ASSINE

Carro que virou símbolo da força da chuva no ES aparece depenado

Dono de veículo que ficou preso na margem do rio, após ser levado pela água, encontrou o carro sem rodas, bateria, rádio e outras peças

Publicado em 24/01/2020 às 10h23
Atualizado em 24/01/2020 às 11h07
Carro levado por enchente tem peças roubadas. Crédito: Dirceu Mozer
Carro levado por enchente tem peças roubadas. Crédito: Dirceu Mozer

Na noite em que as fortes chuvas devastaram a cidade de Iconha, o motorista Dirceu Mozer teve o carro levado pela enchente. Na manhã do dia seguinte encontrou o veículo preso em tronco às margens do rio, mas teve que esperar o nível da água diminuir na região para resgatá-lo. Quando finalmente retornou ao local, na última terça-feira (22), descobriu que ele havia sido depenado: levaram as rodas, bateria, o rádio e outras peças.

Uma situação que deixou Mozer revoltado. "Meu prejuízo já era grande em decorrência da enchente, mas aumentou com a falta de compreensão e de solidariedade de algumas pessoas. É revoltante. Nem sei quando vou ter dinheiro para consertar o carro", relatou.

O veículo, um gol vermelho pendurado na beira do rio, foi registrado em vídeos feitos pelo advogado Magno Martins, que percorreu o Rio Iconha na manhã de sábado. Uma imagem que retratava a força da enchente que atingiu a cidade. Para retirá-lo do local Mozer precisou conseguir quatro rodas para que o carro fosse arrastado até o asfalto, onde o guincho pode trazer o veículo para a cidade.

O dano, que ele estima em pelo menos R$ 10 mil, vem três meses após terminar de pagar a última parcela do financiamento de 5 anos "Mas dei sorte de estar vivo, pelo menos o dano foi só ao carro", desabafa.

Carro ficou pendurado na beira do rio após chuvas que atingiram Iconha. Crédito: Magno Martins
Carro ficou pendurado na beira do rio após chuvas que atingiram Iconha. Crédito: Magno Martins

Mozer conta que na noite da enchente, na última sexta-feira (17), tinha ido ao centro de Iconha socorrer as duas irmãs, cujas casas estavam sendo inundadas. Estacionou o carro na rua principal e, quando retornou, já tinha um metro de água na rua. Tentou empurrar o veículo, que já boiava, para um canto, mas ele acabou sendo arrastado.

O motorista subiu no terraço de uma loja e lá ficou até 1 hora da manhã de sábado. "Foi quando decidi que tinha que ir para casa, estava preocupado com minha esposa, que não sabia onde eu estava", conta. Ele enfrentou o caminho de volta, para o bairro Ilha do Coco, a cerca de um quilômetro do Centro , nadando. "A correnteza era forte, levava carros, motos e o que encontrava, mas consegui chegar em casa salvo", relata.

Carro foi arrastado pela força da chuva. Crédito: Magno Martins
Carro foi arrastado pela força da chuva. Crédito: Magno Martins

Naquela noite as moradias de suas irmãs foram invadidas pela água, que atingiu até a casa do segundo andar. "Elas, com os maridos e filhos, incluíndo um bebê, passaram a noite no terraço, "Tentamos salvar os móveis da casa térrea, levando para a casa do segundo andar, mas a água subiu ainda mais. Elas perderam tudo", conta Mozer.

O mesmo aconteceu com o patrão dele, proprietário de uma loja de material de construção. "Nem sei se ainda tenho emprego", lamenta o motorista.

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.