ASSINE

Governo promete retomar Cais das Artes e entregar projeto do Carlos Gomes em 2020

Em entrevista ao Divirta-se, o secretário de Estado de Cultura do ES, Fabrício Noronha, fala dos projetos para a pasta neste ano e investimento dos R$ 36,855 milhões no setor neste ano

Vitória
Publicado em 04/01/2020 às 14h17
Atualizado em 05/01/2020 às 14h23
Museu de Arte do Espírito Santo Dionísio Del Santo (Maes), no Centro de Vitória. Crédito: Divulgação/Secult
Museu de Arte do Espírito Santo Dionísio Del Santo (Maes), no Centro de Vitória. Crédito: Divulgação/Secult

Com as portas fechadas para (mais) uma reforma desde o final de 2018, o Museu de Arte do Espírito Santo Dionísio Del Santo (MAES) deve reabrir no primeiro semestre de 2020, com uma exposição coletiva cujo título ainda é mantido em segredo. A notícia, para alívio dos artistas e fãs das artes visuais no Espírito Santo (um estado que conta com poucos espaços do gênero), foi dada com ares de promessa pelo Secretário Estadual de Cultura, Fabrício Noronha. 

Em conversa com A Gazeta, Noronha destacou alguns projetos que a pasta está programando para o setor, cujo orçamento para 2020 está previsto em cerca de R$ 36,855 milhões. "A perspectiva é de fortalecimento da cultura no Espírito Santo. Estamos trabalhando com uma visão de economia criativa inclusiva, e vamos ampliar as integrações e interações com outros setores, como a agricultura e o meio ambiente, por meio dos programas como o Cultura Conecta e ES+Criativo", afirma o secretário, complementando que o objetivo é diversificar os investimentos, com foco no patrimônio histórico.

"Temos perspectivas de ampliar os investimentos no patrimônio por meio de reformas, ações de educação patrimonial e valorização das coisas do Estado. A cultura do Espírito Santo continuará nos orgulhando em suas dimensões simbólica, cidadã e econômica", profetiza.

Filosofias à parte, e voltando ao MAES, a Secretaria de Cultura já organizou uma série de ações visando um trabalho de conscientização com os moradores do entorno (Centro de Vitória). A ideia é alcançar um novo público. Para isso, oficinas culturais e atividades de convivência já foram realizadas no final de 2019.

A primeira delas foi uma parceria com o Centro de Convivência da Terceira Idade (CCTI). O objetivo é atrair visitantes da melhor idade para compreender de que forma o museu pode se tornar um espaço de interesse para este grupo. Outras ações devem se repetir no novo ano.

TEATRO CARLOS GOMES

De acordo com Fabrício, serão oito projetos que visam reformar patrimônios históricos que estão sob administração da Secult/ES. O mais esperado deles, sem dúvidas, é o do Teatro Carlos GomesFechado desde dezembro de 2017 para reparos, o espaço finalmente deve ganhar uma ação de restauro definitivo em 2020. "Ainda nos primeiros meses do ano, vamos entrar com um processo de contatação de um novo projeto. Queremos iniciar as obras o mais rápido possível", adianta.

Grupo faz manifestação para pedir reabertura do Teatro Carlos Gomes, no Centro de Vitória, interditado há anos. Crédito: Pedro Permuy
Grupo faz manifestação para pedir reabertura do Teatro Carlos Gomes, no Centro de Vitória, interditado há anos. Crédito: Pedro Permuy

Outra das obras previstas para 2020 é a reforma da tradicional Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição, em Conceição da Barra. Além disso, a Galeria Homero Massena (localizada na Cidade Alta, Centro de Vitória) deve ganhar uma "nova casa". "Nossa perspectiva é valorizar cada vez mais os pontos principais do Centro. Queremos levar a galeria para a antiga sede do Arquivo Público, na Rua Pedro Palácios", afirma Noronha. A mudança  - que já está em fase de preparação - faz parte de um projeto do governo Casagrande de reocupação do Centro Histórico, com a volta de algumas secretarias de Estado para a região central.

CAIS DAS ARTES

A essa altura do texto, você deve estar se perguntando: e o "polêmico" Cais das Artes? Quando finalmente será inaugurado? A resposta ainda é cercada por incertezas.

"Estamos empenhados com a retomada do projeto. Fora a construção do espaço físico, vamos iniciar um debate com a sociedade sobre como será feito o gerenciamento e o uso do local. A obra está com pendências judiciais e só podemos conversar depois que estas questões forem resolvidas", adianta Noronha.

A construção do Cais das Artes, que já sugou mais de R$ 129 milhões dos cofres públicos e se arrasta desde 2010,  foi projetada pelo arquiteto Paulo Mendes da Rocha e engloba uma praça ampla, um teatro, um auditório e um museu, equipados para receber eventos artísticos de grande porte. 

Data: 30/09/2016 - ES - Vitória - Obra Cais das Artes, na Praça do Papa . Crédito: Arquivo AG/Guilherme Ferrari
Data: 30/09/2016 - ES - Vitória - Obra Cais das Artes, na Praça do Papa . Crédito: Arquivo AG/Guilherme Ferrari

APOIO ÀS ARTES

Umas das propostas mais inovadoras da Secult para 2020 é o apoio à criação (e manutenção) de espaços culturais independentes. "Temos um projeto que visa diversificar o acesso à cultura, especialmente em pontos especiais. Há boas propostas de centros culturais sendo criados em várias áreas da Grande Vitória, como a Casa da Stael (Vitória) e o Centro Cultural Eliziário Rangel (Serra). Estamos com um edital aberto até 27 de janeiro, com um orçamento de R$ 450 mil para serem distribuídos em 10 ações. A ideia é financiar novas iniciativas como essas", pondera o secretário de cultura.

Outro destaque é o edital Coletivos Culturais. Aberto até 27 de janeiro, tem como missão fomentar atividades artísticas desenvolvidas por Coletivos Juvenis e conectá-los a outras iniciativas e experiências culturais da comunidade onde estão inseridos. "Vamos dar espaços para interações estéticas que pensem em um fazer urbano mesclado à cultura popular.  Serão escolhidos 21 projetos que possuem convergência com o sentimento de pertencimento do capixaba em relação a sua realidade urbana. Cada ação ganhará R$ 15 mil".

Fabrício Noronha também destaca o edital Territórios Criativos como sendo uma das maiores apostas da cultura estadual para 2020. A proposta foca, novamente, no público jovem, desta vez os que vivem em bairros com os maiores índices de vulnerabilidade social. É um projeto que promove a integração de linguagens artísticas e a valorização da cultura popular, levando a reflexão sobre o papel na sociedade, buscando substituir a cultura da violência por uma necessidade de promoção de direitos sociais.

"Vamos privilegiar as criações de oficinas de teatro, grupos de rap e estúdios de música, por exemplo. Queremos investir em agentes que já atuem em projetos nestas áreas", cita o secretário.  Serão 30 prêmios de 40 mil, com edital aberto até 27 de janeiro.

Há, também, uma iniciativa que prevê uma série de exposições artísticas no interior do Estado. Em edital aberto até o próximo dia 27, os artistas disputam três prêmios de até R$ 67 mil. "Cada proponente selecionado deverá fazer duas exposições em espaços fora da Grande Vitória em 2020. Queremos priorizar a formação de público e fomentar a cultura em vários pontos do Espírito Santo", complementa Fabrício Noronha.

Atualmente, a Secretaria de Cultura do Estado conta com cerca de 19 editais. Informações, prazos, normas e inscrições podem ser conferidas pelo site da SECULT

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.