ASSINE

Coronavírus: TRE suspende eleição suplementar em Conceição da Barra

O pleito estava marcado para o dia 21 de junho e escolheria prefeito que ficaria no cargo por menos de seis meses. Eleito em 2016 foi cassado e presidente da Câmara segue à frente da prefeitura

Publicado em 13/05/2020 às 20h39
Atualizado em 13/05/2020 às 20h39
Prefeitura de Conceição da Barra
Prefeitura de Conceição da Barra: cidade é comandada interinamente pelo presidente da Câmara. Crédito: Prefeitura de Conceição da Barra

O Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo (TRE-ES) suspendeu, por unanimidade, na sessão desta quarta-feira (13), a eleição suplementar em Conceição da Barra, Norte do Estado. O pleito estava marcado para  o dia 21 de junho e apontaria os novos prefeito e vice do município, que ficariam nos cargos por menos de seis meses.

O presidente do TRE-ES, desembargador Samuel Meira Brasil Júnior, justificou a decisão apontando riscos para políticos, servidores do Tribunal  e população local  devido à realização de um pleito suplementar em meio à pandemia de do novo coronavírus. Não foi definida uma nova data.

"Como a pandemia não recuou como esperávamos, seria muito arriscado continuar com a eleição em Conceição da Barra", afirmou o desembargador durante a sessão, que foi realizada de maneira virtual.

De acordo com o calendário anteriormente aprovado, os partidos teriam até sábado (16) para realizar convenções, reuniões partidárias em que são definidos os candidatos. E a campanha começaria no próximo dia 21. O Painel Covid-19, do governo do Estado, registra que o município tem um caso confirmado da doença.

A eleição municipal de outubro, prevista para ocorrer em todas as cidades do país, inclusive Conceição da Barra, está, ao menos por enquanto, mantida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). É quando serão escolhidos os prefeitos que vão assumir em 1º de janeiro de 2021.

TRE-ES - Sessão de Julgamento - 13/05/2020
Sessão virtual do TRE-ES: decisão foi de adiar a eleição devido aos riscos em meio à pandemia do novo coronavírus. Crédito: Reprodução/ TRE-ES

A cidade é comandada interinamente pelo presidente da Câmara, Walyson Santos Vasconcelos, também conhecido como Mateusinho do Povão. Foi a partir de um pedido do partido dele, o PTB, que o TRE decidiu pela suspensão da eleição suplementar.

Mateusinho assumiu o lugar de Francisco Bernhard Vervloet (PSB), o Chicão. O então prefeito e o vice, Jonias Dionisio Santos (Pros), foram cassados pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-ES) em setembro do ano passado, e afastados definitivamente do cargo no início do mês de março.

A CASSAÇÃO DO PREFEITO

 O TRE entendeu que o prefeito Chicão, quando era secretário de Assistência Social do município, incorreu em uma conduta proibida em pleno ano eleitoral, em 2016. Ele esteve à frente de um programa social que oferecia cursos profissionalizantes gratuitos à população.

O Ministério Público narrou que o programa foi lançado apenas em abril daquele ano, sem execução orçamentária iniciada no ano anterior e sem autorização da Câmara Municipal. Essas são exigências da lei eleitoral em período de disputa.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.