ASSINE

Afinal, a primeira impressão é a que fica?

Segundo a psicóloga Adriana Müller, o primeiro olhar de alguém é instantâneo e sim, pode marcar os relacionamentos. Para mudar esse julgamento é preciso tempo e esforço, mas é possível

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 11/02/2021 às 17h12
O que as pessoas pensam quando se encontram pela primeira vez?
O que as pessoas pensam quando se encontram pela primeira vez?. Crédito: Pixabay

Um esbarrão na fila do banco ou uma conversa no pé do ouvido na balada: aquele primeiro olhar, independentemente da ocasião em que ocorre, gera uma primeira impressão. O primeiro contato é decisivo, segundo a psicóloga Adriana Müller. Em poucos segundos a pessoa é julgada. O sorriso, as palavras e até a forma como se veste. São necessários tempo e esforço para que duas pessoas ou mais se conheçam, deixando de lado julgamentos prévios. Mas afinal, a primeira impressão é a que fica?

A psicóloga e comentarista da Rádio CBN Vitória diz que a primeira impressão é algo que acontece de maneira instantânea e que qualquer ação, mesmo que sem intenção, como um esbarrão ou tropeço, pode gerar um efeito negativo.

Adriana Müller

Psicóloga

"A primeira impressão é muito rápida e envolve todos os nossos sentidos. Funciona como se o corpo todo agisse para captar informações quando você está diante de outra pessoa. O corpo regula se você 'vai com a cara da pessoa', se o 'santo vai bater', ele determina como será o convívio"

Segundo Adriana Müller, apesar de rápida, a nossa primeira impressão sobre o outro sofre com a influência do nosso próprio comportamento, o que carregamos até aquele momento.

"A primeira impressão está baseada em critérios sociais e culturais. Existe uma expectativa sobre como a pessoa irá agir, falar, se comportar. Isso acontece em função do que você já viveu até aqui", comenta.

É como uma entrevista de emprego, cita a psicóloga, onde o empregador espera encontrar alguém de determinado perfil. Por outro lado, o candidato à vaga esperar ser o que o chefe procura.

Neste momento, surpresas podem ocorrer, mas para o convencimento do outro sobre alguma característica que você tem, é necessário tempo.

Em entrevista ao jornalista Lucas Valadão, durante o quadro CBN e a Família, Adriana Müller explica que os dois primeiros segundos são importantes, mas que é preciso pensar em como reverter ou consolidar uma primeira impressão no restante do tempo.

Se falou alguma bobagem ou se envolveu em algum mal-entendido naquele primeiro momento, como mudar esse panorama?

Para a especialista, sim, a primeira impressão é a que fica. Mas não se engane, a opinião de outra pessoa sobre você pode virar de ponta-cabeça.

Adriana Müller

Psicóloga

"A primeira impressão pode ser revertida, mas pra isso é preciso reencontrar a pessoa, ter um espaço de reconstrução dessa imagem. De qualquer forma, dá mais trabalho, por isso a importância da primeira impressão"

Adriana Müller ressalta que de todas as características julgadas, a mais importante é o sorriso: "Ele é o que causa reação mais positiva e imediata. Quando chega alguém sorrindo, isso gera empatia". Ou seja, espalhe belos sorrisos por aí!

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais
cbn vitoria Comportamento Psicologia Adriana Müller

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.