ASSINE

Funcionários de empresa capixaba produzem máscaras para hospitais do ES

Trabalhadores do Grupo Águia Branca estão  produzindo máscaras de acetato, feitas em impressoras 3d, que serão doadas para a Santa Casa de Misericórdia, Hospital Infantil e UPA de Castelândia

Publicado em 02/04/2020 às 18h38
Atualizado em 03/04/2020 às 14h23
Máscaras de acetato que serão doadas para hospitais
Máscaras de acetato que serão doadas para hospitais. Crédito: Divulgação

Um grupo de funcionários do Grupo Águia Branca está produzindo máscaras de acetato que serão doadas para os hospitais Santa Santa de Misericórdia de Vitória, Hospital Infantil e UPA de Castelândia. A confecção está sob responsabilidade das impressoras 3d do Grupo e a produção teve início na segunda-feira (30 de merçao). O que for feito será doado a hospitais da Grande Vitória.

A ideia do projeto nasceu no último final de semana e quem está à frente da movimentação são o Gerente de Inteligência de Negócios Digitais, Jadson Picoretti Lovati, e o supervisor de suporte, Rafael Nascimento Efgen. Porém, para dar conta da demanda já gerada – as três impressoras 3d estão rodando das 7 às 23 horas, o que possibilita uma produção diária de 48 máscaras  –, eles estão contando com a mão de obra do time interno composto de 8 funcionários, todos voluntários. 

A primeira remessa, de 50 máscaras, ficou pronta nesta quarta (1), e nos próximos dias serão entregues mais 250, totalizando 300, que é o objetivo inicial da iniciativa. Os escudos não substituem as máscaras, mas são a primeira camada de proteção para os profissionais de saúde. A peça é uma barreira física transparente entre o paciente e o médico ou enfermeiro, podendo ser higienizada e reutilizada. 

Máscaras de acetato que sendo produzidas
Máscaras de acetato que sendo produzidas. Crédito: Divulgação

“Estamos conectados a um grupo de pessoas no Estado, que tem representantes de empresas como Vale e Findes e que também estão trabalhando na mesma iniciativa, e trocamos informações sobre os melhores projetos para serem impressos. Nós nos baseamos em um projeto disponibilizado pela Prusa, um grande nome na área de 3d no mundo”, explica Lovati.

Na opinião do diretor de Tecnologia e Inovação do Grupo, Janc Lage, essa rede colaborativa denota o senso de engajamento das pessoas que vestem a camisa do Grupo. “Num momento de isolamento social, com cada um trabalhando num lugar, ver este projeto acontecer é muito gratificante. Mostra o quanto nosso time tem senso de pertencimento, empatia e compromisso. E, sobretudo, que todos podemos pensar em formas de contribuir para amenizar o colapso na saúde ou em demandas sociais que se apresentem soluções em momentos de crise”.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.