ASSINE
A coluna trará uma análise do mercado imobiliário, com tendências do segmento, panorama, dicas e orientações. Tem como público-alvo principal o cliente que compra o imóvel, seja para morar ou investir, quem mora de aluguel, quem aluga, quem deseja vender o próprio imóvel, trocar. Ou seja, munir esses leitores de informação para ajudá-los a tomar decisões e fazer bons negócios

Tendência ou realidade: os imóveis ficarão mais caros?

Não há mais dúvidas para a alta dos preços dos imóveis residenciais, e o compromisso de ajudar as pessoas com a escolha do melhor momento de compra é uma urgência

Vitória
Publicado em 02/06/2021 às 01h59
Valorização dos imóveis
Preço dos imóveis é afetado por diferentes fatores externos e internos, que pressionam os custos da construção civil. Crédito: Rawpixel/ Freepik

No mercado imobiliário, já é um consenso: a alta dos preços dos imóveis residenciais é uma realidade. A discussão agora é sobre as consequências e o tempo de permanência deste cenário.

Antes de avaliar as consequências, é importante entender as variáveis da alta dos preços. A primeira delas é o aquecimento do próprio mercado imobiliário. Salvo os dois primeiros meses da pandemia de covid-19, entre março e abril de 2020, quando praticamente todos os setores da economia afundaram em meio à onda de pânico, já faz mais de um ano que o setor vem dando um show de resiliência e prosperidade.

Segundo a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), as vendas de unidades residenciais novas cresceram 9,8% no país em 2020, em relação ao ano anterior. No mesmo período, a oferta de crédito cresceu 57,5%, atingindo o patamar recorde de R$ 124 bilhões.

É preciso observar ainda que o consumidor teve aflorado o desejo de trocar de imóvel por conta da pandemia de Covid-19. Além disso, foi fortemente atraído pelo crédito farto com juros baixos e, consequentemente, redução do valor das parcelas.

Milhões de brasileiros descobriram com o home office que sua residência era limitada ou inadequada para o trabalho remoto. Além disso, inúmeras famílias fizeram a opção de trocar os centros urbanos pela qualidade de vida das cidades do interior ou litoral.

Tudo isso associado à recuperação econômica do Brasil, deve continuar movimentando o mercado imobiliário neste ano, gerando uma demanda mais aquecida do que a oferta de novos imóveis.

Vale lembrar que a resposta das construtoras, com novos lançamentos, a essa procura maior, não é rápida, o que acaba contribuindo para a elevação dos preços dos imóveis em estoque, inclusive no segmento de usados.

Outra variável importante nesta tendência de alta dos preços dos imóveis, são os fatores externos e internos, que pressionam os custos da construção civil.

A recuperação da economia global, elevou às alturas as cotações dos principais commodities. O minério de ferro, por exemplo, bateu recorde em maio ao superar os US$ 230 por tonelada, afetando toda a cadeia do aço.

Internamente, o auxílio emergencial, liberado pelo Governo Federal, elevou a demanda por tijolo e cimento, provocando o reajuste nos preços do material de construção. Em 12 meses, o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) da Fundação Getúlio Vargas (FGV) acumula alta de 12,82%, o dobro da inflação oficial medida pelo IPCA.

Esse é o cenário dos imóveis residenciais daqui para frente. É importante destacar ainda que, em termos reais, considerando a atualização da inflação, os preços estão, em média, 25% abaixo dos valores registrados no pico do crescimento do mercado imobiliário, em 2014.

É neste cenário que o corretor tem a missão de orientar os consumidores na escolha da melhor oportunidade. Agora é o momento de decisão de compra para não perder tempo e garantir os valores antes da atualização das tabelas. Agora é o momento para os investidores, que compram imóveis na planta. Existe a possibilidade de ganho dobrado: no preço do bem material, em caso de revenda, e no contrato do aluguel, que costuma ser uma fração de 0,3% a 0,8% do valor da residência.

A alta dos preços dos imóveis residenciais é uma realidade e o compromisso de ajudar as pessoas com a escolha do melhor momento de compra é uma urgência.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

Inflação imóveis Mercado imobiliário

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.