"Vão ter que esperar até o dia 26", diz Meneguelli sobre adversários

Prefeito de Colatina afirmou que a decisão sobre disputar ou não a eleição já está tomada, mas vai deixar para anunciá-la no último dia de pedidos de registro de candidatura

Publicado em 05/09/2020 às 15h23
Sérgio Meneguelli (Republicanos)
Sérgio Meneguelli (Republicanos) disse que já tomou a decisão sobre candidatura este ano. Crédito: João Henrique Castro

O destino do atual prefeito de Colatina, Sérgio Meneguelli (Republicanos), nas eleições municipais de novembro vai continuar um mistério para a população até o prazo final para pedido de registro de candidatos na Justiça Eleitoral, no dia 26 de setembro. A decisão que, segundo o prefeito, já está tomada, não vai ser anunciada tão cedo. "Não estou indeciso. Se eu vou ou não ser candidato, eu já sei. Mas não é hora de dar essa resposta", afirmou.

"Eles [adversários] vão ter que esperar até o dia 26", alfinetou.

Três pessoas próximas ao prefeito já foram comunicadas sobre a decisão, segundo Meneguelli, mas guardam o segredo a sete chaves. A presença ou não do atual chefe do Executivo na disputa pode reorganizar as alianças que vêm sendo desenhadas em Colatina, como a encabeçada por três lideranças tradicionais na política da cidade: o secretário estadual de Agricultura, Paulo Foletto (PSB), o deputado federal Josias da Vitória (Cidadania) e o deputado estadual Renzo Vasconcelos (PP).

Os três lançaram pré-candidatos no município, mas não negam que têm se movimentado em torno de um candidato forte, que poderia enfrentar Meneguelli nas urnas. O "nome forte", no entanto, também não foi definido. 

Há quem avalie que a união das forças de oposição pode pressionar o atual prefeito a não disputar a reeleição e que, depois, as siglas romperiam a aliança para lançar seus próprios candidatos. Mas Meneguelli descarta qualquer impacto na candidatura dele. 

Sérgio Meneguelli (Republicanos)

Prefeito de Colatina

"De forma alguma isso me amedronta. Acho imaturo e incoerente falarem isso. Tentaram se juntar na última eleição e isso não me impediu de ser candidato"

Sem citar nomes, o prefeito afirma, inclusive, que foi procurado por algumas lideranças em busca de alianças. "Três dos cinco principais pré-candidatos a prefeito de Colatina já me procuraram pra conversar, dizendo que queriam caminhar do meu lado. Que poderiam abrir mão das candidaturas para serem meu vice", conta.

Sérgio Meneguelli (Republicanos)

Prefeito de Colatina

"Não é que eu não seja bom de articulações como alguns falam, eu só não gosto de fazer alianças com quem vem com comboio atrás"

SER OU NÃO SER CANDIDATO

Algumas razões podem ter ajudado o prefeito a decidir sobre uma eventual reeleição, entre elas, quem pretende disputar o pleito esse ano."Eu pedi muita sabedoria a Deus para tomar essa decisão, vendo quem quer assumir a Prefeitura de Colatina. Eu tenho que pensar no projeto político da cidade, que precisa ser maior que o meu projeto pessoal", afirmou.

Por enquanto, ele não entrega se estará à frente desse projeto político no município. "Não vou dizer agora por uma questão democrática. Não se pode parar em torno de um nome, é preciso mostrar propostas pra governar uma cidade. Mas adianto que estou dormindo tranquilo, convicto que tomei a decisão certa", reforçou.

Independentemente do nome de Meneguelli, dirigentes do Republicanos afirmam que o partido terá um candidato a prefeito em Colatina. Uma candidatura será apresentada durante convenção da sigla, marcada para o dia 13 de setembro. "Hoje, o Republicanos não tem dificuldade de lançar candidato em Colatina. O nosso vice já está definido e vamos ter um candidato a prefeito. Já falei com o partido pra ter um plano B, comigo candidato ou não", declarou o prefeito.

Meneguelli não descarta que o nome dele não seja o apresentado pelo partido no dia da convenção e que ele venha a substituir essa candidatura posteriormente, até o registro na Justiça Eleitoral. O contrário também pode acontecer. "O prazo para eu anunciar minha decisão é até o dia 26 de setembro. Eu posso ser lançado na convenção e desistir, ou lançarem outro candidato e eu substituí-lo. Isso tudo é democrático. O que não pode é fazer com que alguém que não quer ser candidato seja", afirmou.

A substituição de uma candidatura por outra é permitida pela Justiça Eleitoral. Nesse caso, é preciso que o candidato desista e o partido possua um representante que queira assumir. Como o nome não havia sido aprovado anteriormente em convenção, é realizada uma reunião com o partido e coligações (para aqueles que possuem) para confirmar o novo candidato e oficializar por meio de ata. 

Pelo jeito, a candidatura ou não candidatura do atual prefeito, apesar de já ter sido definida por ele, só virá a público no prazo final, movimentando as articulações em Colatina. 

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.