ASSINE

Tratamento torna possível o fim da papada sem cirurgia plástica

Ultrassom micro e macrofocado é opção para quem não quer tratamento invasivo; benefícios são notados logo nas primeiras sessões

  • Karina Mazzini

  • Estúdio Gazeta

    O Estúdio Gazeta é o time de produção de conteúdo para anunciantes da Rede Gazeta, com estrutura independente da Redação de A Gazeta/CBN.
Publicado em 16/06/2021 às 14h30
Dermatologista Karina Mazzini
Karina Mazzini: "A tecnologia provoca um aquecimento nas camadas da pele, ajudando na redução e na quebra das células gordurosas". Crédito: Divulgação

A papada te incomoda e você já pensou em “entrar na faca” por causa dela? O ultrassom micro e macrofocado é uma opção não invasiva quando o assunto é dar firmeza à pele e remodelar o contorno do rosto, em especial, a famosa “papada”. O tratamento pode ser feito em qualquer período do ano e age como um verdadeiro lifting.

“A tecnologia provoca um aquecimento nas camadas da pele, ajudando na redução e na quebra das células gordurosas e no processo de retração que melhora a flacidez facial. Após esse processo, ocorre estímulo para a formação de um colágeno novo e a redefinição do contorno facial, gerando o rejuvenescimento de forma natural”, explica a dermatologista Karina Mazzini.

Segundo Karina, já nas primeiras sessões é possível notar os benefícios, e a tecnologia também pode ser aplicada para melhorar a firmeza e espessura da pele do rosto, pescoço e colo, e é ainda mais eficaz se utilizada em conjunto com outros tratamentos.

“Cada paciente tem suas necessidades específicas e individuais, então desenvolvemos combos de tratamentos personalizados. É possível unir a tecnologia do ultrassom com outras em uma mesma sessão, o que otimiza o tempo do paciente e potencializa os resultados que podemos obter”, afirma a médica.

O ultrassom macrofocado é indicado para o corpo na redução da gordura localizada e flacidez no abdome, na região interna das coxas, gordurinha do sutiã, por exemplo. A quantidade de sessões depende da quantidade de flacidez e da área tratada. No corpo, por exemplo, pode ser feita uma sessão uma vez na semana.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta

A Gazeta integra o

Saiba mais
Saúde Saúde Cirurgia Cirurgia plástica

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.