ASSINE

O melasma aumentou na sua pele após o verão? É hora de tratar!

Além da exposição excessiva ao sol, que causa inúmeros danos à pele do rosto e do corpo, as luzes artificiais também podem trazer problemas

  • Karina Mazzini

  • Estúdio Gazeta

    O Estúdio Gazeta é o time de produção de conteúdo para anunciantes da Rede Gazeta, com estrutura independente da Redação de A Gazeta/CBN.
Publicado em 16/07/2021 às 16h00
Segundo a dermatologista Karina Mazzini, as mulheres entre 25 e 40 anos são as mais afetadas pelo melasma.
Segundo a dermatologista Karina Mazzini, as mulheres entre 25 e 40 anos são as mais afetadas pelo melasma. Crédito: Karina Mazzini/Divulgação

A exposição excessiva ao sol pode causar inúmeros danos à pele do rosto e do corpo. Alguns desses danos são os melasmas, manchas escuras que podem aparecer de repente e, principalmente, em mulheres, pelo uso de anticoncepcionais e gravidez. Nesta época do ano, o inverno, muita gente acha desnecessário gastar uns minutinhos para aplicar o protetor solar. Resultado? Maior exposição aos raios ultravioletas e, consequentemente, risco elevado de enfrentar o problema.

Segundo a dermatologista Karina Mazzini, as mulheres entre 25 e 40 anos são as mais afetadas pelo melasma e somente 10% dos casos acontecem em homens. Além disso, sabe-se que pessoas de pele morena e negra, além de asiáticos e latinos, têm maior predisposição a terem essas manchas.

“O surgimento do melasma também está relacionado com o excesso de radiação solar, alterações hormonais da gravidez e de pílulas anticoncepcionais”, esclareceu Karina, que também frisou a importância de prevenir até mesmo no inverno. "E não só do sol, as luzes artificiais também trazem problemas para a pele”, afirma ela.

TRATAMENTOS

Para tratar essas manchas, que muitas vezes incomodam e tendem a aumentar, a dermatologista prepara um protocolo personalizado com combinação de lasers. “Existem vários tipos de pele, várias manchas e vários fatores que podem levar ao surgimento delas. Cada paciente é único e é preciso desenvolver um tratamento adequado, as vezes com dois ou três lasers em uma mesma sessão”, explica ela.

Entre as novidades no mercado, o laser de thulium é a grande aposta para combater manchas de pele, como o melasma. "Existem outros lasers indicados para esse tipo de problema, mas a vantagem do laser de thulium é que ele clareia a pele e também ajuda na formação do colágeno”, destaca Karina.

Outra opção que vêm dando ótimos resultados é o laser 1064, ideal para peles mais sensíveis porque tem efeito suave, mas eficiente, diminuindo as chances de que as manchas voltem a aparecer.

Segundo a dermatologista Karina Mazzini, para tratar o melasma, ainda há a opção do drug delivery digital, que permite a penetração de ativos na pele através de microperfurações. Assim, injeta-se o clareador dentro da mancha.

“Temos também os tratamentos home care, que são aqueles feitos em casa por meio de cremes clareadores para sardas ou melasmas. É preciso identificar a rotina do paciente para desenvolver a melhor maneira de tratá-los”, frisa a médica.

E, como forma de prevenção, o filtro solar é indispensável todos os dias, de acordo com Karina Mazzini. Apesar de as sardas e o melasma serem benignos e não causarem nenhum mal à saúde, o filtro solar ajuda a proteger a pele de queimaduras, rugas e, principalmente, a evitar o câncer de pele e o aumento das manchas.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta

A Gazeta integra o

Saiba mais
Saúde Saúde

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.