ASSINE

Mesmo com pandemia, ES bate recorde de exportação de café conilon

Estado também deve fechar o ano com a maior exportação de café solúvel da história. Entenda as razões do grão capixaba estar tão competitivo no exterior

Publicado em 09/12/2020 às 15h27
Grãos de café
Grãos de café: exportações recordes em 2020 no Estado. Crédito: COY/Divulgação

Mesmo com a pandemia do novo coronavírus, o agronegócio capixaba vem colhendo bons resultados em 2020. Mesmo sem o ano acabar, o Espírito Santo já superou o seu recorde de exportação de café conilon e está a 12 mil sacas de alcançar também o seu maior volume de exportação de café solúvel.

Entre janeiro e novembro, já foram exportadas 4,4 milhões de sacas de conilon e 347 mil sacas de café solúvel, de acordo com relatório mensal do Centro do Comércio de Café de Vitória (CCCV) divulgado nesta quarta-feira (9).

O recorde anterior de embarque de conilon era de 2015, mas a última melhor marca na exportação de solúvel foi há 15 anos. No caso do conilon, os três principais compradores do Estado no ano são a Bélgica, o México e os Estados Unidos. Já o café solúvel capixaba tem dois grandes mercados consumidores: Indonésia e Estados Unidos.

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS

De acordo com o CCCV, os fatores que contribuíram para o bom desempenho das exportações, tanto do conilon como do solúvel, são, em parte, os mesmos, já que a principal matéria prima do café solúvel é o conilon.

O relatório destaca que o café conilon está mais competitivo do que o robusta do Vietnã no mercado internacional, além de outros fatores como o dólar mais valorizado e o aumento no  consumo de café em casa devido à pandemia. No caso do solúvel, o CCCV aponta que também contribuiu a tradição industrial do Espírito Santo e a credibilidade neste mercado junto aos clientes no exterior.

Para o presidente do CCCV, Márcio Candido Ferreira, tal desempenho da exportação de solúvel representa muito para a cafeicultura capixaba, visto que esse produto industrializado possui maior valor agregado, além de ser mais lucrativo do que a exportação de café crú.

Segundo ele, além de toda relevância para a economia interna que a exportação de solúvel incorpora, gerando empregos, devido à realização de mais uma etapa de seu processo produtivo em terras brasileiras, o café solúvel tem a vantagem de oportunizar a abertura de mercados para o Brasil em países com pouca tradição no consumo de café, como por exemplo o grande mercado chinês, tradicional consumidor de chás.

Devido à baixa dos preços internacionais, a receita cambial no ano de 2020 acumula a cifra de US$ 502 milhões, bem próxima da que foi registrada em 2019, apesar do incremento do volume exportado neste ano. O preço médio de uma saca de café em 2020 está em US$ 85 contra US$ 95 na média de janeiro a novembro de 2019.

Com informações do Centro do Comércio de Café de Vitória (CCCV)

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.