ASSINE

Vereadoras pedem inclusão de absorventes em cestas básicas distribuídas em Vitória

Uma a cada quatro mulheres no Brasil não tem acesso ao item de higiene básica, conforme levantamento. Para auxiliar mulheres em vulnerabilidade social, vereadoras Camila Valadão e Karla Coser fizeram uma indicação à Prefeitura de Vitória

Vitória
Publicado em 27/04/2021 às 10h54
Distribuição para meninas
Itens de higiene: vereadores querem inclusão de absorventes em cestas básicas distribuídas na cidade de Vitória. Crédito: Freepik

As vereadoras Camila Valadão (Psol) e Karla Coser (PT) enviaram, na última semana, uma indicação ao prefeito de Vitória, Lorenzo Pazolini (Republicanos), para que absorventes menstruais sejam incluídos em cestas básicas distribuídas pela prefeitura da Capital.

A sugestão visa garantir o acesso de mulheres e meninas a um item de higiene básico, mas que ainda é negado àquelas em situação de vulnerabilidade social.

O prefeito tem 30 dias para analisar a indicação. Cabe a ele decidir se vai adotar ou não a sugestão. 

A menstruação é um processo biológico que ocorre no corpo feminino todo mês. Apesar do desconforto natural e cólicas que podem existir durante o período, para a maioria das mulheres menstruar não é um problema.

Isso, contudo, é diferente para uma a cada quatro brasileiras que não tem acesso a um absorvente, de acordo com levantamento realizado pelo movimento Girl Up, da Fundação das Nações Unidas. São mulheres em situação de vulnerabilidade social, que vivem a chamada pobreza menstrual.

A pobreza menstrual é um fenômeno mundial que está relacionado à falta de recursos de meninas e mulheres para manter uma boa higiene no período da menstruação, seja por falta de dinheiro, infraestrutura ou saneamento básico. 

Essa situação, reconhecida pela ONU e movimentos no mundo todo, se agravou ainda mais durante a pandemia de Covid-19, com muitas mulheres saindo do mercado de trabalho e perdendo renda. Dados da Girl Up mostram ainda que 23% das brasileiras não têm dinheiro para comprar um absorvente.

INDICAÇÃO À PREFEITURA

Desde o ano passado, existe uma lei municipal, de autoria do ex-vereador Roberto Martins (Rede), que obriga a Prefeitura de Vitória a oferecer absorventes a estudantes nas escolas. Contudo, com as unidades fechadas por causa da pandemia, esses itens não estão sendo fornecidos. 

Para permitir o acesso de meninas e mulheres aos absorventes na Capital, as vereadoras Camila Valadão e Karla Coser enviaram uma indicação à Prefeitura de Vitória para que esse item de higiene seja distribuído junto com as cestas básicas que estão sendo entregues às famílias em vulnerabilidade social. 

Karla Coser

Vereadora de Vitória

"Nem todas usam absorvente. Se usam, têm dificuldade financeira para comprar. Por isso é importante a gente ter esse olhar e fazer o recorte de gênero"

"Quando está faltando tudo na casa de uma família, alimento, roupa, o absorvente se torna uma superficialidade. Então, incluir esse item nas cestas básicas vem dentro da mesma lógica do sabonete e do desodorante, de garantir higiene e condições de saúde para as mulheres", afirma Karla Coser.

"Embora pareça algo simples, muitas mulheres não têm condições econômicas de adquirir um absorvente e acabam utilizando materiais como substitutos inadequados, que podem ter impactos na saúde. Tem mulheres que usam pedaço de pano, papel higiênico, jornal. Essa é uma realidade da vida de muitas mulheres, principalmente das mulheres pobres", complementa Camila Valadão, que afirma que é dever do poder público garantir o direito à saúde à população. 

Camila Valadão

Vereadora de Vitória

"A higiene menstrual é uma questão de saúde pública. Então, é um direito da mulher a utilização de absorventes. Isso precisa ser garantido pelo poder público, não só, mas, principalmente, neste momento da pandemia"

AÇÕES EM OUTROS LUGARES

Algumas ações que visam o combate à pobreza menstrual têm sido implementadas no Brasil. No Rio de Janeiro, por exemplo, a Assembleia Legislativa aprovou, em 2020, um projeto que reduziu impostos sobre os absorventes.

Já no Distrito Federal, desde o início do ano existe uma lei que determina a entrega do produto de higiene pessoal a mulheres e adolescentes de baixa renda nas unidades de saúde e escolas da rede pública. 

O QUE DIZ A PREFEITURA

A Prefeitura de Vitória foi procurada pela reportagem e questionada se pretendia atender à indicação das vereadoras. Até a publicação deste texto, não houve manifestação sobre o assunto. 

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.