ASSINE

Não há tempo a perder: Ufes precisa resolver problema de esgoto o quanto antes

Não se trata somente das falhas de esgotamento do Restaurante Universitário: campus de Goiabeiras com urgência tem de se conectar à rede de esgoto da Cesan para evitar danos ambientais à região

Publicado em 24/05/2022 às 02h00
ufes
Restaurante universitário da Ufes, em Goiabeiras, será reaberto. Crédito: Rafael Zambe

O tempo precisa ser soberano e ditar o compasso das reações administrativas da Ufes diante de uma situação grave como a do sistema de esgoto do campus de Goiabeiras, registrada em reportagem deste jornal. O risco de contaminação do lençol freático e, consequentemente, dos manguezais que cercam a área foi documentado por técnicos da própria universidade no ano passado, que apontaram falhas  no sistema de fossa-filtro utilizado no Restaurante Universitário (RU), que lança efluentes na lagoa após passarem por tratamento.

No fim das contas, a base do problema está no fato de a cidade universitária não estar conectada à rede de esgoto municipal, cuja gestão é feita pela Cesan.  O sistema do RU, que trata apenas os dejetos da cozinha, tem registrado problemas desde 2018, segundo os documentos apresentados na reportagem. Já os resíduos sanitários do campus  são depositados em fossas biológicas, que passam por drenagem periódica.

O campus universitário tem, portanto, um sistema de esgotamento autônomo e, diante da expansão da cobertura da rede de esgoto em todo o Estado, arcaico. Os problemas que emergem no Restaurante Universitário são decorrentes dessa condição.  Em 2019, já houve alerta sobre as deficiências no armazenamento e escoamento desses resíduos que são lançados na lagoa.

Com a pandemia, o restaurante foi fechado e a comida vinha sendo fornecida em esquema de marmitas terceirizadas, cujo contrato foi suspenso recentemente após estudantes encontrarem larvas nos pratos. 

Com o retorno das atividades no restaurante previsto para esta segunda-feira (23), o temor é de que o funcionamento com a alta demanda do local propicie o transbordamento do esgoto. A administração da Ufes,  contudo, informou que já providencia a instalação de tanques de armazenamento de efluentes do esgotamento da cozinha e a revisão de toda a tubulação que interliga as caixas de filtragem existentes.

São medidas emergenciais para evitar um crime ambiental, mas o que se mostra urgente é a superação desse sistema quase medieval.  Lamentavelmente, ainda não são raros os prédios públicos, das esferas municipal, estadual e federal, sem conexão à rede de esgoto no Espírito Santo. Em maio do ano passado, eram 242 imóveis nessa situação.

A Ufes afirma que está buscando a liberação de cerca de R$ 8 milhões  para a execução da obra que vai ligar seu esgoto à rede coletora. Impressiona, contudo, que em 2013  a Cesan tenha doado um projeto à universidade, no valor de R$ 43.560, para a implantação da coleta de esgoto que não saiu do papel. Certamente, mais investimento teria de ser empenhado, mas evitaria as dores de cabeça atuais. Agora é correr contra o tempo.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Meio Ambiente UFES Cesan Saneamento Mangue no es

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.