ASSINE

Assembleia arquiva caso de deputado do ES que ofereceu R$ 10 mil por assassinato

Capitão Assumção (PSL) afirmou em discurso na Casa que daria dinheiro para quem matasse o suspeito de assassinar jovem de Cariacica. Procuradoria pediu análise da Corregedoria sobre o caso, e relator deu parecer pelo arquivamento

Publicado em 21/02/2020 às 12h38
Atualizado em 21/02/2020 às 16h16
Capitão Assumção durante sessão na Assembleia Legislativa do Estado. Crédito: Tati Beling|Ales
Capitão Assumção durante sessão na Assembleia Legislativa do Estado. Crédito: Tati Beling|Ales

A Corregedoria da Assembleia Legislativa do Espírito Santo arquivou a apuração de uma suposta quebra de decoro por parte do deputado estadual Capitão Assunção (PSL). O parlamentar ofereceu, em setembro de 2019, uma recompensa de R$ 10 mil para quem matasse e apresentasse o cadáver de um acusado de homicídio, durante um discurso em plenário.

Relator do caso, Euclério Sampaio (DEM) deu parecer favorável pelo arquivamento. Os demais deputados da comissão formada para esta apurar a conduta do deputado, o corregedor da Casa, deputado Hudson Leal (Republicanos), e os deputados Rafael Favatto (Patriota) e Torino Marques (PSL) votaram pelo acolhimento do relatório. Assumção também estava presente na reunião, que aconteceu a portas fechadas na Corregedoria.

"Prevaleceu a Justiça, falei o que a sociedade pensa e não me arrependo. Se calam a voz de um parlamentar, calam a voz de todos os outros deputados", disse Assumção ao deixar a sala.

No início deste mês, o parlamentar fez uma publicação no Instagram defendendo o Ato Institucional 5 (AI-5), decretado durante a ditadura militar, que resultou no fechamento do Congresso Nacional e de todas as Assembleias Legislativas dos Estados. 

ANÁLISE DO CASO ASSUMÇÃO

O pedido de análise foi feito pela própria Procuradoria-Geral da Casa. O artigo 294 do Regimento Interno da Assembleia diz que discursos que "contenham incitação à prática de crimes" são considerados "atentatórios contra o decoro parlamentar".

Segundo o regimento interno da Casa, a quebra de decoro pode resultar em advertência (verbalmente), censura (por escrito), suspensão do mandato (por até 30 dias) ou a perda do mandato. Para a suspensão ou perda do mandato, o caso ainda seria levado para votação no plenário da Assembleia. 

O relator, no entanto, se baseou na imunidade parlamentar.  "A Constituição é clara quanto a imunidade parlamentar, apesar de eu reconhecer que a conduta do Assumção, oferecer vantagem e recompensa para o cometimento de crime, é tipificada no Código Penal. Sei do sofrimento do nosso povo, portanto sou capaz de entender a fala de Assumção, feita, provavelmente, em um momento de revolta em face ao bárbaro crime praticado contra uma cariaciquense", disse Euclério Sampaio, em seu relatório.

Regimento da Assembleia prevê advertência, suspensão e perda de mandato para casos de quebra de decoro. Crédito:  Tati Beling/Ales
Regimento da Assembleia prevê advertência, suspensão e perda de mandato para casos de quebra de decoro. Crédito: Tati Beling/Ales

ASSUMÇÃO AINDA É INVESTIGADO PELO MPES

Livre de punição na Assembleia, o deputado Capitão Assumção (PSL) ainda pode ser denunciado pelo Ministério Público do Espírito Santo (MPES). Em outubro, o órgão abriu uma investigação de ofício para analisar a conduta do parlamentar. A declaração do deputado aconteceu após a morte da jovem Maiara Costa, em Cariacica.

"Tenho R$ 10 mil aqui do meu bolso para quem mandar matar esse vagabundo, isso não merece estar vivo não. Eu tiro do meu bolso quem matar esse vagabundo aí. Não vale dar onde ele tá localizado não, tem que entregar o cara morto, aí eu pago", disse o deputado em plenário. 

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-ES) se pronunciou na época, por conta do caso. A diretora de Direitos Humanos da entidade, Flávia Brandão, considerou a posição um grave retrocesso. Em nota, a entidade considerou que não há dúvidas que a afirmação do deputado estimula a prática da "justiça com as próprias mãos".

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.