ASSINE

Portão de delegacia é arrombado em Vila Velha

Caso aconteceu no bairro Santa Inês, na Grande Vitória, e a polícia não soube informar em qual dia do fim de semana o portão foi quebrado

Tempo de leitura: 2min
Vitória
Publicado em 24/01/2022 às 07h30
Portão da delegacia onde são guardadas bicicletas apreendidas. Crédito: Rodrigo Gomes
Portão da delegacia onde são guardadas bicicletas apreendidas. Crédito: Rodrigo Gomes

O portão de uma delegacia da Polícia Civil foi arrombado no bairro Santa Inês, em Vila Velha, Grande Vitória. Quando chegaram para trabalhar na manhã desta segunda-feira (24), os policiais se depararam com o portão do local quebrado e aberto. 

A polícia não soube informar em qual dia do fim de semana o caso ocorreu. No local em que o portão foi arrombado ficam bicicletas e outros objetos apreendidos pela polícia.

Conforme apuração do repórter Diony Silva, da TV Gazeta, que esteve no local, os peritos da Polícia Civil foram até a unidade para analisar o ocorrido e a delegacia vai funcionar normalmente nesta segunda.

O QUE DIZ A POLÍCIA CIVIL

Em nota enviada à reportagem de A Gazeta, a Polícia Civil informou que o arrombamento foi constatado na manhã desta segunda-feira (24), quando os policiais chegaram para iniciar o expediente no 7° Distrito Policial, em Santa Inês, Vila Velha. "O portão de uma garagem, anexa à Delegacia e utilizada como depósito, estava empenado", explicou.

"A unidade funciona de segunda a sexta-feira, de 8h às 18h, e o arrombamento ocorreu no final de semana. As instalações da Delegacia não sofreram nenhum dano e o atendimento ao público prossegue normalmente. Na manhã dessa segunda-feira o local foi periciado e a equipe do 7° DP iniciou a investigação a cerca do fato. As primeiras diligências investigativas indicam que o crime foi cometido por dependentes químicos, que visualizaram a possibilidade de subtrair objetos com algum valor. O material ali depositado aguarda autorização judicial para ser encaminhado para destruição e não tem valor de mercado", evidenciou.

"Infelizmente, não é raro em investigações realizadas pela Polícia Civil constatar que autores de delitos como este são reiterados na prática criminosa, com inúmeras passagens por crimes como furtos e arrombamentos. Considerando que o sistema penal brasileiro, na maioria das vezes, aplica penas brandas e pouco eficazes para coibir esses crimes, ou ainda considera esses indivíduos meros dependentes químicos que precisam de tratamento e não são responsáveis por seus atos, tais infratores desconhecem consequências de suas atitudes, pois, uma vez presos e indiciados após o trabalho policial, são rapidamente soltos voltando a cometer os mesmos crimes", finalizou a Polícia Civil. 

*Com informações do repórter Diony Silva, da TV Gazeta

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.