ASSINE

No ES, 13 cidades já ultrapassam volume de chuva esperado para outubro

Em Muniz Freire, os números do Incaper mostram que choveu 2,5 vezes o que era esperado para todo o mês. Os números foram fechados na tarde desta segunda-feira (26) e contabilizam as chuvas que atingiram todo o Estado no último fim de semana

Publicado em 26/10/2020 às 20h26
Chuva na Grande Vitória
Vitória é um dos municípios que ultrapassaram a média de outubro. Crédito: Fernando Madeira

A poucos dias do fim do mês de outubro, treze municípios do Espírito Santo já registram volume de chuva maior que o esperado para todos os 31 dias do décimo mês do ano. Dados concedidos pelo Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) mostram que Muniz Freire, líder do ranking de acumulado de chuvas e de percentual, já registrou 2,5 vezes o que era aguardado para outubro. Os números foram fechados na tarde desta segunda-feira (26), portanto, contabilizam as chuvas que atingiram todo o Estado no último fim de semana.

No mapa, é possível notar o quanto choveu em cada município até o dia 26 de outubro, o que corresponde ao acumulado, medido milímetros (mm). A "média out" – indicada em cada município no mapa e medida em milímetros – evidencia o que era esperado para todo o mês, de acordo com os dados do Incaper.

Ainda de acordo com os números, é possível notar uma diferença na expectativa em diferentes cidades do Espírito Santo. O terceiro dado, definido como percentual, é o que pode-se chamar de "desvio", ou seja, 100% quer dizer que cumpriu-se o que era esperado. Números inferiores mostram que a média do mês ainda não foi alcançada. Qualquer dado superior a 100% coloca o município na lista dos que tiveram mais chuva que a média. Em um percentual de 200%, por exemplo, significa que choveu o dobro na cidade.

"De acordo com a climatologia de outubro, o acumulado representa mais que duas vezes a média do mês. Normalmente, em grande parte do Espírito Santo chove entre 90 e 120 mm, com exceção do Norte e Noroeste, que registra menos de 90 mm", explicou o meteorologista Hugo Ramos, do Incaper.

Em entrevista ao jornalista Fábio Botacin, da Rádio CBN Vitória, o meteorologista ainda destacou que a diferença entre as chuvas do último fim de semana e as ocorridas em janeiro – que provocaram tragédias – é a forma contínua com que ocorre. Pancadas de chuva no verão geram um grande volume em um curto período, o que colabora para a ocorrência de desastres naturais.

Hugo Ramos ressaltou que o período de chuvas no Espírito Santo começa a partir da segunda quinzena do mês de outubro, mas lembrou que tempestades com queda de granizo foram registradas ainda antes do período mais favorável.

Se depender da previsão do tempo, a lista pode incluir ainda mais municípios com mais chuva que a média. Segundo um alerta emitido pelo Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), todo o Espírito Santo está sob risco de chuvas até a manhã de terça (27). Ainda de acordo com o Climatempo, frentes frias devem chegar ao Estado e provocar mais chuvas.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.