ASSINE

Site remove anúncio de falso óleo de semente de abóbora que matou casal no ES

Após a comprovação pela perícia da Polícia Civil de que o composto continha dietilenoglicol, a mesma substância que contaminou lote de cervejas Backer e causou a morte de 10 pessoas, o Mercado Livre retirou a publicidade da plataforma

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 07/07/2021 às 13h43
Serra
Na começo da manhã desta quarta-feira (7) ainda era possível encontrar o anúncio no ar. O mesmo, entretanto, já estava sinalizado como pausado pela plataforma. Crédito: Divulgação/Polícia Civil

O site Mercado Livre tirou do ar o anúncio do suposto óleo de semente de abóbora, que, na verdade, continha na composição glicerina misturada à substância dietilenoglicol, que acabou provocando a morte do casal Rosineide Dorneles e Willis Pereira, na Serra, entre os meses de fevereiro e março deste ano.

O produto, vendido como natural, desencadeou uma série de reações na artesã e no cozinheiro, que acabaram internados no Hospital Estadual Dório Silva. Com a piora no quadro clínico, os dois morreram em decorrência do consumo contínuo e diário do composto. O laudo cadavérico e as análises feitas na amostra pela perícia da Polícia Civil confirmaram a contaminação pelo dietilenoglicol – a mesma substância presente em um lote de cerveja da Cervejaria mineira Backer, que culminou na morte de 10 pessoas.

No fim da manhã desta quarta-feira (7), o anúncio com o produto já não era mais encontrado na plataforma – a mercadoria ainda aparecia no site até terça-feira (6), data em que a Polícia Civil capixaba concedeu uma coletiva sobre o caso ao concluir o inquérito, que culminou na prisão pelo responsável pela fabricação do composto. O homem de 34 anos foi detido na cidade de São Bernardo do Campo, em São Paulo e está preso preventivamente. Pesquisando pelo nome "óleo de semente de abóbora", aparecem outras mercadorias, mas não a fabricada pelo suspeito.

MERCADO LIVRE

Ao tomar conhecimento do caso, o Mercado Livre respondeu, em nota, que não compactua com a venda de produtos falsos no site e explicou que ainda não havia recebido nenhum tipo de comunicação por parte da Polícia Civil do Estado, mas mostrou-se disposto a colaborar com o caso.

Serra
Nas análises feitas no suposto óleo de semente de abóbora, a perícia encontrou a substância dietilenoglicol . Crédito: Divulgação/Polícia Civil

"O Mercado Livre repudia o uso indevido de sua plataforma e tem todo interesse em excluir qualquer anúncio que desrespeite os seus 'Termos e Condições' e a legislação em vigor. A empresa informa, entretanto, que não identificou o recebimento da notificação sobre o caso apontado e está buscando informações perante a autoridade policial para adotar medidas cabíveis. Vale ressaltar, que o Mercado Livre, em sua atuação como plataforma de intermediação, não é responsável pelo conteúdo gerado por terceiros, neste caso o vendedor anunciante, conforme já está consolidado na jurisprudência do STJ na aplicação do Marco Civil da Internet", disse.

A empresa comunicou também que 100% dos anúncios publicados no site possuem um botão de "Denúncia", abaixo da publicação, no canto inferior direito, para que qualquer pessoa possa apontar práticas indevidas na plataforma - pouco após a resposta ser enviada à reportagem, o anúncio foi removido.

Serra
O casal Rosineide e Willis morreu em decorrência da ingestão da substância dietilenoglicol contida em um falso óleo de semente de abóbora que haviam comprado pela internet . Crédito: Montagem/A Gazeta e Divulgação/Polícia Civil

Procurada por A Gazeta, a Polícia Civil comunicou, por meio de nota, que já está buscando o Mercado Livre para identificar eventuais compras do mesmo produto e possivelmente pessoas lesadas, como dito pelo delegado que esteve à frente das investigações.

"A Polícia Civil informa que o 12º Distrito Policial já está em contato com representantes do site de vendas e enviou ofício, solicitando que os anúncios publicados pelo investigado sejam removidos e que seja disponibilizada a listagem das transações realizadas pelo investigado por meio do site. Até o momento, não há indícios de responsabilidade da plataforma de vendas sobre os produtos ofertados, uma vez que o site hospeda os anúncios, mas não é, efetivamente, o vendedor do produto", disse na nota.

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.