusca passou dos tradicionais 2,4 metros na versão tradicional para 3,60 metros na versão limusine. Crédito: Arquivo pessoal

Com a pandemia do coronavírus, entretanto, as voltinhas dos "pombinhos apaixonados" deixaram de acontecer. Quem quiser mesmo ver a limufusca terá de ir até Castelo e ter a sorte de encontrar seu Lúcio ao volante, ou então vê-lo estacionado em frente ao estádio Emílio Nemer. 

Mas, pensando bem, não deve ser algo tão difícil assim, afinal um Fuscão amarelo e de cabine estendida não passa sem ser notado, ainda mais em uma pacata cidade como Castelo.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Castelo automoveis carros castelo luxo ES Sul Aluguel de Carros

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.