ASSINE

Mulher é assassinada a tiros dentro de casa em Guarapari

Um homem, que se identificou como companheiro da vítima, também ficou ferido. Ele relatou à polícia que homens armados invadiram a residência, agrediram o casal e mataram a mulher

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 02/08/2021 às 16h09
Atualizado em 02/08/2021 às 23h55
Viatura da Polícia Militar
Homem alegou que seis suspeitos armados invadiram a casa, torturaram e amarraram o casal e mataram a mulher. Crédito: Carlos Alberto Silva

Uma mulher de 52 anos foi morta a tiros dentro de casa no bairro Santa Mônica, em Guarapari, na noite deste domingo (1º). Segundo a Polícia Militar, um homem que também estava na residência ficou ferido. Ambos chegaram a ser socorridos para a Unidade de Pronto Atendimento do município, mas a mulher não resistiu. 

O homem que se identificou como companheiro da vítima também foi baleado e apresentava um corte na testa, segundo ele, por conta de uma coronhada. Segundo a PM, ele relatou que seis criminosos armados teriam invadido a casa e agrediram, torturaram e amarraram o casal. A Polícia Civil afirma que foram três criminosos.

Ainda de acordo com o homem agredido, a mulher conseguiu se livrar e tentou correr, mas os suspeitos atiraram contra ela, que acabou sendo atingida. A PM não forneceu o nome das vítimas.

PRISÃO DOS SUSPEITOS

Polícia Civil informou que, na manhã desta segunda-feira (2), dois homens de 20 e 21 anos foram presos em flagrante por suspeita de serem autores do homicídio. A prisão aconteceu também no bairro Santa Mônica e, de acordo com a polícia, um outro homem de 20 anos, que também teria participado do crime, foi identificado pela polícia, mas não foi localizado. Segundo o delegado Franco Malini, da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Guarapari, os três seriam os responsáveis pelo crime.

Segundo o delegado, o crime aconteceu na noite de domingo e a vítima, assim como seu companheiro e uma vizinha sofreram "intensa tortura".

O delegado narrou que, horas antes do crime, no início da noite de domingo (1º), policiais militares realizaram uma apreensão de drogas no bairro Santa Mônica. O entorpecente foi encontrado em uma quitinete e entregue na Delegacia Regional de Guarapari.

Um dos criminosos viu uma senhora que morava em outra quitinete conversando com os policiais e desconfiou que ela tivesse furtado as drogas ou mostrado a localização para os militares. Essa seria a motivação do crime, segundo o delegado.

Franco Malini relatou que o grupo criminoso do qual os suspeitos presos fazem parte são conhecidos pela agressividade e covardia nos crimes que cometem. O delegado ressaltou que os integrantes são inconsequentes e procuram a todo o tempo "mostrar que mandam" no bairro Santa Mônica.

"Esse grupo é muito conhecido por ter essa postura de inconsequência, de querer mandar no bairro. Mataram a vítima por uma coisa que ela não fez, foi um trabalho legítimo da Polícia Militar que apreendeu as drogas que estavam naquele local e eles queriam imputar o prejuízo a essa mulher. Ela foi torturada, seu companheiro foi torturado, sua vizinha, a sua filha estava no local, sua neta estava no local e, no final, ela foi morta de forma covarde pelos traficantes. Esse grupo é conhecido por sua agressividade, são muitos homicídios que a gente já apurou ali de forma covarde que eles cometem", afirmou o delegado.

Os suspeitos foram presos no bairro Santa Mônica, em Guarapari e encaminhados à delegacia, onde foram autuados por homicídio qualificado, lesão corporal, tortura e associação criminosa. Os detidos serão encaminhados ao sistema prisional. O caso continua sob investigação e informações sobre o paradeiro do terceiro suspeito podem ser repassadas de forma anônima pelo Disque-Denúncia 181.

Atualização

2 de Agosto de 2021 às 23:30

O delegado Franco Malini, da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Guarapari, enviou na noite desta segunda-feira novas informações sobre o crime a prisão dos suspeitos. O texto foi atualizado.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.