Pessoas felizes postam mais nas redes sociais?

Ao quadro CBN e a Família, a psicóloga Adriana Müller ressalta que compartilhar é uma "forma de convidar" alguém para participar de algum momento

Publicado em 02/02/2021 às 19h34
celular, telefone móvel
O humor altera o comportamento nas redes sociais?. Crédito: Pixabay

Os aparelhos eletrônicos tomam cada vez mais o tempo e a atenção das pessoas. Com linguagens específicas, cada rede social se comporta de maneira diferente, ocupando a rotina dos usuários. Algumas chegam até a criar as próprias tradições, como aquela de publicar uma foto antiga em um dia da semana, o famoso TBT, em inglês, Throwback Thursday, uma quinta-feira de retorno. Mas, afinal, o comportamento dos usuários na internet possui alguma relação com o humor diário das pessoas? Pessoas felizes, mais extrovertidas, postam mais nas redes sociais?

Fato é que ficar fora das redes sociais, principalmente durante a pandemia do novo coronavírus, pode mexer com as relações. Para conter o avanço da Covid-19, muitas pessoas adotaram o trabalho e o ensino remoto, sendo possível, apenas, o contato por ligações de áudio e vídeo.

Em entrevista ao jornalista Lucas Valadão, da Rádio CBN Vitória, a psicóloga Adriana Müller lembra que o ato de registrar momentos não é uma mania recente. Essa criação, hoje mais acessível, está disponível há um bom tempo, mas com ferramentas diferentes.

"A ação de registrar o momento acontece há séculos. Antes de surgir máquina fotográfica já existiam pinturas, como a gente pode acompanhar hoje em museus. A semelhança é que sempre há a proposta de registrar algo. Agora, é claro, ficou mais fácil guardar e divulgar as fotos. O que antes ficava apenas nos álbuns de família agora ganha mais visibilidade", diz.

Ao quadro CBN e a Família desta terça-feira (2), Adriana ressalta que compartilhar é uma "forma de convidar" alguém para participar de algum momento. "O compartilhamento faz parte das relações humanas, é um desenvolvimento de habilidades relacionais", completa.

Mulheres fazendo selfie com o celular
Selfie é uma das formas para mostrar o que acontece no momento. Crédito: shutterstock

Apesar de o compartilhamento representar uma ação positiva, a ausência de publicações não diz sobre sua felicidade, segundo a psicóloga. Para a comentarista da Rádio CBN Vitória, é preciso reconhecer que algumas pessoas são mais reservadas e não postam, o que não define o grau de felicidade.

Ela ainda faz um alerta: postagens em redes sociais são recortes. Nem tudo que se vê faz realmente parte da realidade das pessoas.

Adriana Müller

Psicóloga

"Quando se vê uma postagem, precisamos entender que aquele é apenas um recorte da realidade. Há o antes e o depois do registro, Isso não está presente ali"

Por outro lado, há também um aviso: os que publicam com mais frequência e de maneira indevida, segundo ela, sofrem variações no humor justamente por causa das redes sociais.

"Ao compartilhar nossas melhores imagens, ficamos esperando aprovação ou reconhecimento das pessoas. Isso dá uma sensação de bem-estar, reforça o senso de competência. Talvez a foto não gere tanta empolgação, o que não pode nos afetar. Se ninguém curtiu, não significa que ninguém te ama. Não podemos depender disso", afirma.

E COMO FUNCIONA ENTRE OS CASAIS?

Adriana Müller lembra que duas pessoas diferentes podem ter comportamentos diferentes nas redes sociais. Uma ser mais reservada e a outra mais acostumada a se expor. Dessa forma, ela diz que é preciso achar um consenso, um cenário que fique confortável para ambos.

cbn cotidiano cbn vitoria Comportamento Adriana Müller

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.