ASSINE

Suspeitos de tráfico e de cobrar taxa de trabalhadores são presos em Vila Velha

De acordo com a PM, os homens são suspeitos de traficar drogas para outros estados e ainda extorquiam prestadores de serviços, como comerciantes e motoboys, que tinham que pagar para trabalhar em regiões de Vila Velha

Publicado em 23/07/2021 às 10h14
Polícia Federal
Sede da Polícia Federal em São Torquato, Vila Velha, para onde os suspeitos foram levados. Crédito: Carlos Alberto Silva
  • Do G1 ES

Três homens suspeitos de atuarem no tráfico de drogas foram presos na noite desta quinta-feira (22) em Vila Velha. De acordo com a Polícia Militar, os presos não só podem estar envolvidos em um esquema interestadual de tráfico, como também cobravam taxas para que prestadores de serviços pudessem trabalhar em bairros da cidade.

Os presos são Felipe Henrique dos Santos Gonçalves, de 30 anos; Pedro Henrique Rodrigues Sales, de 24; e Lucas Magalhães de Oliveira, de 26. Com eles, foram apreendidas drogas e material para embalo, além de munição e celulares.

A Polícia Militar chegou até os homens, que estavam dentro de uma casa, por meio de uma denúncia anônima.

"Indivíduos que atuam no tráfico de drogas na região que compreende Alecrim, Ilha da Conceição e Santa Rita estariam realizando transações que envolviam entorpecentes, armas de fogo e munições", disse o sargento Prates.

Além de chefiar o tráfico de drogas, os homens são apontados pela polícia por extorquir dinheiro de prestadores de serviços, comerciantes e até motoboys. Todos tinham que pagar para conseguir trabalhar.

"Prestadores de serviço de internet, de serviço de telefonia. Para operarem dentro da região que eles intitularam como região das 'Sete Bocas', eles recebiam cobranças. Assim como comerciantes e motoboys que faziam entregas", detalhou Prates.

Os homens foram levados para a Polícia Federal. O caso será investigado pela PF, já que a suspeita é de que o tráfico de drogas gerenciado pelos detidos vá além do Espírito Santo.

"Estão trazendo drogas de outros estados e fazendo também a distribuição logística da droga para outros locais, muitas vezes fora do Estado. Então, isso envolve uma investigação muito maior", pontuou o sargento.

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.