ASSINE
Os irmãos Juliano, à esquerda, e Joelson Wruck, permaneceram no campo e transformaram a plantação de café iniciada pelos pais, Josélia e Adriano Orlando, em uma agroindústria no interior de Domingos Martins
Os irmãos Juliano, à esquerda, e Joelson Wruck, permaneceram no campo e transformaram a plantação de café iniciada pelos pais, Josélia e Adriano Orlando, em uma agroindústria no interior de Domingos Martins. Crédito: Ricardo Medeiros

Campo evolui sob o comando das novas gerações na agricultura capixaba

Filhos e netos que permanecem ou retornam às lavouras levam novos conhecimentos e modernização aos cultivos. Eles provam que a vida na roça pode ser tão boa ou até melhor em qualidade de vida e rentabilidade do que na cidade

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 26/10/2021 às 08h34

Quando cursava o ensino médio há alguns anos, o produtor rural Joelson Wruck, de 22 anos, pensava em ingressar em uma faculdade como muitos adolescentes desta faixa etária decidem fazer. Iniciar um curso superior, porém, implicaria em deixar a propriedade da família no interior de Domingos Martins, onde cresceu em meio ao cafezal que há décadas cultivam com muita dedicação.

O cenário relatado acima expressa bem o êxodo rural observado em muitas regiões capixabas e no restante do Brasil. Para a prosperidade dos negócios da família, ele permaneceu e hoje toma a frente da agroindústria que montou na roça juntamente dos pais e também com a parceria do irmão mais velho, Juliano Adriano, de 37 anos. Juntos. eles não só cuidam da lavoura de café iniciada pelos antepassados, como a modernizaram a ponto de beneficiar por completo todos os processos que a cultura necessita.

Joelson Wruck

Joelson Wruck

Cafeicultor e empreendedor

"Vi uma oportunidade de agregar valor à produção. Isso foi até uma jogada do meu pai, pois ele queria a permanência dos filhos. Inovamos e demos continuidade. Fora que trabalhamos em família, o que propicia um ambiente mais agradável"

"Nasci aqui em 1963. Casei com minha esposa, que também é daqui, tivemos nossos filhos e estamos até hoje com eles. São três filhos, mas a menina não está aqui, mora perto, ela é professora. Para mim, é um sonho realizado (ter os filhos inovando na fazenda). Muitos pais queriam e não tiveram como ter. Hoje, para um pai ter um filho na propriedade, na roça, é muito difícil. Posso dizer que tive muita sorte", conta, com orgulho, o cafeicultor Adriano Orlando Wruck, de 58 anos.

TRADIÇÃO MODERNIZADA

Na comunidade de Rio Ponte, localizada nas áreas mais elevadas do município da Região Serrana do Estado, Joelson, Juliano e os pais, Adriano Orlando e Josélia, estão há anos cultivando as variedades catuí vermelho e amarelo. Os quatro são responsáveis por transformar os grãos de arábica em xícaras provenientes de café especial e 100% orgânico. O cenário que vivenciam atualmente era algo inimaginável em um passado não tão distante.

Campo se renova e qualifica sob o comando das novas gerações na agricultura capixaba

A cata manual dos grãos maduros se mantém como antes, mas até este processo, aparentemente simples, agora ocorre com mais conhecimento e precisão. O resultado desta sucessão no campo, aliada à modernização, se traduz em uma bebida de altíssima qualidade e que conquista novos públicos a cada dia.

"Sabemos que no modelo tradicional não é fácil, é preciso inovar para buscar o diferencial na qualidade. Trazer as novas tecnologias para a roça sem sombra de dúvidas é a saída para o bem-estar da família e a continuidade da produção", atesta Joelson.

Atualmente, a família Wruck beneficia toda a produção do catuí e vende o pó de café em embalagens especiais estampadas com a marca criada e batizada com o sobrenome deles. A comercialização é feita in loco, mas também é enviada para qualquer local do país nas vendas feitas pelas redes sociais. O produto diferenciado também é encontrado em pontos de Domingos Martins, feiras de agronegócio e também na Grande Vitória.

Adriano Orlando Wruck, a esposa Joselia Wruck e os filhos Joelson e Juliano, família  de agricultores do distrito de  Paraju, Domingos Martins
Joelson e a família cuidam diariamente da plantação de café catuaí (vermelho e amarelo) que cultivam na localidade de Rio Ponte. O trabalho familiar é transformado em uma bebida especial e de alto valor de mercado . Crédito: Ricardo Medeiros

"Aqui começamos o processo em agregar valor ao nosso produto (café) e nós mesmo damos saída a toda produção. Estamos em um estágio onde necessitamos buscar de outras propriedades (café cru) que também trabalham da mesma forma que nós. Em breve também vamos propiciar que nosso consumidor possa não só degustar, como também aproveitar a passagem por aqui. Não é só o café, será uma experiência no campo", almeja o jovem empreendedor, que planeja, em breve, cursar Administração à distância.

NA TERRA E NA ÁGUA

Ter os filhos trabalhando e levando à frente os negócios da família não é exclusividade do casal Adriano Orlando e Josélia na região de Rio Ponte. Fora das lavouras de café, é à beira do tanque de tilápia, a sucessão oxigenada pela juventude também ocorre.

Há anos na lida com o peixe, a piscicultora Claudineia Klein Wruck, de 44 anos, viu na chegada da filha, Kariny, um incentivo a mais para prosseguir na piscicultura. Os novos conhecimentos trazidos pela jovem impulsionam a produção voltada para a obtenção de filés.

"É um incentivo, até porque o restante da família já estava aqui no interior. Nós decidimos vir também para começar um serviço e estarmos juntos, foi quando escolhemos trabalhar com a tilápia. As crianças também se sentiram estimuladas, gostaram do trabalho e estão conosco. É nosso orgulho e queremos continuar aqui", conta Claudineia.

Claudineia Klein e sua mãe Kariny Wruck, criadoras de Tilápia no Distrito de Paraju, Domingos Martins
Mãe e filha: Claudineia Klein, ao fundo, e Kariny Wruck sobrevivem da criação de tilápias voltada para a obtenção de filés de peixe. A família se mudou da cidade para o interior e se dedica a piscicultura  . Crédito: Ricardo Medeiros

Kariny, de 26 anos, chegou a morar na cidade, mas não se adaptou. Pesou ainda, na decisão de regressar ao campo, os anos de estudos voltados para o desenvolvimento da agricultura familiar.

"Desde o ensino fundamental, estudei na Escola Família Agrícola. E lá, com o método de alternância, tínhamos a rotina de ficar uma semana em casa e outra no colégio. Com isso aprendemos muito da agricultura, dando valor ao campo e sobre a importância de permanecermos nas propriedades junto aos pais, ajudando e incentivando. Com isso optei em ficar aqui na roça. Tive um período da minha vida em que fiquei por uns dois anos na cidade e vi as dificuldades. Voltei para continuar o trabalho com minha família", disse a piscicultora.

SOLUÇÃO ENCONTRADA

Os exemplos mostrados acima são a solução que muitas famílias encontram para seguirem no negócio, mas também preencher uma lacuna crescente e preocupante: a falta de mão de obra qualificada para produzir e modernizar o campo. Este panorama preocupa a Cooperativa de Empreendedores Rurais de Domingos Martins. Em boa parte das quase 300 propriedades associadas, a ausência de pessoas para trabalhar na roça é uma constante.

José Darli Schaefer

José Darli Schaefer

Presidente da Coopram

"Nós incentivamos demais os jovens das comunidades abrangidas porque é um problema real. Fazemos 'dias de campo', estimulamos com cursos, palestras e outras ferramentas onde possam buscar capacitação para agregarem na produção. É natural que o jovem busque oportunidades, mas hoje as facilidades permitem que consigam as coisas sem a necessidade de sair do campo"

José Darli Schaefer ainda aponta outra questão familiar que ocorre na região e que também se coloca como obstáculo entre os cooperados.  

"A gente observa ainda que até mesmo a diminuição das famílias influencia. Antes os casais tinham 5, 6 filhos. Alguns saíam para as cidades, mas outros permaneciam. Atualmente é difícil ver mais que 2, 3 filhos, então, se estes saem, os pais ficam sem sucessores. Some a isso a ausência de gente que queira ficar na área rural e a situação se agrava. O que ameniza parcialmente é a modernização de máquinas e processos, pois diminuem a necessidade por tantas pessoas. Além disso, a internet chega em boa qualidade e velocidade na maioria das propriedades. É uma forma de também encarar o cenário", concluiu.

UNIÃO PELO MUTIRÃO

Na linha de pensamento do presidente da cooperativa, Joelson e a família, que também são cooperados, até hoje participam dos mutirões no intuito de colaborar para o desenvolvimento da comunidade e maximizar a produção.

"Sem sombra de dúvidas a questão da mão de obra é o maior problema do produtor, pois não é fácil dar conta daquilo que você estipula como meta de produção. Nesse sentido a cooperativa é de grande contribuição. Entre os associados, a gente vê que ainda acontecem esses mutirões. Para os que tentam caminhar sozinho, os processos são mais complicados", diz Joelson. Ele cita a própria situação para exemplificar como o espírito colaborativo eleva a qualidade de toda a cadeia produtiva.

Pais e filhos prosperam na união de experiência e juventude no campo

Adriano Orlando Wruck, a esposa Joselia Wruck e os filhos Joelson e Juliano, família  de agricultores do distrito de  Paraju, Domingos Martins
Adriano Orlando Wruck, a esposa Joselia Wruck e os filhos Joelson e Juliano formam uma família de agricultores no distrito de Rio Ponte, Domingos Martins. Ricardo Medeiros
Juliano Wruck, agricultor do Distrito de Paraju, Domingos Martins, E.S
Juliano Wruck, de 37 anos, é o irmão mais novo e estudou em um colégio agrícola, que colaborou para que ficasse no campo  . Ricardo Medeiros
Adriano Wruck, agricultor do Distrito de Paraju, Domingos Martins, E.S
Adriano Wruck se sente realizado tendo dois dos três filhos na lida diária na lavouras de café da família. Ricardo Medeiros
Joselia Wruck, agricultor do Distrito de Paraju, Domingos Martins, E.S
Joselia Wruck não esconde a alegria em poder produzir um café especial ao lado dos filhos e marido. Ricardo Medeiros
Café arábica
Na propriedade da família, em Rio Ponte, o café é 100% beneficiado, o que agrega valor ao produto final. Ricardo Medeiros
Adriano Orlando Wruck, a esposa Joselia Wruck e os filhos Joelson e Juliano, família  de agricultores do distrito de  Paraju, Domingos Martins
Adriano Orlando Wruck, a esposa Joselia Wruck e os filhos Joelson e Juliano, família de agricultores do distrito de Paraju, Domingos Martins. Ricardo Medeiros
Café arábica
A florada do café arábica é o sinal de que a produção da próxima colheita já foi iniciada. Ricardo Medeiros
Café arábica
Toda a produção da família Wruck é orgânica. Na propriedade o cultivo é realizado com o catuaí vermelho e amarelo. Ricardo Medeiros
Claudineia Klein e sua mãe Kariny Wruck, criadoras de Tilápia no Distrito de Paraju, Domingos Martins
Claudineia e a filha Kariny Wruck cuidam das tilápias nos tanques que a família mantém no interior de Domingos Martins. Ricardo Medeiros
Claudineia Klein e sua mãe Kariny Wruck, criadoras de Tilápia no Distrito de Paraju, Domingos Martins
Kariny seguiu os passos da mãe, deixou a cidade e voltou ao campo para tocar com a família o negócio na área da piscicultura . Ricardo Medeiros
Kariny seguiu os passos da mãe, deixou a cidade e voltou ao campo para tocar com a família o negócio na área da piscicultura 
Kariny seguiu os passos da mãe, deixou a cidade e voltou ao campo para tocar com a família o negócio na área da piscicultura 
Kariny seguiu os passos da mãe, deixou a cidade e voltou ao campo para tocar com a família o negócio na área da piscicultura 
Kariny seguiu os passos da mãe, deixou a cidade e voltou ao campo para tocar com a família o negócio na área da piscicultura 
Kariny seguiu os passos da mãe, deixou a cidade e voltou ao campo para tocar com a família o negócio na área da piscicultura 
Kariny seguiu os passos da mãe, deixou a cidade e voltou ao campo para tocar com a família o negócio na área da piscicultura 
Kariny seguiu os passos da mãe, deixou a cidade e voltou ao campo para tocar com a família o negócio na área da piscicultura 
Kariny seguiu os passos da mãe, deixou a cidade e voltou ao campo para tocar com a família o negócio na área da piscicultura 
Kariny seguiu os passos da mãe, deixou a cidade e voltou ao campo para tocar com a família o negócio na área da piscicultura 
Kariny seguiu os passos da mãe, deixou a cidade e voltou ao campo para tocar com a família o negócio na área da piscicultura 

"Não vejo como uma competição. Aqui temos nossa agroindústria, nossa produção e marca próprias, mas também trabalhamos com outras cinco marcas de cafés orgânicos. Temos muito mais a ganhar do que perder com essa cooperação entre os produtores. Pode ocorrer de minha produção ser pequena e posso pegar de outro produtor", detalha.

Além de encontrar soluções para os períodos de colheita, com a atuação colaborativa os produtores conseguem negociar melhor os respectivos produtos e, consequentemente, elevam os percentuais de ganhos, o que também contribuiu positivamente para a permanência ou o retorno da gerações mais jovens ao campo.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Agronegócio Domingos Martins Café capixaba Café arábica Cooperativas Agroindústria

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.