Milena Gottardi: julgamento do assassinato de médica vai durar uma semana

O julgamento acontecerá no Fórum da cidade, no Centro de Vitória, às 9 horas, no dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 23/02/2021 às 11h04
Atualizado em 24/02/2021 às 15h04
Médica assassinada pelo marido, o ex-policial civil Hilário Frasson em 2017, no estacionamento do Hucam
Milena era médica e tinha 38 anos quando foi assassinada. Crédito: Arquivo Famílias/Redes sociais

O julgamento do assassinato da médica Milena Gottardi, de 38 anos, está marcado para 8 de março deste ano, Dia Internacional da Mulher, e deve durar uma semana. A previsão é do Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES)

O julgamento acontecerá no Fórum Criminal José Mathias de Almeida Netto, no Centro de Vitória, às 9 horas. Os acusados pelo crime são o ex-marido da vítima, o ex-policial civil Hilário Antonio Fiorot Frasson e o seu pai, Esperidião Carlos Frasson, ambos apontados como mandantes.

Pela intermediação foram denunciados Valcir da Silva Dias e Hermenegildo Palauro Filho, o Judinho. Dionathas Alves Vieira é acusado de praticar a execução,  com o apoio de Bruno Rodrigues Broetto, dono da moto usada no crime. Todos estão presos.

O tribunal do júri será presidido pelo juiz da 1ª Vara Criminal de Vitória, Marcos Pereira Sanches. O julgamento terá início às 9h e está previsto para durar cerca de uma semana. O TJES informa que, para evitar a contaminação pela Covid-19, serão respeitadas as regras de distanciamento social no local. 

Ainda sobre o julgamento, em janeiro deste ano, a Justiça estadual decidiu que Douglas Gottardi, irmão de Milena, não poderá depor. O pedido feito pela defesa de um dos réus foi aceito, com o argumento de que ele já atua como assistente de acusação, em conjunto com o Ministério Público do Estado (MPES).

O CRIME

O crime aconteceu no dia 14 de setembro de 2017, Milena foi baleada com um tiro na cabeça, no estacionamento do Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes (Hucam), em Vitória. Ela tinha acabado de sair do trabalho e estava acompanhada de uma amiga quando foi surpreendida por um homem que simulou um assalto. A morte foi declarada no dia seguinte.

Correção

24 de Fevereiro de 2021 às 14:55

A versão anterior desta matéria informava que no julgamento não será permitida a entrada de pessoas não cadastradas. No entanto, o Tribunal de Justiça esclarece que não haverá cadastramento para o público. Somente poderão acompanhar a audiência a imprensa e as partes envolvidas diretamente no processo. 

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.