Festas de fim de ano aumentaram taxa de transmissão em janeiro no ES

O indicador de contágio do novo coronavírus voltou a crescer no Espírito Santo no início de janeiro. Aglomerações e festas tiveram impacto nos números

Vitória
Publicado em 27/01/2021 às 19h00
Atualizado em 27/01/2021 às 23h13
Imagens da chegada dos pacientes de Manaus infectados pelo coronavírus ao Hospital Jayme dos Santos Neves, na Serra
Atendimento de emergência do Hospital Jayme Santos Neves, na Serra. Crédito: Fernando Madeira

Puxada pelo aumento de casos em cidades do interior, a taxa de transmissão (Rt), que é um indicador de contágio do  coronavírus, voltou a crescer no Espírito Santo em janeiro. A taxa geral do Estado, segundo cálculo feito até o dia 8 deste mês, saiu de 0,89 e foi para 1,06.

O ideal é que a taxa de transmissão se mantenha abaixo de 1. Acima de 1 significa que 100 indivíduos infectados podem passar a doença para outras 100 pessoas. Em abril de 2020, por exemplo, a taxa chegou a 3,44. Ou seja, 100 infectados eram capazes de transmitir o vírus para mais de trezentas pessoas.

Taxa de transmissão do novo coronavírus
Taxa de transmissão do novo coronavírus. Crédito: IJSN/NIEE

Segundo Pablo Lira, diretor de Integração e Projetos Especiais do Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN), a taxa de transmissão apresenta os reflexos de uma maior interação registrada nos últimos meses de 2020, mas que se intensificaram nas semanas do Natal e do Ano- Novo.

“A taxa de transmissão do Espírito Santo, desde 18 de dezembro até o dia 1º deste ano, estava em estabilidade, variando entre 0,8 e 0,9. Agora superamos o patamar de 1, um crescimento que decorre das aglomerações registradas no interior e que começam a se refletir nos indicadores”, explica Lira.

O reflexo destas interações no final do ano demoraram a aparecer por causa da chamada janela epidemiológica. É o espaço de tempo de 14 a 21 dias para se ter repercussão de determinados eventos nos indicadores epidemiológicos.

INTERIOR

A taxa de transmissão do interior saiu de 0,95 para 1,16, o que indica que dez pessoas podem contaminar até outras 12. "Já temos aqui os reflexos das interações e festas clandestinas verificadas em várias cidades, como Anchieta, Guarapari, e outras cidades do litoral”, observa Lira.

Taxa de transmissão do novo coronavírus
Taxa de transmissão do novo coronavírus. Crédito: IJSN/NIEE

De acordo com Lira, algumas microrregiões estão com taxas mais elevadas. É o caso do Caparaó, que alcançou 1,09; a Central Sul - região de Cachoeiro -, com 1,25; a Central Serrana, região das santas - Santa Teresa, Santa Maria de Jetibá e Santa Leopoldina - com 1,43.

Já na Grande Vitória a situação é de estabilidade, se mantendo, pela terceira semana, em 0,8. “Os quatro maiores municípios - Serra, Vila Velha, Cariacica e Vitória - estão com transmissão abaixo de 1 nas últimas quatro semanas”, relata Lira.

Taxa de transmissão do novo coronavírus
Taxa de transmissão do novo coronavírus. Crédito: IJSN/NIEE

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.