> >
Última semana de janeiro deve ser de chuva e instabilidade no ES

Última semana de janeiro deve ser de chuva e instabilidade no ES

Em algumas regiões capixabas, sol só até deve aparecer a partir de terça-feira (30), mas o calorão somado à alta umidade pode provocar chuvas fortes

Publicado em 28 de janeiro de 2024 às 11:01- Atualizado há 6 meses

Ícone - Tempo de Leitura 3min de leitura
Templo nublado, chuva, Grande Vitória
Instabilidade é causada pela Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS). (Vitor Jubini)
Maria Fernanda Conti
[email protected]

O clima cinzento que paira sobre o Espírito Santo não deve dar trégua, e há previsão de mais chuva na última semana de janeiro. Segundo o Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), o motivo dessa instabilidade é a formação de uma Zona de Convergência do Atlântico Sul, chamada de ZCAS (entenda mais sobre o fenômeno abaixo).

Nesta segunda-feira (29), pode chover em alguns momentos do dia em todas as regiões capixabas, embora seja menos frequente no extremo Sul do Estado. O vento será moderado apenas no litoral Norte, que pode registrar temperaturas entre mínima de 25ºC e máxima de 32ºC. Na Grande Vitória, a mínima pode atingir 23ºC.

Já na terça-feira (30), o sol volta a aparecer no Estado, mas pode chover de madrugada e pela manhã no Norte, e à tarde em algumas partes das regiões Sul e Serrana. Não deve chover em outras áreas, e o vento sopra com intensidade moderada na costa. 

A manhã de quarta-feira (31) também deve ser tomada pelo 'calorão', conforme o Incaper. A partir da tarde, no entanto, por conta das altas temperaturas e da umidade, pode chover nas regiões Sul e Serrana, com trovoadas. Assim como no dia anterior, não há expectativa de precipitações nas demais localidades. 

Novos alertas

Municípios enquadrados no aviso laranja:

  1. Barra de São Francisco 
  2. Boa Esperança 
  3. Conceição da Barra 
  4. Ecoporanga 
  5. Jaguaré 
  6. Linhares 
  7. Montanha
  8. Mucurici 
  9. Nova Venécia 
  10. Pedro Canário 
  11. Pinheiros 
  12. Ponto Belo 
  13. São Gabriel da Palha
  14. São Mateus 
  15. Sooretama 
  16. Vila Pavão 
  17. Vila Valério

Municípios enquadrados no aviso amarelo:

  1. Afonso Cláudio
  2. Alegre 
  3. Alfredo Chaves 
  4. Alto Rio Novo
  5. Anchieta 
  6. Apiacá
  7. Aracruz 
  8. Atílio Vivacqua
  9. Baixo Guandu
  10. Barra de São Francisco
  11. Bom Jesus do Norte
  12. Brejetuba 
  13. Cachoeiro de Itapemirim 
  14. Cariacica
  15. Castelo 
  16. Colatina 
  17. Conceição do Castelo
  18. Divino de São Lourenço 
  19. Domingos Martins 
  20. Dores do Rio Preto 
  21. Ecoporanga
  22. Fundão
  23. Governador Lindenberg
  24. Guarapari 
  25. Guaçuí 
  26. Ibatiba 
  27. Ibiraçu 
  28. Ibitirama 
  29. Iconha
  30. Irupi 
  31. Itaguaçu 
  32. Itapemirim
  33.  Itarana 
  34. Iúna 
  35. Jerônimo Monteiro
  36. João Neiva 
  37. Laranja da Terra
  38. Linhares 
  39. Mantenópolis 
  40. Marataízes
  41. Marechal Floriano 
  42. Marilândia 
  43. Mimoso do Sul 
  44. Muniz Freire 
  45. Muqui 
  46. Nova Venécia 
  47. Pancas 
  48. Piúma 
  49. Presidente Kennedy 
  50. Rio Bananal
  51. Rio Novo do Sul 
  52. Santa Leopoldina
  53. Santa Maria de Jetibá 
  54. Santa Teresa 
  55. Serra 
  56. Sooretama 
  57. São Domingos do Norte
  58. São Gabriel da Palha 
  59.  São José do Calçado
  60. São Roque do Canaã 
  61. Vargem Alta
  62. Venda Nova do Imigrante
  63. Viana 
  64. Vila Pavão 
  65. Vila Valério 
  66. Vila Velha 
  67. Vitória 
  68. Água Doce do Norte 
  69. Águia Branca 

O que é a ZCAS

Conforme uma definição do Climatempo, a Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS) é o principal sistema meteorológico responsável pela chuva no verão brasileiro. É caracterizada por uma persistente área de nebulosidade que se estende desde a Amazônia até o oceano Atlântico, influenciando as precipitações em todo o Centro-Oeste, Sudeste e parte do Nordeste brasileiro.

Formação da Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS) no Brasil
Formação da Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS) no Brasil. (Climatempo)

O sistema está associado com uma sequência de dias chuvosos que, em muitas ocasiões, provocam episódios de chuva extrema e, por consequência, desastres naturais como, por exemplo, inundações e deslizamentos de terra.

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rapido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta

A Gazeta integra o

The Trust Project
Saiba mais