ASSINE

Covid: vacinação de crianças no Brasil está no plano de imunização de 2022

A pasta planeja utilizar cerca de 340 milhões de doses para o próximo ano. Para isso, usaria 134,9 milhões de vacinas que seriam da sobra de 2021

Publicado em 09/10/2021 às 11h52
Vacina Covid-19
Covid-19: Ministério da Saúde prevê disponibilizar 70 milhões de doses para a vacinação de crianças . Crédito: Carlos Alberto Silva

O Ministério da Saúde planeja vacinar crianças contra a Covid em 2022 caso a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprove a imunização. Para esse público, a previsão é de 70 milhões de doses. A declaração foi dada pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em coletiva de imprensa nesta sexta-feira (8). 

A pasta planeja utilizar cerca de 340 milhões de doses para o próximo ano. Para isso, usaria 134,9 milhões de vacinas que seriam da sobra de 2021.

Além das duas doses que seriam aplicadas por criança, o planejamento é distribuir apenas dose de reforço no público de 12 a 59 anos, e uma dose por semestre para a população com idade superior e imunossuprimidos.

Ainda não há pedidos na Anvisa para que libere a aplicação de doses em crianças. A Pfizer pediu a FDA, agência reguladora dos Estados Unidos, a autorização de uso emergencial de sua vacina contra a Covid-19 em crianças de 5 a 11 anos.

A vacinação será realizada por faixa etária, começando pelos mais velhos e terminando nos mais novos. O Ministério da Saúde prioriza a compra de doses das vacinas da Pfizer e da AstraZeneca para a campanha de imunização contra a Covid-19 em 2022.

A ideia é garantir mais 100 milhões de doses da Pfizer, podendo ampliar para mais 50 milhões de doses. Já da AstraZeneca o planejamento é de 120 milhões, podendo aumentar para mais 60 milhões de doses. Rodrigo Cruz, secretário-executivo do Ministério da Saúde, disse que o investimento estimado é de R$ 11 bilhões.

O novo ministro da Saúde, o cardiologista Marcelo Queiroga, reuniu hoje (23) a imprensa para divulgar as novas ações e estratégias do governo federal no combate à covid-19
O ministro da Saúde, o cardiologista Marcelo Queiroga espera vacinar crianças no país em 2022. Crédito: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

"A gente está discutindo com o Ministério da Economia a possibilidade de abrir um crédito extraordinário para firmar o contrato agora e a gente vai calibrar. Mas a mensagem que o Ministério da Economia passa é que não faltará orçamento para essas despesas". 

Há apenas R$ 3,9 bilhões reservados no projeto de orçamento de 2022 para a compra de vacinas da Covid-19, dentro de um bolo de R$ 7,1 bilhões direcionados às ações contra a pandemia.

FIM DA PANDEMIA?

O ministro da Saúde avaliou na coletiva que o próximo ano pode ser o fim do período pandêmico.

"Eu não disse que previa o fim da pandemia, eu disse que era possível. Quem fez esse tipo de avaliação foram técnicos da Fiocruz. Do ponto de vista terminativo, quem reconheceu a pandemia foi a OMS e seria ela também que reconheceria o caráter do período pandêmico", disse.

Rosana Leite de Melo, secretária extraordinária de enfrentamento à Covid-19, explicou que compete ao Ministério da Saúde determinar o fim da declaração de emergência internacional.

No entanto, existem critérios, como taxa de incidência, taxa de internação hospitalar, situação da pandemia no país e no mundo.

“Finalizando a emergência vai finalizar entre aspas a pandemia [no Brasil]” O vírus vai acabar? Provavelmente, não. Ele vai pular de um determinado status para outro. Isso que a gente colocou no desafio de se realizar um planejamento”.

O ministro da Saúde chegou a dizer que planeja flexibilizar o uso de máscara no Brasil em breve. Segundo ele, leis que obrigam o uso de máscara são ineficazes, o ideal é conscientizar a população.

“Quando cheguei eu falei em pátria de máscara. Hoje temos uma situação bem mais equilibrada e já podemos pensar, desde que o contexto vá cada dia melhorando e que a campanha vá ampliando, em flexibilizar o uso de máscara ao ar livre, por exemplo”

“Para quando? Espero que o mais breve possível, estamos trabalhando para isso. O nosso problema não é máscara, a gente tem é que desmascarar determinadas pessoas que ficam com narrativas que não se sustentam.”

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.