Covid-19: Guarapari tem praia lotada durante a noite de réveillon

Na praia de Peracanga, era difícil até de ver a areia; Guarapari está classificado em vermelho (risco alto) no Mapa de Risco do Governo do Estado

Vitória
Publicado em 01/01/2021 às 10h58
Atualizado em 01/01/2021 às 21h11
Praia de Peracanga, em Guarapari, ficou lotada durante as comemorações do réveillon
Praia de Peracanga, em Guarapari, ficou lotada durante as comemorações do réveillon. Crédito: Leitor de A Gazeta

A pandemia do novo coronavírus não acabou com a virada do ano de 2020 para 2021 e, por isso, a recomendação era que as comemorações do réveillon fossem feitas preferencialmente em casa e sem aglomerações. Mesmo assim, a praia de Peracanga, em Guarapari, foi um dos locais preferidos dos frequentadores e ficou lotada na noite desta quinta-feira (31) e madrugada deste dia primeiro.

No último Mapa de Risco do Governo do Estado, que classifica os municípios de acordo com o risco de transmissão da Covid-19, Guarapari foi um dos oito municípios classificados como risco alto. Mesmo assim, as imagens recebidas pela reportagem de A Gazeta mostram várias pessoas se aglomerando na areia da praia, sem respeitar minimamente o distanciamento social. 

No último sábado (26), Guarapari já possuía registros de praias lotadas, com aglomerações e frequentadores desrespeitando a recomendação do uso de máscaras. Em alguns pontos da Praia do Morro, por exemplo, já não havia espaço para cadeiras ou guarda-sol. Embora os ambulantes usassem máscara, turistas e moradores se aglomeravam na areia, sem demonstrar preocupação com a pandemia.

O município, inclusive, publicou um decreto na última quarta-feira (30) com medidas restritivas para tentar conter o avanço do coronavírus. Foi delimitado o fechamento de bares e casa de show até o dia 3 de janeiro - quando será publicado o novo Mapa de Risco do governo - o funcionamento somente de estabelecimentos essenciais no domingo e a suspensão da entrada de ônibus de turismo/excursão, micro-ônibus, vans e similares, com exceção daqueles direcionados a hotéis e pousadas que possuem estacionamento no próprio estabelecimento. 

Mesmo com as normas adotadas na cidade, houve registros de aglomerações. Demandada pela reportagem de A Gazeta, a Prefeitura de Guarapari informou que a Secretaria Municipal de Postura e Trânsito não tem medido esforços para fazer cumprir as determinações de enfrentamento à pandemia, bem como segue realizando os trabalhos de orientação. A nota enviada pela prefeitura ressalta, porém, que nenhuma das ações surtirá efeito sem o comprometimento, bom senso e a conscientização da população.

A prefeitura alegou ainda que todas as ocorrências registradas através do serviço de Disque Aglomeração foram atendidas. As denúncias podem ser feitas através do número (27) 99716-1848, que funciona todos os dias das 9h às 22h. O Disque Silêncio funciona de segunda a domingo, das 18h às 2h, pelo (27) 99905-6397. Entre às 2h e as 8h, a prefeitura explicou que a população deve direcionar as denúncias para a Polícia Militar, através do 190.

A reportagem de A Gazeta demandou a Polícia Militar acerca dos registros de aglomerações e sobre a fiscalização em Guarapari e, em nota, informa que os decretos estaduais e municipais não proibiram a circulação de pessoas nas praias. "Portanto, a Polícia Militar, em situações de flagrante de aglomeração na areia, orienta os cidadãos sobre as medidas de prevenção à pandemia da Covid-19, como afastamento social e uso de máscaras, e intervém quando se trata de algum evento clandestino, mas não pode impedir a presença", ressalta a corporação, na nota.

A PM lembra, ainda, que cabe à população se conscientizar e respeitar os protocolos de enfrentamento à pandemia da Covid-19. "Caso haja alteração das medidas restritivas, a PMES irá atuar de acordo com a legislação vigente, prestando apoio aos órgãos municipais na fiscalização. As ações de combate ao descumprimento dos decretos são feitas em cima do mapa de denúncias que chegam ao Ciodes 190 e ao Disque-Denúncia 181, em parceria com o Corpo de Bombeiros e Guardas Municipais," finaliza.

Atualização

1 de Janeiro de 2021 às 21:09

A Polícia Militar respondeu a demanda da reportagem após a divulgação desta matéria. Segundo a corporação, os policiais têm atuado na fiscalização e orientação em eventos com aglomeração. As informações foram incluídas no texto.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.