Surpresa de outubro dos EUA em Taiwan e reunião no Japão preocupam China

Estados Unidos farão uma demonstração de força nesta semana contra a China que está causando preocupação nos meios diplomáticos de Pequim

Publicado em 03/10/2020 às 13h03
Presidente dos Estados Unidos Donald Trump
Presidente dos Estados Unidos Donald Trump. Crédito: Official White House Photo by Andrea Hanks

Os Estados Unidos farão uma demonstração de força nesta semana contra a China que está causando preocupação nos meios diplomáticos de Pequim.

Na terça (6), o secretário de Estado e principal proponente da Guerra Fria 2.0 de Donald Trump contra os chineses, Mike Pompeo, chega a Tóquio.

Ele irá se reunir com os chanceleres do Japão, Austrália e Índia na mais importante reunião do chamado Quad desde sua refundação, em novembro de 2017.

O Quad é abreviação inglesa de Diálogo de Segurança Quadrilateral. Basta apontar seus integrantes no mapa para entender que é uma frente anti-China, cercando todas as saídas para o mar da grande nação continental.

Eles irão discutir a integração da Austrália nos exercícios navais anuais do grupo, em novembro. Mas isso é só um dos incômodos para a ditadura comunista.

"E se ele [Pompeo] for louco e der uma parada depois em Taiwan?", questionou o influente analista chinês Xiang Langxin, do Instituto de Estudos Internacionais e de Desenvolvimento, de Genebra.

Em um webinário da Fundação Fernando Henrique Cardoso (disponível no YouTube), na quinta (1º), ele citou a hipótese como algo que "apavora os militares chineses" devido ao momento.

A eleição americana é em novembro, e Trump está atrás de Joe Biden nas pesquisas. Analistas adoram especular sobre a "surpresa de outubro" que tradicionalmente visa influenciar o resultado do pleito.

Com o diagnóstico de infecção pelo novo coronavírus de Trump, 74, o cenário fica ainda mais nebuloso.

"A China vai morder a isca", disse, se tal afronta diplomática, aos olhos de Pequim, acontecer. Xiang tem bastante trânsito nos meios diplomáticos e militares chineses.

Há precedentes. Desde agosto, os americanos já enviaram seu secretário de Saúde e um dos adjuntos de Pompeo à ilha que a China considera uma província rebelde.

Nas duas ocasiões, a China fez ameaças militares diretas a Taiwan, exercitando navios no estreito entre os dois territórios e enviando aviões rumo ao espaço aéreo de Taipé. Sistemas antiaéreos e caças da ilha foram acionados.

O problema para Pequim é a hipótese de Pompeo ser a mais alta autoridade a pisar na ilha desde que os EUA e a China estabeleceram relações diplomáticas, em 1979.

A partir daquele ano, os EUA pararam de reconhecer Taiwan como independente de direito, mas mantêm a relação de fato e são o principal parceiro militar da ilha.

Para Xiang, uma reação das Forças Armadas chinesas seria inevitável, e sempre pode haver uma escalada.

Ele já concorda com a avaliação corrente de que a disputa sobre o mar do Sul da China, que Pequim considera 85% seu território e os EUA reconhecem como área livre, trazia riscos "muito perigosos" de um conflito acidental.

Até aqui, Taiwan era visto como um teatro de confronto improvável, porque poderia opor diretamente Washington a Pequim.

Mas os gestos de Trump com seus enviados à ilha mostram que um embate pode ocorrer. Xiang crê que uma invasão chinesa da ilha, embora não impossível, só ocorreria se ela se declarasse independente.

Mesmo se nada disso ocorrer, a reunião do Quad já é espinhosa para a China. O grupo foi criado em 2007, mas dissolveu-se na prática um ano depois com a saída da Austrália.

Com a chegada de Trump ao poder, em 2017, foi refeito e revigorado. Agora, deixou de ser um encontro protocolar de segundo escalão e fará uma cúpula de chanceleres.

Muita coisa mudou ante a antiga encarnação do Quad, além da beligerância de Trump. A Austrália tinha receio de confrontar a China, até por questões comerciais. Agora, reforça seu poder aeronaval e adota retórica de confronto.

A Índia, parceira da China no grupo Brics, também se afastou de Pequim e aproximou-se dos EUA.

Neste ano, os dois países protagonizam um tenso impasse na área de fronteira que disputam no Himalaia --que gerou um embate com dezenas de mortos em junho e ainda está inconcluso.

O Japão vem se rearmando. Esse será o primeiro grande evento político no país após a renúncia de Shinzo Abe, o premiê que definiu uma política mais agressiva do arquipélago.

Mas os nipônicos mordem e assopram. Neste mês, o chanceler chinês, Wang Yi, também visitará Tóquio. Em entrevista recente, ele qualificou o Quad de "ideia para agarrar umas manchetes".

Na visão de Xiang, a China vê este outubro como o zênite das tensões do ano.

Que não são poucas, além das já citadas: guerra comercial e disputa tecnológica, diferenças sobre a repressão em Hong Kong e o manejo do coronavírus, fechamento de consulados.

Passada a eleição, acredita, as coisas podem se acalmar, seja Biden ou Trump o vencedor. No caso do republicano, ele diz que o problema são os "falcões" de sua equipe. Pompeo é o homem que diz que o mundo tem de escolher entre chineses e americanos.

"Trump não quer saber de ideologia, mas Pompeo se aproveita de um presidente idiossincrático", afirmou.

Se além disso o secretário de Estado também será "louco", como definiu Xiang, deve ficar claro nesta semana.

Donald Trump Estados Unidos China estados unidos Política Mundo

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.