ASSINE

Rio Novo do Sul elege única vereadora trans no ES em 2020

A pecuarista Lari Camponesa (Republicanos) vai ocupar uma das nove cadeiras de vereadores na Câmara a partir de 2021. Ela é a primeira trans eleita na cidade

Vitória
Publicado em 17/11/2020 às 21h43
Transexual eleita vereadora em 2020
Lari Camponesa (Republicanos) é a primeira transexual a ocupar o cargo de vereadora em Rio Novo do Sul e a única eleita no Espírito Santo em 2020. Crédito: Reprodução/Redes Sociais

Em uma eleição histórica para minorias sexuais, com recorde de pessoas transgêneras eleitas em todo o país, a pecuarista Lari Camponesa (Republicanos) vai ser a primeira trans a ocupar uma cadeira na Câmara Municipal de Rio Novo do Sul, no Sul do Espírito Santo. Com 266 votos, ela é um dos nove nomes escolhidos pela população para exercer a vereança na cidade, a partir de 2021.

"Acredito que as pessoas, principalmente os LGBTs, viram em mim uma pessoa para brigar pelos direitos deles, para representá-los. E eu vou fazer isso com muito orgulho", declara.

Em todo o país, pelo menos 25 transexuais e travestis se elegeram para o cargo de vereador, de acordo com a Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra). Entre elas estão Duda Salabert (PDT), vereadora mais votada em Belo Horizonte, e Erika Hilton (PSOL), em São Paulo. Na capital paulista, no total quatro transexuais vão compor a Casa. 

Em todo o Espírito Santo, Lari foi a única eleita. 

Esse resultado é bem superior ao do último pleito, quando oito transexuais foram eleitas no Brasil. Uma pessoa transexual ou transgênero é aquela que não se identifica com o sexo biológico com o qual nasceu.

Aos 25 anos, Lari chega à Câmara de Rio Novo do Sul quase três décadas depois de a primeira transexual ter sido eleita vereadora no Brasil, no Piauí. Rio Novo tem 11.626 moradores, de acordo com estimativa do IBGE.

No Espírito Santo, a pioneira foi Moa Sélia, que se elegeu vereadora em Nova Venécia, no Norte do Estado, em 2004. Moa exerceu três mandatos e foi a primeira mulher trans a presidir uma casa legislativa no país. Ela morreu em 2017.

Moradora da área rural do município, Lari é formada em biomedicina, mas trabalha como pecuarista. Ela conta que os problemas enfrentados pela população no campo a levaram a tentar um cargo eletivo.

"A gente fica abandonada na área rural. Não tem acesso, comunicação, projetos para melhorar a situação de quem vive aqui. Quero poder cobrar mudanças para a vida no campo", afirma a jovem, que concorreu a um cargo eletivo pela primeira vez.

Ser eleita vereadora foi, segundo Lari, a segunda maior barreira derrubada por ela. A primeira foi há oito anos, quando se reconheceu uma mulher transexual. Na época, contou com o apoio dos pais, que sempre estiveram ao lado dela, inclusive lidando com o preconceito e incentivando sua candidatura.

"É difícil ter coragem para se expor dessa forma e ser candidata. Mas minha família sempre abraçou a minha causa. Meu pai, principalmente, me apoiou muito, ele acreditava que eu seria eleita", declara.

Lari Camponesa (Republicanos)

Vereadora eleita 

"As pessoas aqui são muito simples e às vezes não sabem o que é uma pessoa transexual. Tenho o desafio de levar esse conhecimento a elas"

A pecuarista vai ocupar uma das nove cadeiras da Câmara de Rio Novo do Sul, uma cidade predominantemente rural, católica e, segundo ela, ainda muito preconceituosa. Lari acredita que o mandato não será fácil, mas diz que vai exercer com humildade e defendendo as minorias.

"Eu tenho uma opinião bem forte, eles vão ter que me respeitar. Não é porque eu vou ser minoria que não terei voz. Vai ser desafiador, mas estou confiante e muito feliz", finaliza. 

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.