ASSINE

Organização que roubava moto e vendia com documentos falsos é presa no ES

Investigações em Alfredo Chaves começaram após a PM notar que motos eram retiradas dos locais de acidente antes de os policiais chegarem

Tempo de leitura: 2min
Publicado em 25/02/2022 às 18h17

Dois homens foram presos nesta quinta-feira (24) suspeitos de participarem de uma organização criminosa que atuava no roubo de motos  para vendê-las com documentos falsos aos moradores de Alfredo Chaves, no munícipio da Região Serrana do Estado.   Outras quatro pessoas, suspeitas de serem receptadoras dos veículos, foram detidas. Também foram apreendidos 16 motocicletas e um carro.

Esquema criminoso que vendia motocicletas ilícitas é descoberto em Alfredo Chaves
Ao todo, 16 motocicletas foram apreendidas no esquema criminoso. Crédito: Divulgação/PCES

A ação foi feita na Operação Cavalo de Troia, deflagrada pela Delegacia de Polícia (DP) de Alfredo Chaves. O objetivo é desarticular um esquema criminoso relacionado à receptação e venda de motocicletas de maneira ilícita no município.

O  trabalho foi realizado também pela Polícia Militar do Espírito Santo (PMES) e contou com o apoio da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e da Guarda Municipal de Anchieta. A PC  informou que, durante o cumprimento de 30 mandados de busca e apreensão, quatro pessoas foram conduzidas à Delegacia de Polícia de Alfredo Chaves por terem adquirido os veículos.

MOTOS ERAM RETIRADAS DE LOCAL DE ACIDENTES

O titular da DP de Alfredo Chaves, delegado Luiz Carlos Claret Pascoal, disse que as investigações tiveram início quando a polícia começou a suspeitar de uma situação frequente nas ocorrências de acidentes de trânsito no município.

Luiz Carlos Claret Pascoal

Titular da Delegacia de Polícia de Alfredo Chaves

"Desde outubro, notei que, em todo acidente envolvendo motocicleta, os militares iam atender a ocorrência e o veículo que estava envolvido já havia sido retirado. Nós acabamos consultando as placas de cada um desses veículos e notamos que eram motos irregulares, com algum tipo de restrição."

O delegado contou que há um costume de não esperar a polícia verificar a situação do veículo e retirar do local. "Tem gente que vende. Veículos que valem R$ 20 mil, as pessoas compram por R$ 7 mil, um terço do valor", relatou.

Além disso, o delegado disse que a equipe da polícia soube que duas motos deveriam estar no pátio central do Detran. "Talvez sejam clonadas ou foram liberadas irregularmente. Tem que investigar melhor", informou.

INVESTIGAÇÕES

Segundo a PC, após cinco meses de investigações, foi constatado que dois homens de 27 e 39 anos eram os responsáveis por comprar as motocicletas e vendê-las na região. “Eles recebiam as motos furtadas, roubadas ou adulteradas e vendiam com documentos falsos para os moradores de Alfredo Chaves”, explicou.

Ainda de acordo com a PC, o cumprimento dos mandados foi realizado em oficinas e lojas de revenda de automóveis. O resultado foi a apreensão de 16 motocicletas, um carro e a condução de quatro homens. Eles foram autuados em flagrante pelo crime de receptação e foram liberados após pagarem fiança.

A polícia comunicou que, durante a prisão dos homens de 27 e 39 anos, nada de ilícito foi encontrado. “Entretanto, por conta do mandado de prisão, eles foram encaminhados ao sistema prisional. As investigações sobre o caso continuam”, concluiu.

Esquema criminoso que vendia motocicletas ilícitas é descoberto em Alfredo Chaves
Além de motos, a polícia também apreendeu um carro. Crédito: Divulgação/PCES

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais
Alfredo Chaves Polícia Civil crime motocicleta

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.