ASSINE
Linhares tem atraído investimentos e é uma das
maiores cidades fora da Região Metropolitana
Linhares tem atraído investimentos e é uma das maiores cidades fora da Região Metropolitana. Crédito: Deivid Gava

A região do Espírito Santo que é um 'Doce' para novos negócios

Microrregião que tem vários municípios à margem do rio mais importante do Estado vem passando por acelerado desenvolvimento

Publicado em 24/11/2021 às 03h00

Incentivos fiscais, uma vasta matriz energética e uma boa logística que favorece a instalação de grandes fábricas, estaleiros e terminais portuários fazem da microrregião Rio Doce uma economia fortemente influenciada pela atividade industrial. Composta por seis municípios, Aracruz, João NeivaIbiraçuLinharesRio Bananal e Sooretama, a região tem uma das economias mais desenvolvidas do Espírito Santo, atrás apenas da Microrregião Metropolitana.

O polo Rio Doce tem o segundo maior Produto Interno Bruto (PIB) entre as microrregiões, com o total de R$ 13,03 bilhões, correspondente a 10% do PIB estadual, de acordo com dados do Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN).

“Temos aqui uma das microrregiões do Estado mais desenvolvidas economicamente, e que tem se destacado como uma área muito dinâmica”, afirmou o diretor de Integração e Projetos Especiais do Instituto Pablo Lira.

Na composição do PIB, a atividade de serviços, que inclui também o comércio, lidera, com 44%. Mas a região vem se diversificando e atraindo cada vez mais investimentos na área industrial, que já representa 40% do PIB.

Nos últimos anos, empresas de grande porte nos setores portuário, petrolífero, construção naval e produção de combustíveis se instalaram na região, mudando a realidade local. Os anúncios de novos projetos, no entanto, não se esgotaram principalmente em Linhares, que tem recebido investimentos no setor de alimentos, por exemplo, em Aracruz, com obras importantes de revitalização nas indústrias e de edificação de terminais portuários. Alguns exemplos são a modernização da planta de celulose, da Suzano, e a construção do Porto da Imetame.

Perspectiva do Porto da Imetame em Aracruz
Aracruz, e sua inclusão na Sudene, deve atrair investimentos além dos projetos portuários. Crédito: Imetame/Divulgação

O diretor do IJSN aponta que os atrativos da região são os incentivos fiscais, com linhas de créditos mais baratas, oferecidas às empresas que querem investir, já que os municípios estão dentro da área da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene).

Os investimentos industriais não só dinamizaram o desenvolvimento econômico da região, como também trouxeram avanços para o bem-estar da população. Aracruz era a única da microrregião que não fazia parte da rede desses benefícios, mas uma mudança orquestrada pelo Congresso Nacional e já sancionada vai permitir que a cidade conte a partir de agora com as mesmas opções de financiamentos e também redução da carga tributária.

“A inclusão do município na área de atuação da Sudene veio para somar. Vamos poder fortalecer e modernizar as empresas que já estão aqui, através das linhas de créditos oferecidas, além de favorecer investimentos para a atração de serviços e empresas satélites. É uma dinâmica financeira muito positiva para a região”, pontua o secretário de Desenvolvimento de Aracruz, Eduardo Almeida.

O prefeito da cidade, Dr. Coutinho, vislumbra um futuro com maior geração de emprego e renda. 

Dr. Coutinho

Dr. Coutinho

Prefeito de Aracruz

"Aracruz tem grande potencial para atração de novos investimentos e, agora, com os estímulos provindos da Sudene, isso será potencializado. O município se firmará como a terra das oportunidades, melhorando, assim, a qualidade de vida da nossa população"

“ Essa grande chance dada ao nosso município não pode ser perdida na burocracia. A prefeitura deve ser sempre um facilitador para o empreendedor, com muita responsabilidade e atentos às questões que permeiam o crescimento sustentável da cidade”, disse o prefeito.

Pablo Lira aponta a microrregião do Rio Doce como um dos melhores exemplos do Estado do terceiro ciclo de desenvolvimento econômico, em que o crescimento e a diversificação industrial estão equilibrados com a melhoria social.

O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM), que mede a longevidade, escolaridade e renda da população, está entre alto e médio nos municípios que compõem a microrregião.

“Os números positivos são desdobramentos de uma expansão econômica que vem seguindo diretrizes sociais e ambientais. Diferentemente do que acontecia até os anos de 1990, com crescimento desenfreado da indústria no Estado. Hoje, as grandes empresas que estão na região, como o Estaleiro Jurong, Imetame, Suzano, precisam ter licenciamento ambiental, estar enquadradas em diretrizes para atividades potencialmente poluidoras e contratar 70% da mão de obra local”, aponta Lira.

Centro portuário

Estrategicamente localizado no centro portuário do Espírito Santo está o município de Aracruz. De acordo com Almeida, a cidade vem passando por uma constante evolução no seu setor produtivo.

“Nos últimos anos, tivemos o crescimento da Jurong, com o setor naval, a Imetame também na área portuária e metalmecânica, além da modernização da Suzano. Quadro que gera impacto em toda a região, já que esse desenvolvimento gera emprego e renda também para os municípios ao redor”, explica.

Entre os demais municípios da microrregião, Aracruz lidera os índices de emprego, educação, saúde e IDHM. Para Almeida, esse é um resultado de um esforço da gestão municipal, junto com o setor privado.

“Nós temos trabalhado junto com as empresas e a Associação Empresarial do município, para promover ações e fazer com que a economia gire em torno da própria região. Também temos parceria com o Sebrae para fortalecer e capacitar o setor do comércio, principalmente com os Microempreendedores Individuais (MEI)”, afirma.

REGIÃO PRECISA INVESTIR EM QUALIFICAÇÃO PARA CONECTAR PESSOAS ÀS OPORTUNIDADES

Se por um lado, a região Rio Doce se destaca pelas oportunidades de trabalho, por outro, carece de qualificação de mão de obra e investimentos em infraestrutura. Esses são os principais gargalos para os municípios se desenvolverem.

Cientes dessas dificuldades, o município de Aracruz traça estratégias. O secretário de Desenvolvimento da cidade, Eduardo Almeida, destaca ações que estão sendo realizadas para melhorar esses indicadores.

“A Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Aracruz já elaborou um programa de qualificação profissional para agregar valor à mão de obra local. Na parte de infraestrutura, estamos trabalhando no Anel Viário, que são dois contornos de Aracruz, para melhorar o acesso à BR 101 interligando a região portuária e facilitando a mobilidade urbana”, diz.

Linhares é outro município que vem se diversificando na sua produção e tem o papel de liderança econômica regional. Na cidade se desenvolvem setores que não têm uma relação direta com o litoral, como a indústria moveleira, o setor metalmecânico, além da agroindústria.

Ocimar Sfalsin

Membro do Conselho do Rio Doce

"É uma cidade [Linhares] estrategicamente localizada, cortada pela BR 101, que favorece escoamento da produção. Além de ser o município com a maior concentração de lagoas do Estado, o que é um atrativo"

Foi assim que Linhares conseguiu atrair para o seu território alguns dos mais importantes empreendimentos industriais instalados no Espírito Santo. O membro do Conselho Regional de Desenvolvimento Sustentável da Rio Doce, Ocimar Sfalsin, cita a Brandão Metalúrgica S/A (Brametal), a Perfilados Rio Doce, na área metalmecânica; e a Rima, no setor moveleiro. Houve também a implantação de agroindústrias, como a Ducoco e a Trop Fruit. Além do setor industrial, a agricultura é de extrema importância para a economia local.

Empresas produtoras e exportadoras de frutas se destacam pela sua participação significativa na economia e pela geração de emprego, e fazem de Linhares, hoje, o maior exportador brasileiro de mamão papaya, inclusive para os mercados consumidores internacionais. Apesar dos fatores econômicos positivos, a questão social ainda é um desafio. Uma questão que foi agravada com os impactos da pandemia da Covid-19.

Orgulho da Terra: produção de mamão papaia em Linhares
Plantação de mamão papaya, em Linhares. Município é o maior exportador brasileiro da fruta. Crédito: Álvaro Queiroz/TV Gazeta

“Dentro da microrregião Rio Doce, Linhares é o município mais populoso e concentra uma grande parte dessa população em áreas urbanas. Então, temos o desafio ainda maior de ter um equilíbrio entre o desenvolvimento econômico e social. Nós conseguimos manter números satisfatórios que estão acima da média do Estado, mas ainda há muito o que trabalhar”, observa o diretor do Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN), Pablo Lira.

Analisando o percentual de pobres e extremamente pobres por gênero, as mulheres são a maioria, segundo os dados do IJSN. Por isso, a gestão municipal atua para que as políticas públicas possam alcançar os grupos mais vulneráveis, explica Sfalsin.

“Para solucionar também o problema da falta de mão de obra qualificada, Linhares tem feito um trabalho de capacitação junto à Findes (Federação das Indústrias do Espírito Santo), para mulheres em situação de vulnerabilidade. Além de agregar valor para os profissionais locais, nós também damos dignidade financeira e uma oportunidade para essa pessoa se inserir no mercado de trabalho”, diz.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.