ASSINE

Bolsonaro sobre Flávio: queria um processo justo, mas isso não está sendo feito

Flávio é investigado pelo esquema de "rachadinha" em seu gabinete quando ainda era deputado estadual, e a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) encaminhou orientações por escrito a advogados do senador

Publicado em 15/12/2020 às 19h27
Data: 14/12/2018 - Pronunciamento de Flávio Bolsonaro nas redes sociais sobre possíveis movimentações bancárias suspeitas de seu ex-assessor. Ao lado, seu pai, Jair Bolsonaro - Editoria: Cidade -  - NA
Flávio Bolsonaro junto com o pai, Jair Bolsonaro, em pronunciamento nas redes sociais em 2018, sobre possíveis movimentações bancárias suspeitas de seu ex-assessor. Crédito: Facebook

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça, 15, que a investigação envolvendo o seu filho, senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), não é feita de forma "justa". Em entrevista por telefone no programa Brasil Urgente, Bolsonaro destacou que a "pressão" contra seu filho mais velho ocorre para atingi-lo politicamente.

"O que eu sempre torci é que fosse feito um processo justo, mas isso não está sendo feito. O Ministério Público do Rio de Janeiro vaza tudo para a Globo", acusou Bolsonaro. Flávio é investigado pelo esquema de "rachadinha" em seu gabinete quando ainda era deputado estadual. Na semana passada, a revista Época revelou que a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) encaminhou orientações por escrito a advogados do senador. As informações foram confirmadas pelo Estadão.

"A pressão em cima do meu filho é para me atingir. Não é só em cima do meu filho, é em cima de esposa, é de ex-mulher, outros filhos, parentes meus, amigos que estão do meu lado", comentou o presidente.

Nesta quarta, 16, se encerra o prazo de 24 horas dado pelo Supremo Tribunal Federal para que o ministro-chefe do GSI, general Augusto Heleno, e o diretor-geral da Abin, Alexandre Ramagem, explicassem o envolvimento no caso. O procurador-geral da República, Augusto Aras, também disse hoje que pediu informações à Abin e ao GSI sobre o assunto.

"Essa questão da Abin, eu tive com o general Heleno e perguntei se alguma coisa foi feita e ele falou não", disse Bolsonaro. O presidente comentou ainda o envolvimento do assessor Fabrício Queiroz no caso da rachadinha.

Segundo ele, os cheques que somam cerca de R$ 89 mil recebidos pela primeira-dama, Michelle Bolsonaro, eram direcionados para ele próprio e ocorreram ao longo de dez anos.

"Aqueles cheques do Queiroz ao longo de dez anos foram para mim, não foram para ela. Divide aí. R$ 89 mil por dez anos, dá em torno de R$ 750 por mês. Isso é propina? Pelo amor de Deus", disse.

Bolsonaro citou ainda que Queiroz era de confiança e pagava contas para ele, mas que não conversou com ele desde que o processo de investigação começou.

"Ele (Queiroz) está sendo injustiçado também porque tem que ser investigado e dar a devida pena se for culpado e não prender esposa. Quebraram o sigilo de mais de 90 pessoas. Não tem cabimento isso. Parece que o maior bandido da Terra é o senhor Flávio Bolsonaro", disse. "Se tem a sua culpa, se apura e se pune, mas não dessa forma tentando me atingir politicamente em todo momento", acrescentou.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.