ASSINE

Governo publica afastamento de maestro do ES acusado de assédio

Leonardo David Nascimento de Souza não é mais maestro adjunto da Orquestra Sinfônica do Espírito Santo e caso é apurado pela Secult e Ministério Público

Publicado em 11/09/2020 às 16h55
Atualizado em 11/09/2020 às 19h23
O maestro Leonardo David
O maestro Leonardo David. Crédito: Camerata Sesi/Divulgação

O afastamento de Leonardo David Nascimento de Souza da função de maestro adjunto da Orquestra Sinfônica do Espírito Santo (Oses) foi publicado nesta sexta-feira (11), no Diário Oficial do Estado (DIO-ES). Como publicado nesta quinta-feira (10) por A Gazeta, o motivo da Secretaria de Estado de Cultura (Secult) tomar a providência foram as acusações de assédio moral e sexual feitas por músicos que trabalharam com David que o órgão e o Ministério Público Estadual (MPES) investigam.

Por meio de nota, a assessoria de imprensa da Secult explica que "durante o processo administrativo interno, enquanto os fatos são apurados, o servidor efetivo Leonardo David será afastado da função de maestro adjunto". E destaca: "O servidor terá direito à ampla defesa. Se as infrações denunciadas forem comprovadas, pode haver punição extrema, como demissão".

Maestro Leonardo David é afastado do governo após denúncias de assédio
Maestro Leonardo David é afastado do governo após denúncias de assédio . Crédito: DIO-ES/Reprodução

EXONERAÇÃO

Leonardo, além da gratificação que possuía como maestro, é servidor concursado lotado na Secult. Por esse motivo, possui estabilidade e não pode ser demitido sem antes ser submetido a um Processo Administrativo Disciplinar (PAD). Por isso, continuará recebendo salário do governo.

Segundo informações do Portal da Transparência, o atual salário de Leonardo gira em torno de R$ 8,5 mil. O valor, a partir do próximo contracheque, deve cair em torno de R$ 3,8 mil mensais - dinheiro que ganhava como função gratificada pelo posto comissionado.

Anteriormente, a reportagem questionou o maestro investigado sobre as acusações. Leonardo David, que desativou seus perfis nas redes sociais, chegou a marcar um encontro para uma entrevista, mas desistiu e preferiu se manifestar apenas por meio de nota. "O maestro Leonardo David informa que é inocente de todas as acusações, que jamais faltou com o respeito a ninguém e que confia na apuração dos fatos. A apuração trará a verdade", diz o texto enviado.

O musicista já havia sido demitido da Camerata Sesi no último dia 25. Segundo a Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), mantenedora da orquestra, "todas as denúncias recebidas no âmbito da Ouvidoria são devidamente apuradas e submetidas ao Comitê de Ética, inclusive condutas desalinhadas com os preceitos éticos de nossa instituição".

Quem cobre a ausência da regência no grupo musical gerido pela Findes é a esposa de Leonardo, que era spalla (uma posição abaixo do maestro) da orquestra, Gabriela de Oliveira Souza Queiroz. Na Oses, a regência continua com o maestro titular, cargo que é ocupado pelo musicista Helder Trefzger.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Assédio Sexual Espírito Santo MPES MPES Findes Assédio moral Assédio no trabalho Cultura espírito santo Orquestra Camerata do Sesi

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.