ASSINE

Feriado de carnaval no ES começa com festas clandestinas e aglomeração

Mesmo com decretos municipais proibindo festas, blocos e atuação de vendedores ambulantes, em diferentes pontos do Estado normas foram descumpridas

Publicado em 13/02/2021 às 22h50
Rua da Lama: internauta denuncia aglomeração na Rua da Lama, em Vitória, durante feriadão de carnaval
Moradores de Jardim da Penha, em Vitória, reclamam de aglomeração na Rua da Lama, durante feriadão de carnaval. Crédito: leitor/A GAZETA

Com números ainda alarmantes de novos casos de Covid-19 e diferentes variantes do coronavírus circulando no Estado, a recomendação do governo estadual era para que as pessoas evitassem ir às ruas durante o feriadão de carnaval. As prefeituras da Grande Vitória publicaram decretos proibindo qualquer realização de blocos nas ruas, eventos em espaços públicos e atuação de ambulantes. Mas não adiantou.

O feriadão de carnaval começou com desrespeito às recomendações e abuso por parte dos "foliões". Em Vitória, pelo menos três festas irregulares foram flagradas por leitores neste sábado (13). Em Itararé, um bloco circulou pelas ruas do bairro a partir das 14 horas e aglomerou, segundo moradores, cerca de 350 pessoas na frente de uma distribuidora de bebidas. Houve bateria tocando samba e, durante a noite, som automotivo.

Bloco de carnaval em Itararé é registrado por morador
Polícia Militar foi acionada cinco vezes para acabar com bloco de carnaval em Itararé . Crédito: Internauta

Segundo a Prefeitura de Vitória, equipes da Vigilância Sanitária e da Guarda Municipal foram até o local. A Polícia Militar também foi acionada pelo Centro Integrado Operacional de Defesa Social (Ciodes) cinco vezes para a mesma ocorrência. Mas, de acordo com moradores, por volta das 21 horas a concentração do bloco continuava. 

"O Comitê Integrado em Combate à Covid-19 de Vitória, composto pelas Secretarias Municipais de Desenvolvimento da Cidade (Sedec), de Segurança Urbana (Semsu), de Meio Ambiente (Semmam), pela Vigilância Sanitária, a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros, esteve, juntamente à Guarda Civil Municipal, no bairro Itararé por volta das 17h30, após receber denúncias de moradores da região que davam conta da realização de uma festa clandestina com bloco de carnaval na região. De acordo com o Centro Integrado Operacional de Defesa Social (Ciodes), cinco registros foram feitos - todos eles, atendidos pela Polícia Militar após 16h15, horário em que a primeira ocorrência foi realizada.", informou a nota da Prefeitura de Vitória. 

No Centro da Capital, região tradicional e concorrida em outros carnavais, também teve aglomeração na Rua Sete de Setembro. Carros com som alto incomodaram alguns moradores que entraram em contato com a Guarda Municipal. Guardas foram à região e dispersaram quem estava na rua.

Festa foi registrada por moradores também na Barra do Jucu, em Vila Velha
Festa clandestina foi registrada por moradores na Barra do Jucu, em Vila Velha. Crédito: Internauta

Em Vila Velha, também houve registro de aglomeração na praça do bairro Barra do Jucu. Vídeos enviados por leitores de A Gazeta mostram carros com som alto ligado, vendedores de bebidas e muitas pessoas sem máscara aglomeradas. A Guarda de Vila Velha e a Polícia Militar foram até o local durante a noite. Até a publicação deste texto, não houve retorno da PM e da Guarda sobre as medidas adotadas.

Em outro ponto da cidade canela-verde, em Itapoã, um bar também recebeu a abordagem de guardas municipais após seus frequentadores descumprirem as restrições para evitar a transmissão do coronavírus. A mesma situação ocorreu na Serra, em um estabelecimento no bairro Colina de Laranjeiras.

AGLOMERAÇÃO COMEÇOU NA SEXTA-FEIRA 

Em um universo de mais de 70 estabelecimentos vistoriados na Grande Vitória entre a noite desta sexta-feira (12) e início de tarde deste sábado (13), sete deles foram notificados pela Polícia Militar e guardas municipais por operarem com alguma irregularidade durante este feriadão de carnaval.

Em Vitória, moradores reclamaram  de aglomeração na Rua da Lama, em Jardim da Penha, na noite de sexta, mas segundo a polícia e a prefeitura,  nenhum estabelecimento do local foi notificado porque respeitou todos os requisitos. Na Capital, apenas um bar do Centro teve as atividades paralisadas por operar após o horário máximo permitido na sexta-feira.

Rua da Lama: internauta denuncia aglomeração na Rua da Lama, em Vitória, durante feriadão de carnaval
Moradores da Jardim da Penha registram aglomeração na Rua da Lama, em Vitória. Crédito: Internauta/A GAZETA

Segundo a Prefeitura de Vitória, o bar também foi notificado pela Vigilância Sanitária. Na Capital, o órgão destaca que 19 estabelecimentos foram vistoriados até a manhã de sábado (13) e que 14 deles já estavam fechados quando a fiscalização realizou a ação de combate ao coronavírus. A PM informa que vistoriou oito estabelecimentos em Vitória, que podem ou não ter locais em comum com a repartição, como acontece nas outras cidades.

Na Serra, a PM destaca que vistoriou 19 estabelecimentos, sendo que um deles chegou a ser notificado. Segundo a prefeitura da cidade, outros 23 locais foram fiscalizados pela guarda e três deles foram notificados. Nenhum responsável pelos espaços foi detido.

Em Vila Velha, a polícia afirma que vistoriou 17 estabelecimentos, sendo que 13 foram orientados sobre como operar durante o feriadão e os outros quatro já estavam fechados no momento da fiscalização. Já a Prefeitura de Vila Velha fala que até o início da tarde de sábado notificou dois estabelecimentos comerciais por som alto. No município, no entanto, nenhuma multa foi aplicada.

Festa clandestina no carnaval: denúncia de aglomeração em Guriri, balneário de São Mateus
Festa clandestina no carnaval: denúncia de aglomeração em Guriri, balneário de São Mateus. Crédito: Internauta/A GAZETA

FESTA EM GURIRI 

Na sexta-feira (12), moradores também se queixaram de aglomerações em Guriri, balneário de São Mateus, no Norte do Espírito Santo. Vídeos que circulam na internet mostram centenas de pessoas em uma das ruas da cidade, onde estão também vários estabelecimentos comerciais.

Segundo moradores relataram à TV Gazeta Norte, a Polícia Militar tentou dispersas os foliões conscientizando sobre a importância do isolamento social, mas os participantes só mudaram a festa de local e continuaram a aglomeração.

Por nota, a PM informou que  "em caso de situações de flagrante de aglomeração, os cidadãos são orientados sobre as medidas de prevenção à pandemia da Covid-19, como afastamento social e uso de máscaras. A polícia intervém quando se trata de algum evento clandestino, mas não pode impedir a presença das pessoas na rua."

A PM destacou ainda que "cabe à população se conscientizar e respeitar os protocolos de enfrentamento à pandemia da Covid-19. Caso haja alteração das medidas restritivas, a PMES irá atuar de acordo com a legislação vigente, prestando apoio aos órgãos municipais na fiscalização. As ações de combate ao descumprimento dos decretos são feitas em cima do mapa de denúncias que chegam ao Ciodes 190 e ao Disque-Denúncia 181, em parceria com o Corpo de Bombeiros e Guardas Municipais."

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.