ASSINE

Alta no preço do combustível afasta produtores rurais das feiras urbanas

Agricultores capixabas preferem buscar centros de distribuição no interior do ES que destinam os produtos para supermercados, em vez de se deslocarem para a Grande Vitória

Tempo de leitura: 2min
Publicado em 11/05/2022 às 12h24
Produtos da propriedade de Elizete não serão mais vendidos na Ceasa. Motivo é o preço dos combustíveis
Produtos da propriedade de Elisete não serão mais vendidos na Ceasa. Motivo é o preço dos combustíveis. Crédito: Bernardo Bracony/TV Gazeta

A alta nos preços dos combustíveis no Brasil afeta de forma direta os produtores rurais capixabas. Os trabalhadores precisam viajar longas distâncias do interior do estado até as feiras urbanas para comercializar seus produtos.

É este o caso da agricultora capixaba Elisete Gabriel Jensen, de Santa Maria de Jetibá, na Região Serrana do Espírito Santo. Ela costuma vender as hortaliças colhidas em um espaço nas Centrais de Abastecimento do ES (Ceasa), em Cariacica, na Grande Vitória mas o custo da operação aumentou e já não é garantido que ela permaneça no local.

“Não está mais valendo a pena. O custo de levar na Ceasa e vender lá está cada vez mais complicado. Os preços [tabelados] agora estão bons, mas quando eles abaixarem de novo, aí que não vai valer mais a pena mesmo", disse a produtora rural.

Elisete Jansen é produtora rural, moradora de Santa Maria de Jetibá
Elisete Jansen é produtora rural, moradora de Santa Maria de Jetibá. Crédito: Bernardo Bracony/TV Gazeta

Por semana, Elisete gasta cerca de R$ 1500 para manter as máquinas e cobrir custos de deslocamento. Por isso, a agricultora agora optou por comercializar a colheita apenas para centros de distribuição em Santa Maria de Jetibá, que destinam os produtos para supermercados.

De acordo com o representante do Sindicato dos Trabalhadores Rurais, Egnaldo Andreatta, essa é a alternativa encontrada por muitos agricultores, porém, não representa o cenário ideal.

Além de não ter o contato direto com o produtor rural, o consumidor também sente diferença nos preços, já que para chegar até as prateleiras dos mercados há diversas etapas que encarecem o valor final do produto.

Egnaldo Andreatta é representante do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Santa Maria de Jetibá
Egnaldo Andreatta é representante do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Santa Maria de Jetibá. Crédito: Bernardo Bracony/TV Gazeta

"Nas feiras, além da parte financeira, que é o dinheiro que vem da mão do consumidor para o produtor rural, tem o produto fresco da roça indo direto para a mão do consumidor. Isso a gente não vê em nenhum lugar além das feiras", afirmou o representante do sindicato.

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais
Agronegócio Agricultura familiar Ceasa

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.