> >
Miliciano mandou matar vereador por dívida em Presidente Kennedy, diz polícia

Miliciano mandou matar vereador por dívida em Presidente Kennedy, diz polícia

Na manhã desta segunda-feira (10), cinco pessoas foram presas por envolvimento no crime durante uma operação da Polícia Civil com apoio da PM

Publicado em 10 de junho de 2024 às 11:32- Atualizado há 7 dias

Ícone - Tempo de Leitura 3min de leitura
Marcos Augusto Costalonga foi assassinado enquanto dirigia
Marcos Augusto Costalonga foi assassinado em maio de 2021, dentro do próprio carro, no interior de Presidente Kennedy. (Montagem | A Gazeta)
Sara Oliveira
Repórter / [email protected]

morte do vereador Marcos Augusto Costalonga (PL), assassinado a tiros dentro de um carro em Presidente Kennedy, Sul do Espírito Santo, foi encomendada por um miliciano após o parlamentar cobrar uma dívida do homem. Isso é o que apontam as investigações da Polícia Civil, que prendeu cinco envolvidos no crime na manhã desta segunda-feira (10) durante uma operação com apoio da Polícia Militar. 

Aspas de citação

O mandante do crime, que é um famoso miliciano aqui da região, foi o único que nós não conseguimos prender hoje (10)

Thiago Viana
Delegado de Presidente Kennedy
Aspas de citação
Gilbert Wagner Antunes Lopes, conhecido como
Gilbert Wagner Antunes Lopes, conhecido como "Waguinho Batman", apontado como mandante do homicídio do vereador. (Divulgação/PCES)

O homem apontado como mandante do assassinato foi identificado pelo delegado Thiago Viana como Gilbert Wagner Antunes Lopes e é conhecido como "Waguinho Batman". Em entrevista ao repórter Matheus Passos, da TV Gazeta Sul, o titular da delegacia de Presidente Kennedy explicou que, em 2020, quando ainda não era vereador, Marcos Augusto Costalonga vendeu um caminhão de mourões - cercas usadas em construções - para o mandante do crime, que tinha uma empresa responsável por uma obra pública em Presidente Kennedy.

“Ele adquiriu esses mourões mas não pagou. O vereador então começou a fazer cobranças incisivas a ele e inclusive quando assumiu o cargo de vereador falou que ia na prefeitura pedir o bloqueio do pagamento dele enquanto ele não pagasse pelo valor dos mourões. Houve uma discussão por telefone, o mandante pagou e depois executou”, explicou o delegado.

O vereador Marcos Augusto Costalonga (PL), de 49 anos, conhecido como Marquinhos da Cooperativa, foi assassinado no dia 27 de maio de 2021, na localidade de Alegria, interior do município. Na ocasião, o parlamentar dirigia um Toytota SW4 Hilux, juntamente com a esposa e um amigo, quando um carro com quatro ocupantes emparelhou e atirou contra o veículo do vereador, que morreu no local.

Miliciano mandou matar vereador por dívida em Presidente Kennedy, diz polícia

Polícia busca por mandante

O mandante do crime ainda não foi localizado. Segundo o delegado, dos cinco mandados de prisão cumpridos nesta segunda-feira (10), dois já estavam detidos pelo crime de roubo. Os outros três foram localizados em Marataízes, Itapemirim e Presidente Kennedy.

“São três anos de investigação, investigação dura, investigação complexa. Eles queimaram o carro, sumiram com a arma. Eles fizeram de tudo para tentar ludibriar. Prática de milícia mesmo, como a gente viu no caso da vereadora Marielle [parlamentar morta por milicianos no Rio de Janeiro]”, compara o delegado.

Os indivíduos presos nesta segunda-feira (10) serão encaminhados para o Centro de Detenção Provisória de Marataízes

Morto dentro de carro

No dia do crime, Marcos, a esposa e um amigo voltavam de um jogo de futebol, por volta de 23h do dia 27 de maio de 2021. Na estrada, um carro Hyundai HB20 teria emparelhado junto ao carro do vereador e os ocupantes atiraram diversas vezes em direção ao veículo que ele dirigia.

Um dos disparos atingiu Marquinhos, que morreu na hora. Ele perdeu o controle do veículo e caiu em uma ribanceira, às margens da estrada. Os suspeitos fugiram sem levar nada. A mulher e o amigo ficaram feridos e foram socorridos.

O carro usado pelos envolvidos foi encontrado quatro dias após o crime incendiado em Monte Belo, também no município. Em conversa com o repórter Matheus Passos, da TV Gazeta Sul, na manhã desta segunda-feira, familiares do vereador disseram que aguardavam por isso e manifestaram alívio em ver a justiça sendo feita.

A Prefeitura de Presidente Kennedy foi questionada sobre a obra pública em que, segundo o delegado, o mandante do crime – apontado como miliciano – teria atuado na cidade antes do crime. O município informou que a empresa Lopes do Brasil, vencedora da licitação, concluiu as obras do trecho Santo Eduardo - Jaqueira no ano passado, já com o nome de Shark Construções Eirelli. "Segundo o delegado, Dr. Thiago Viana, a empresa estava em nome de laranjas. Não era de conhecimento da prefeitura que a empresa vencedora da licitação era do acusado em questão", disse o município.

Errata Atualização
11 de junho de 2024 às 11:32

O texto foi atualizado com a foto do suspeito de mandar matar o vereador, enviada pela Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Sesp), e com posicionamento da Prefeitura de Presidente Kennedy.

Este vídeo pode te interessar

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rapido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta

A Gazeta integra o

The Trust Project
Saiba mais