ASSINE

Moradores pedem ponte seca contra alagamentos na estrada de Regência, em Linhares

Apesar de o nível já estar abaixo da cota de inundação, estrada de acesso à vila continua alagada, com moradores ilhados, tendo que atravessar o trecho de barco

Tempo de leitura: 3min
Colatina
Publicado em 20/01/2022 às 13h17

A rodovia ES-440, que dá acesso ao vilarejo de Regência, em Linhares, na região Norte do Estado, continua alagada e alguns trechos seguem interditados nesta quarta-feira (19) devido à cheia do Rio Doce no município. A água invadiu pastos e fechou a estrada, deixando cerca de duas mil pessoas da vila isoladas.

A travessia tem aproximadamente três quilômetros e o único jeito de chegar ao local no momento é de barco. Os moradores pedem melhorias para evitar o transtorno, como a construção de uma ponte seca. Um vídeo gravado por um deles mostra a situação na via. Veja:

Os moradores afirmaram que o problema é antigo na Vila de Regência. Ao repórter Eduardo Dias, da TV Gazeta Norte, eles relataram que a estrada sempre fica com pontos de inundação quando o nível do Rio Doce sobe.

"Se em 2013 tivessem feito a ponte seca e colocado a estrada no nível da ponte, não estaríamos ilhados agora” disse o morador Carlos Sangalia. “Todo ano, quando o Rio Doce enche, acontece isso, ficamos presos. O que vai resolver é a ponte seca”, concordou o pescador Márcio Antônio Ferreira.

Atualmente, o nível do Rio Doce marca 2,60 metros, abaixo das cotas de inundação, que é de 3,45 m, e da cota de alerta (3 m). O nível chegou a 5,80 metros na última quinta-feira (13), sendo a maior enchente no município desde 2013.

Apesar de o nível do Rio Doce ter diminuído, o coordenador da Defesa Civil Municipal, Antonio Carlos dos Santos, explicou que a estrada para Regência continua interditada devido à grande quantidade de água que permanece retida no local.

Moradores de Regência continuam ilhados,porque a estrada que dá acesso à comunidade ainda está alagada.
Moradores de Regência continuam ilhados,porque a estrada que dá acesso à comunidade ainda está alagada. Crédito: Defesa Civil de Linhares

Mesmo após o nível do rio baixar no município, o coordenador da Defesa Civil de Linhares explicou que a situação não será normalizada por enquanto, pois a estrada ainda vai precisar passar por obras por causa dos buracos e outros estragos.

O QUE DIZ O DER-ES

O Departamento de Edificações e de Rodovias do Espírito Santo (DER-ES) enviou nota no fim da manhã desta quinta-feira (20), informando que o projeto prevê uma bateria de bueiros e vaso comunicantes como solução técnica para evitar este tipo de problema.

DESABRIGADOS VOLTARAM PARA CASA

As 19 famílias que estavam desabrigadas em Linhares puderam voltar para casa nesta quarta-feira (19). O retorno iria acontecer na terça-feira (18), mas a Defesa Civil do município recebeu um alerta de aumento de vazão de água da Usina Hidrelétrica de Mascarenhas, em Baixo Guandu, e, por precaução, decidiu que seria mais seguro manter as famílias nos abrigos.

Os desabrigados estavam em dois ginásios, nos bairros Conceição e Araçá. A Defesa Civil informou que realizou vistorias em casas localizadas em áreas atingidas pela enchente e avaliou que as estruturas estão aptas para o retorno dos moradores.

Quem estava com móveis e outros pertences nos abrigos cedidos pelo município, contou com o apoio de um caminhão da prefeitura para levar os bens de volta para as casas.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.