ASSINE

Polícia apreende 33 cilindros de oxigênio escondidos por empresa em Manaus

Em meio à crise sanitária na cidade, o proprietário, um homem de 38 anos, foi detido e responderá por "reter produtos para o fim de especulação"

Publicado em 15/01/2021 às 13h13
Atualizado em 15/01/2021 às 13h20
Polícia apreende 33 cilindros de oxigênio escondidos por empresa em Manaus Foto: Carlos Soares/Erlon Rodrigues/Alailson Santos/SSP-AM e PC-AM
Polícia apreende 33 cilindros de oxigênio escondidos por empresa em Manaus. Crédito: Carlos Soares/Erlon Rodrigues/Alailson Santos/SSP-AM e PC-AM

A polícia do Amazonas apreendeu 33 cilindros de oxigênio que estavam escondidos em um caminhão na tarde desta quinta-feira (14) em Manaus. O proprietário, um homem de 38 anos e de nome não divulgado, foi detido e responderá por "reter produtos para o fim de especulação", de acordo com informações da Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM). O material foi encaminhado, sob escolta, para quatro unidades hospitalares da rede estadual.

A polícia chegou até o local, na zona centro-oeste da cidade, após receber uma denúncia anônima. A capital amazonense está em grave crise sanitária, com escassez de oxigênio para atender à demanda do sistema de saúde, que enfrenta alta de internações por Covid-19. Segundo relatou o Estadão, pessoas chegaram a morrer asfixiadas pela falta de oxigênio.

O caminhão estava estacionado fora da empresa a que pertence, cujo nome também não foi divulgado pela polícia. Dos 33 cilindros apreendidos, 26 estavam carregados com oxigênio. Eles teriam sido envasados na quarta-feira (13).

Segundo informações da SPP-AM, o proprietário alegou no interrogatório que temia que a população invadisse o estabelecimento e, por isso, decidiu retirar os cilindros do local. Até o momento, não há, contudo, qualquer relato desse tipo de violência na cidade, em que há mobilizações de familiares de pacientes, de profissionais de saúde e da população em geral para comprar os equipamentos e pedir doações.

As unidades de saúde que receberam os cilindros foram o Hospital Beneficente Português, a Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon) e os Serviços de Pronto-Atendimento (SPA)de São Raimundo e de Coroado.

A demanda por oxigênio na região quintuplicou na última quinzena. As taxas da doença no Amazonas têm crescido rapidamente nas últimas semanas. O Amazonas tem 223.360 casos e 5.930 óbitos confirmados do novo coronavírus até a quinta-feira, 14, de acordo com o governo estadual. As internações por Covid-19 no Estado duplicaram em menos de quinze dias, subindo de 128 novos internados em 31 de dezembro, para 258 em 14 de janeiro.

O balanço estadual também aponta 1.126 pacientes com suspeita ou confirmação da doença em UTIs de Manaus, o que inclui tanto hospitais públicos quanto privados, e outros 2.567 em leitos de enfermaria.

A taxa de ocupação para UTI Covid na capital é de 90,48%, taxa que é de 93,19% para leitos de enfermaria destinados a pacientes com a doença. Até quinta-feira, 427 pacientes aguardavam internação em leito de UTI ou clínico no Estado, dos quais 371 em Manaus, sendo 366 na rede pública e outros cinco na rede privada. O número de sepultamentos em Manaus aumentou 450% em um mês, segundo a prefeitura da capital.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.