ASSINE

Morre no ES advogado que pode ser outra vítima do falso óleo de abóbora

Polícia encontrou o nome de Manoel Pevidor Dias na lista de clientes do mesmo fornecedor que vendeu produto contaminado para casal que morreu na Serra no início deste ano

Colatina / Rede Gazeta
Publicado em 14/08/2021 às 19h29
 Manoel Pevidor Dias estava internado em um hospital de Colatina
Manoel Pevidor Dias tinha 65 anos. Crédito: Redes Sociais

Internado desde maio em um hospital de Colatina, no Noroeste do Espírito Santo, o advogado  Manoel Pevidor Dias, 65 anos, morreu na noite desta sexta-feira (13). Ele pode ser mais uma vítima do falso óleo de semente de abóbora que provocou a morte de um casal da Serra no início deste ano.  

A suspeita surgiu após a polícia encontrar o nome do advogado na lista de compradores do fornecedor que vendeu o produto contaminado para o casal — a mercadoria continha a substância dietilenoglicol, que é tóxica. A família de Manoel ainda aguarda o resultado do laudo da Polícia Civil para saber se ele também consumiu óleo com dietilenoglicol. 

O advogado mora na cidade mineira de Aimorés, que fica na divisa entre Minas Gerais e Espírito Santo, por isso foi internado em um hospital particular de Colatina, onde estava em um leito de UTI.

Este vídeo pode te interessar

Segundo a esposa da vítima, que conversou com a reportagem de A Gazeta em julho, a família não desconfiava que os problemas de saúde do advogado pudessem ter alguma ligação com o óleo, até receber uma ligação da Polícia Civil do Espírito Santo informado que o nome dele estava na lista de compradores do mesmo vendedor que forneceu os produtos para o casal que morreu na Serra. O responsável pela fabricação do produto vendido ao casal como óleo de semente de abóbora foi preso em flagrante em maio deste ano em São Bernardo do Campo (SP).

Esposa de advogado encaminhou produto para a Polícia Civil
Esposa de advogado encaminhou produto para análise da Polícia Civil . Crédito: Divulgação

A esposa informou que esse contato foi feito em julho. A família ainda aguarda o resultado do laudo pericial para saber se o produto tinha alguma substância tóxica. A embalagem do produto comprado pelo advogado é do mesmo fabricante que vendeu o material para o casal.

Questionada sobre a situação do advogado, a Polícia Civil se limitou a informar que não tem condições de atualizar nenhum caso nos finais de semana.

No dia em que a Polícia Civil informou haver encerrado o inquérito sobre a morte do casal na Serra, já havia adiantado que o site em que o óleo era vendido foi contatado para informar se mais pessoas compraram o produto e, consequentemente, fazer a identificação de outros possíveis intoxicados com dietilenoglicol. A substância é a mesma que contaminou lotes da Cervejaria Backer, em Minas Gerais, e matou dez pessoas em 2019.

COMPRA PELA INTERNET E MESES DE INTERNAÇÃO 

Em julho, a esposa de Manoel contou à reportagem de A Gazeta que o advogado comprou o produto pela internet em busca de qualidade de vida e regulação do colesterol. Segundo a mulher, ele consumiu o produto por alguns dias até apresentar problemas intestinais graves.

“As equipes médicas fizeram vários exames e não descobriram o motivo dos problemas. Ele foi internado em 6 de abril e teve alta no começo de maio, mas alguns depois voltou para o hospital com problemas cardíacos em função da primeira internação (segundo médicos disseram para ela)”, relatou a esposa do advogado.

Polícia
Um litro do produto era vendido por mais de R$ 600 reais em sites de compra e venda na internet. Crédito: Divulgação/Polícia Civil

Desde então, o advogado seguiu internado na unidade de Colatina, alternando entre evoluções e pioras no seu quadro de saúde. O corpo de Manoel foi velado na Igreja Batista de Aimorés e sepultado na cidade mineira neste sábado (14). 

CASAL MORTO NA SERRA 

No dia 6 de julho, a Polícia Civil do Espírito Santo informou que concluiu o inquérito que investigou a morte do casal Rosineide Dorneles Mendes Oliveiras e Willis Penna de Oliveira. A mulher morreu em 15 de fevereiro e o companheiro foi a óbito em 16 de março deste ano, após ambos consumirem o produto denominado “óleo de semente de abóbora”, vendido para todo o Brasil pela internet.

O material foi o que a artesã e o cozinheiro passaram a consumir diariamente, na quantidade de uma colher por dia, mas o que eles ingeriram não continha nada do prometido, segundo perícia da Polícia Civil.

Rosineide Dorneles Mendes e o cozinheiro Willis Pena de Oliveira, que morreram na Serra
Rosineide Dorneles Mendes e o cozinheiro Willis Pena de Oliveira, que morreram na Serra. Crédito: Reprodução/ Facebook

Segundo a investigação, o casal usou o produto por cerca de 14 dias e parou apenas quando começou a sentir os primeiros sintomas, como náuseas, dores de cabeça e vômitos. Inicialmente, ambos buscaram atendimento médico, mas foram liberados porque os sintomas foram classificados como leves. 

Somente na terceira ida a um pronto-atendimento, com o quadro já agravado e com insuficiência renal identificada, marido e mulher foram internados no Hospital Estadual Dório Silva, na Serra, em estado grave. Exames laboratoriais e cadavéricos feitos nos corpos atestaram que o casal ingeriu dietilenoglicol.

A INVESTIGAÇÃO

Após meses de investigação, que contou com a colaboração da Polícia Civil dos estados do Espírito Santo, São Paulo e Minas Gerais, a polícia concluiu o inquérito e efetuou a prisão do responsável pela fabricação do produto vendido como óleo de semente de abóbora. A prisão ocorreu na cidade paulista de São Bernardo do Campo, em uma casa improvisada como laboratório, onde o fabricante produzia livremente o composto. Ele foi preso em flagrante no dia 25 de maio e cumpre prisão preventiva.

Além do falso óleo de semente de abóbora, no laboratório clandestino eram feitos cosméticos sem qualquer tipo de controle, desta forma é provável que tenha ocorrido uma contaminação por produtos diferentes ou até mesmo a rotulagem equivocada do que estava sendo envasado.

Polícia
Falso óleo de semente de abóbora era fabricado e envasado em um laboratório clandestino em São Paulo. Crédito: Divulgação/Polícia Civil

"Nesta mesma empresa, o responsável desenvolvia outras atividades, como cosméticos. Então ele tinha uma série de produtos que também eram vendidos pela internet. A gente acredita que ele possa ter misturados os ingredientes ou cometido um erro na hora de rotular e acabou vendendo uma substância por outra. A produção era completamente artesanal e ele não tinha formação alguma na área. Simplesmente achou que poderia envasar e vender", disse delegado Rodrigo Rosa, do 12º Distrito Policial, que comandou as investigações.

O homem preso foi autuado pelos crimes de estelionato, crime contra relações de consumo e por falsificação de produtos terapêuticos. As penas somadas podem chegar a 25 anos. O chefe do 12º distrito vai solicitar também a prisão pelo duplo homicídio do casal, comprovado ser pelo uso da substância em questão.

CONCENTRAÇÃO E CONTAMINAÇÃO

Segundo a perita Daniela de Paula, as primeiras análises do produto recolhido na casa do casal da Serra descartou a possibilidade de ser um óleo vegetal. Com isso, os trabalhos foram direcionados a identificar qual era a substância que causou a morte do casal.

Foram encontradas duas substâncias nesse suposto óleo de semente de abóbora: a glicerina e o dietilenoglicol. Para atestar se era realmente o mesmo composto que contaminou o lote de cervejas, a perícia técnica da Polícia Civil mineira foi solicitada para enviarem os parâmetros da substância. Feita a análise, foi comprovado e constatado o dietilenoglicol no produto comprado por Rosineide e Willis.

Polícia
Na sede da empresa, o produto que matou o casal era porcionado e envasado em frascos vendidos na internet. Crédito: Divulgação/Polícia Civil

Com a substância identificada, a perícia investigou a quantidade presente nas amostras. Para surpresa até mesmo dos peritos e legistas, a concentração estava muito acima da permitida pela legislação vigente no país.

"A partir daí foi desenvolvida uma técnica para que a gente pudesse quantificar a quantidade deste produto em questão. Na glicerina, é permitido ter até 0,10% de dietilenoglicol na composição, nestes casos para o uso oral. Foi identificada a quantidade de 13% de dietilenoglicol na formulação. A glicerina em si também é um medicamento e usada em alguns xaropes de paracetamol e outros. Em resumo, é como se em 100 ml's de glicerina, encontramos 13 ml's de dietilenoglicol", detalhou Daniela de Paula.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Colatina Polícia Civil Cervejaria Backer colatina Cerveja Contaminada

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.