ASSINE
A coluna trará uma análise do mercado imobiliário, com tendências do segmento, panorama, dicas e orientações. Tem como público-alvo principal o cliente que compra o imóvel, seja para morar ou investir, quem mora de aluguel, quem aluga, quem deseja vender o próprio imóvel, trocar. Ou seja, munir esses leitores de informação para ajudá-los a tomar decisões e fazer bons negócios

Só acredito em vendas quando o objetivo é ajudar as pessoas

Por isso, digo: cuidado com a modalidade de crédito para compra do imóvel atrelada à inflação!

Vitória
Publicado em 26/05/2021 às 00h04
O FGTS, portanto, é composto pelo total dos depósitos mensais realizados pelos empregadores. O montante pertence aos contratados que, em algumas situações, podem retirar o total acumulado.
Uma parcela mais barata no curto prazo não compensa o risco inflacionário do Brasil. Crédito: Freepik

Em agosto de 2019, quando a Caixa Econômica Federal (CEF) lançou a primeira linha de financiamento habitacional atrelada à inflação oficial (IPCA), houve euforia no mercado imobiliário. Afinal, surgia a modalidade de crédito mais barata da história para imóveis residenciais.

A taxa mínima era de IPCA + 2,95% ao ano. Naquele instante, a inflação acumulada em 12 meses era de 3,22%, o que resultaria numa taxa final de 6,17% ao ano (3,22% + 2,95%), bem inferior aos 8,5% + Taxa Referencial (TR) da tradicional modalidade prefixada oferecida pelo banco. Vale lembrar que a TR está zerada desde setembro de 2017.

Na ponta do lápis, o valor inicial de uma prestação imobiliária caiu entre 30% e 50% na comparação entre a linha de crédito com IPCA e a linha tradicional. Uma tentação!

O ponto de atenção é que, ao optar pela novidade, o consumidor carrega o risco inflacionário durante todo o contrato, que pode chegar até 30 anos. Como no Brasil o risco inflacionário é uma constante, isso se transforma num problema!

Especialmente, para aqueles que não viveram a hiperinflação na década de 1980. E também para aqueles que não acompanham os indicadores econômicos. Pois, apesar da melhora a partir de 1994, com o Plano Real, recentemente, em 2015, o IPCA superou 10% ao ano.

Neste contexto, vale sinalizar também que a pandemia da Covid-19 só piorou o risco inflacionário. Atualmente, o IPCA acumulado em 12 meses está em 6,76%, o que resulta num reajuste de 9,71% ao ano (6,76+ 2,95%) nas parcelas.

Por exemplo, um contrato firmado em agosto de 2019 já está em desvantagem em relação à linha tradicional. Menos de 2 anos da data do lançamento da modalidade de crédito já é possível constatar o impacto financeiro e o risco iminente de prejuízo.

A modalidade só seria a alternativa recomendada para o consumidor se a opção tradicional prefixada fosse muito mais cara. Mas não é o caso agora, especialmente quando a própria Caixa oferece linhas tradicionais a partir de 6,25% + TR.

Mesmo que a inflação volte a ficar menor nos próximos anos, a recomendação é não cair na tentação. Definitivamente, uma parcela mais barata no curto prazo não compensa o risco inflacionário do Brasil.

Entender este cenário e direcionar o consumidor é o papel do corretor imobiliário. É por isso que só acredito em vendas, quando o objetivo é ajudar as pessoas. Garantir a melhor experiência antes, durante e depois da compra precisa ser a missão do vendedor.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais
imóveis Mercado imobiliário

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.