ASSINE

Casal de idosos tem reencontro emocionante após internação por Covid no ES

Casados há quase 60 anos, Acquelino Valani, 84, e Maria José Valani, 77, tiveram a doença e precisaram ser hospitalizados em locais diferentes. Liberado primeiro, marido preparou homenagem emocionante para esposa

Colatina / Rede Gazeta
Publicado em 21/04/2021 às 18h26
Atualizado em 21/04/2021 às 18h29
Idosos internados com Covid-19 têm reencontro emocionante
Idosos internados com Covid-19 têm reencontro emocionante. Crédito: Acervo da família

Casados há quase 60 anos, Acquelino Valani, 84, e Maria José Valani, 77, já passaram por muitos desafios na vida. Juntos, o casal de Nova Venécia, no Noroeste do Espírito Santo, teve nove filhos e 11 netos. Mas uma das maiores dificuldades enfrentadas por eles ocorreu em função da Covid-19. Os dois tiveram a doença e precisaram ser hospitalizados.

Portador de outras doenças, o idoso ficou no hospital do município por duas semanas. Quando recebeu alta, o sentimento de alívio se misturou com a preocupação de saber que a companheira ainda estava internada. Maria José foi para um hospital da cidade vizinha de São Mateus.

“Minha avó foi para uma unidade semi intensiva, contudo, sem intubação. O potássio e o sódio estavam desregulados por causa da Covid, o que gerou uma fraqueza incalculável nela, preocupando cada vez mais a equipe médica do Hospital Roberto Silvares e a nós familiares também”, relatou Rafaela Valani, neta do casal de idosos.

Reencronto do casal de idosos
Reencronto do casal Acquelino e Maria . Crédito: Acervo Familiar

Apesar da preocupação dos familiares e das equipes de saúde, a idosa conseguiu se recuperar da Covid-19. Com a notícia da alta da esposa, Acquelino decidiu que o tão esperado reencontro com a amada não poderia passar batido.

“Ele pediu ao meu pai que comprasse três caixas de fogos de artifício. Questionamos, mas sem sucesso na resposta. Quando tivemos a notícia de que ela teria alta, ele pediu para pegar uma das caixas de fogos e que era pra soltar na hora que ela tivesse chegando pertinho da casa deles”, revelou a neta.

Mesmo com a iniciativa do idoso, a família ficou preocupada, mas acabou fazendo a homenagem para a idosa. “Nosso medo maior era a seca, já que os fogos geram um perigo, e incômodo também. Mas não conseguimos tirar a ideia da cabeça dele, tomamos os cuidados devidos e realizamos a queima de fogos”, contou Rafaela.

Além dos fogos, uma parte da família se reuniu para recepcionar a idosa. Ele agradeceu o carinho e logo foi ao encontro do marido. Mas o tão esperado abraço teve que aguardar mais um pouco. “ Quando ela chegou, a preocupação dela era que estava chegando do hospital e precisava de um banho antes de dar um abraço”, destacou a neta.

Com a recuperação dos avós, Rafaela relembra com mais aliviada os momentos de tensão que a família passou com o casal de idosos hospitalizados. “Foram dias complicados, semanas longas. Todo dia era uma agonia por notícias que por vezes eram boas outras vezes ruins. Eles são a nossa base, alicerce da família e, claro, o nosso maior exemplo de amor sincero e verdadeiro”, contou.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.