ASSINE

"Desculpa pelo susto", diz sociólogo do ES que passou Natal perdido em trilha

Em vídeo, o pesquisador pede desculpas pelo incômodo que causou e agradece a mobilização de instituições como o Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar, além de voluntários

Vitória
Publicado em 27/12/2020 às 20h01
Atualizado em 27/12/2020 às 20h01
Sociólogo
João Paulo é encontrado em trilha na Serra. Crédito: Hugo Costa

Após passar o Natal perdido na trilha do gasoduto, na Serra, o sociólogo João Paulo Lyrio Izoton, de 35 anos, que havia saído para pedalar na região onde mora, em Jacaraípe, no mesmo município, gravou um vídeo que circula nas redes sociais neste domingo (27). No registro, o pesquisador pede desculpas pelo "susto" que causou e agradece a mobilização de instituições como o Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar, além de voluntários. Confira a gravação.

Na postagem do Facebook, João Paulo disse que: "Pois bem, peço a todos desculpas pelo susto e pelo incômodo causados a muitos; agradeço a todas pessoas e instituições que se mobilizaram em minha procura e reafirmo, vendo essa corrente do bem que se formou, que os milagres de Natal, às vezes precisam é só de um pouquinho de cooperação humana para acontecer. Em nome da minha família: meus pais, meus filhos, meus tios, primos e da minha companheira Flávia, seguem aí meus agradecimentos e minhas desculpas oficiais".

Ele, que foi encontrado por dois motociclistas, Hugo Costa e Marcos, relatou que passou mais de 24h perdido, já que saiu de casa na véspera do Natal (24), por volta das 11h da manhã, e só foi encontrado por volta das 17h desta sexta-feira (25).

A bicicleta dele, que havia sido abandonada na trilha após o pesquisador ter se sentido cansado e com dores no joelho, acabou sendo recuperada neste domingo (27). "Fui ao local junto com minha companheira, um amigo e dois motoqueiros, mas não achamos. Lá encontramos a segurança patrimonial da Suzano e avisamos da perda. Eles acharam e trouxeram para mim na pracinha de Jacaraípe e peguei hoje à tarde. Eu já estava angustiado de ter que voltar lá de novo para procurar", afirmou.

CONSTRANGIMENTO

Em contato com João Paulo, percebe-se que muitas pessoas estiveram envolvidas nas buscas. "Não faço ideia de quantas, mas sei que foram muitos ciclistas dos grupos de bike, que têm o hábito de fazer esta trilha, que eu não tinha, além disso, muita gente se mobilizou na internet, bem como os motoqueiros das trilhas. Sei que nas corporações muita gente foi acionando contatos e garantiu a celeridade nas buscas. Quando saí dos eucaliptos, na viatura dos bombeiros, e enfim cheguei na pracinha, ainda tinha gente chegando para ingressar nas buscas. Quem me achou foram os motoqueiros", contou.

João Paulo desapareceu ao sair para pedalar em Jacaraípe
Pesquisador desaparecido na Serra é encontrado e está bem. Crédito: Sargento Gualberto | Corpo de Bombeiros

Pela notoriedade que ganhou o caso, o sociólogo se mostrou tímido e um pouco constrangido. "Agora estou descansando e superando o constrangimento que eu passei em pleno Natal. Estou pedindo desculpa desde que fui encontrado, principalmente pela mobilização até de helicóptero, por algo que foi uma irresponsabilidade minha. Hoje eu me sinto grato por todo mundo que compartilhou, feliz por ter tido uma história com um bom final nesse ano de 2020, mas estou meio sem graça ainda. Eu sabia que iriam procurar por mim, mas não esperava que ia tomar essa proporção", disse.

CONSCIÊNCIA PESADA

Para ele, a noite solitária entre os eucaliptos não trouxe medo, mas a sede e o cansaço. "Tenho certeza que minha noite não foi pior do que a do pessoal que estava me procurando. Fiquei andando, foi cansativo, mas não foi de todo assustador. A lua estava bem alta, então foi uma noite clara. O que incomodou um pouco foram os mosquitos, mas, após um tempo, a gente já não liga. O pneu da bike também estava furado, desde o dia anterior, então eu estava empurrando a bicicleta. Não senti tanto medo, foi mais a consciência pesada por saber que estava todo mundo angustiado por minha causa", relatou.

"No final da manhã entrei em uma trilha muito ruim e senti dor no joelho esquerdo, que já não é muito funcional. Depois desse esforço senti que não teria condições de sair, então usei a bike para montar um abrigo, acendi uma fogueira e quando os motoqueiros me encontraram eu estava procurando água", concluiu.

RELEMBRE O CASO

O sociólogo João Paulo Lyrio Izoton, de 35 anos, atuante no Movimento de Atingidos por Barragens (MAB), desapareceu após sair para pedalar por volta das 11h da manhã da última quinta-feira (24), véspera do Natal. João mora na região de Jacaraípe, na Serra, com a companheira Flávia Amboss Merçon Leonardo desde novembro deste ano.

Segundo informações da Polícia Militar, as buscas foram realizadas com efetivos da PM e do Corpo de Bombeiros, inclusive com acionamento de helicóptero do Notaer para sobrevoo no local onde o homem desapareceu.

Além das buscas realizadas pela polícia e bombeiros, quatro equipes de voluntários que conhecem a região atuaram em quatro trilhas distintas em busca do ciclista.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.