ASSINE

Guedes: Precatório transitado e julgado é dívida certa, ninguém pode brincar

Ministro também culpou o período eleitoral pela confusão em torno da comunicação da medida, para criação do substituto do Bolsa Família

Publicado em 02/10/2020 às 22h42
Atualizado em 02/10/2020 às 22h42
Ministro da Economia, Paulo Guedes
Ministro da Economia, Paulo Guedes. Crédito: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Durante entrevista coletiva na porta do Ministério da Economia, nesta sexta-feira (2), o ministro Paulo Guedes repetiu diversas vezes que a discussão sobre travar o volume de pagamento anual de precatórios nunca teve como objetivo o financiamento do programa Renda Cidadã. Ele garantiu que os precatórios transitados e julgados serão pagos pelo governo. "É preciso respeitar a lei. Precatório transitado e julgado é dívida certa, ninguém pode brincar com calote", afirmou.

Em mais de uma ocasião, o ministro reforçou a necessidade de atacar o crescimento dessa despesa e isentou o senador Márcio Bittar (MDB-AC) e os líderes políticos desse debate que, segundo ele, cabe ao próprio ministério da Economia. Ele também culpou o período eleitoral pela confusão em torno da comunicação da medida.

"No calor da política, faltando 40 dias para a eleição, tudo vira pretexto. É momento de eleição. É natural que haja antagonismo. Na boca de uma eleição, será que é hora de discutir o valor do Renda Brasil [se referindo ao programa pelo nome anterior ao Renda Cidadã]", questionou o ministro.

"O Renda Brasil tem uma integridade conceitual. Não é uma revolução, é uma evolução de programas que já existem", completou.

Guedes disse que a disputa eleitoral também atrapalha o andamento de reformas e projetou o entendimento com o Congresso sobre a reforma tributária após o período eleitoral. "Não querem falar no imposto digital por causa das eleições, mas também não falam que o imposto sobre valor adicionado terá alíquota de 32%. Se não houver a disputa eleitoral, naturalmente iremos convergir", completou.

O ministro repetiu que o governo tem um programa liberal democrata e não social democrata, que segundo ele, gasta mais e eleva impostos para cobrir essa despesa. "Se vamos aumentar os recursos para os pobres, vamos tirar da classe de cima. Não tem truque, não tem populismo. Somos um governo transparente. As escolhas são difíceis, mas têm que ser feitas. Quem dá o timing é a classe política."

Guedes afirmou que tem obrigação de defender a estabilidade financeira, o ritmo de crescimento da economia e a geração de emprego. "Eu não entendo de política, mas entendo bastante de economia", completou. "Vamos jogar no construtivo. Eu me dou super bem com o Congresso. Atrasamos a reforma tributária, mas o Congresso também atrasou as privatizações", disse.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.