ASSINE

Deputada bolsonarista vai à Câmara usando máscara com a pergunta 'E daí?'

Bia Kicis (PSL-DF) usou acessório com frase dita pelo presidente Jair Bolsonaro sobre mortes provocadas pelo coronavírus

Publicado em 21/05/2020 às 17h29
Atualizado em 21/05/2020 às 17h29
Deputada federal Bia Kicis (PSL - DF)
Deputada federal Bia Kicis (PSL - DF) usa máscara com as palavras "E daí?", em referência à frase do presidente Jair Bolsonaro, que disse que não poderia fazer nada em meio às mortes provocadas pela Covid-19 no Brasil. Crédito: Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados

A deputada Bia Kicis (PSL-DF) apareceu nesta quarta-feira (20) no plenário da Câmara, usando máscara de proteção com a inscrição “E daí?”. A pergunta virou o símbolo do descaso quando, no dia 28 de abril, o presidente Jair Bolsonaro afirmou não ter o que fazer em relação ao recorde de mortes na pandemia do novo coronavírus.

“E daí´? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre”, disse Bolsonaro há cerca de 20 dias ao ser questionado, na ocasião, sobre o fato de o Brasil ter ultrapassado a China no número de mortes. Depois dessa frase, Bolsonaro foi bombardeado nas redes sociais e ensaiou uma mudança de tom sobre a doença, apesar de defender o afrouxamento do isolamento social.

Vestida com a máscara, Bia Kicis elogiou no plenário da Câmara a mudança no protocolo a respeito do uso da cloroquina. Na quarta-feira, por determinação do presidente Jair Bolsonaro, o Ministério da Saúde passou a recomendar o medicamento também para casos leves de covid-19, embora não haja evidência científica sobre a eficácia do tratamento.

“Eu quero aqui louvar o novo protocolo do Ministério da Saúde, agora que libera para os atendimentos do SUS, no início do tratamento, a hidroxicloroquina junto com outros medicamentos que têm se mostrado eficientes no combate ao coronavírus, desde que usados no momento adequado”, afirmou Bia.

MÁSCARA FOI PRESENTE DE APOIADOR, DIZ DEPUTADA

Após receber críticas nas redes, a deputada disse ao que a máscara com o questionamento “E daí?” foi um presente de um apoiador, após ela ter feito um vídeo usando o questionamento para denunciar “irregularidades” cometidas por governos estaduais durante a pandemia. “E daí que o governo de Santa Catarina comprou por 33 milhões aparelhos respiradores e não recebeu nenhum deles?” é uma das frases do vídeo.

“Isso é um texto de um anônimo que eu resolvi transformar em um vídeo. Então, eu li o texto. Esse vídeo viralizou. Um seguidor meu, que trabalha com brindes, fez a máscara e camisetas e levou para mim na manifestação (de apoio ao presidente)”, contou Bia. “Essa máscara está, inclusive, com a foto do vídeo porque se refere a esse texto que eu gravei”

Em 2006, a então deputada Ângela Guadagnin (PT-SP) dançou no plenário da Câmara logo depois de a Casa absolver seu colega petista João Magno do pedido de cassação por quebra de decoro parlamentar. Magno era acusado de envolvimento no esquema do mensalão.

À época, a comemoração de Ângela foi apelidada de “dança da pizza” e ela acabou fazendo um pedido público de desculpas.

Quando Bolsonaro saiu-se com um “E daí?”, em 28 de abril, o Brasil registrava 474 mortes pelo coronavírus em 24 horas. Atualmente, porém, esse número praticamente dobrou.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.